quinta-feira, 15 de setembro de 2005

...Também em Montepuez !

Moçambique - Tumultos em Montepuez (Norte) provocam vários feridos

Várias pessoas ficaram feridas, hoje, na vila de Montepuez, norte de Moçambique, em tumultos ocorridos na sequência de rumores de que a RENAMO estaria a preparar manifestações, informaram testemunhas. Luciano César, um madeireiro de 47 anos, residente em Montepuez, disse à Lusa que várias pessoas ficaram feridas e algumas bancas de venda foram saqueadas em resultado de incidentes que se seguiram a boatos de que estariam iminentes violentas manifestações da RENAMO, oposição, naquela localidade. Segundo a fonte, por volta das 08:00 (07:00 em Lisboa) um grupo de pessoas espalhou rumores de que a RENAMO se preparava para levar a cabo "manifestações como as da Mocímboa da Praia", gerando pânico entre a população. O grupo que espalhou o boato, assinalou, aproveitou-se do pânico da população para saquear, durante cerca de três horas, o principal mercado local. O comandante da polícia no distrito de Montepuez, César Januário, negou à Lusa que se tenham registado feridos, na sequência dos distúrbios provocados por "oportunistas", e assegurou que "a polícia controlou de imediato a situação". Na semana passada, oito pessoas morreram e cerca de 50 ficaram feridas no município da Mocímboa da Praia, também em Cabo Delgado, na sequência de confrontos entre membros da RENAMO e da FRELIMO, em resultado da tensão que se seguiu à derrota da oposição na eleição intercalar para a presidência do município.
Via "Notícias Lusófonas" de 15/09/2005

2 comentários:

GuiFerreira disse...

Jaime,

Acreditas que em Pemba não sabiam destes acontecimentos????!!!!

Ouvi hoje de manhã na rádio e, fiquei um pouco preocupada.

Estabilidade???!!!! Quando???

Bjs

Gui

gotaelbr disse...

...É...a intolerância perante sistemas políticos gastos, falidos, corruptos aliada à manipulação irracional e oportunista da população ingénua com vistas ao alcance do poder vai alastrando pelo mundo atual e gerando vítimas inocentes...
Qual a solução ?
Até quando ?
Que futuro ?...

Fica a interrogação e, pelo menos, por enquanto (não se sabe até quando), a liberdade podermos ler,tomar conhecimento, opinar e protestar.