domingo, 16 de outubro de 2005

O Jardineiro Fiel


Recomendação cinematográfica: "O Jardineiro Fiel":
África-Quênia: Após uma ativista ser assassinada, seu marido parte em viagem para descobrir o que realmente aconteceu com ela.
Dirigido pelo brasileiro Fernando Meirelles (Cidade de Deus) e com Ralph Fiennes, Rachel Weisz e Pete Postlethwaite no elenco.
Sinopse: Uma ativista (Rachel Weisz) é encontrada assassinada em uma área remota do Quênia. O principal suspeito do crime é seu sócio, um médico que encontra-se atualmente foragido. Perturbado pelas infidelidades da esposa, Justin Quayle (Ralph Fiennes) decide partir para descobrir o que realmente aconteceu com sua esposa, iniciando uma viagem que o levará por três continentes.
A obra é baseada no best-seller com o mesmo nome, escrito por John Le Carré.
E Meirelles obtém êxito ao dirigir a adaptação por mostrar um ponto de vista mais terceiro-mundista e menos britânico para a história de Le Carré.
Assim como o romance, o filme começa com a morte de uma das personagens principais.
A incansável ativista política Tessa Quayle (Rachel Weisz) é encontrada morta, brutalmente assassinada, num local isolado do norte do Quênia.
Seu marido, mais velho do que ela, é Justin (Ralph Fiennes), um diplomata de carreira ligado ao Alto Comando Britânico em Nairóbi mais preocupado em cuidar de seu jardim e manter as aparências.
De início, Justin recebe a notícia com o sangue-frio de um verdadeiro aristocrata britânico.
De fato, é seu sócio, Sandy Woodrow (Danny Huston), e não Justin, quem vomita quando vê o corpo mutilado de Tessa no necrotério.
Sua reação é complicada pelas indicações que o assassinato pode ter sido um crime passional, já que o médico queniano (Hubert Kounde) com quem ela viajava desapareceu e é dado como o principal suspeito do crime.
Então Justin começa a fazer descobertas que podem fundamentar os boatos sobre outras infidelidades de sua jovem esposa.
Entretanto, o que ninguém na comunidade britânica de Nairóbi esperava era o amor profundo que esse homem ainda sente pela mulher que não chegou a conhecer muito bem, já que seu casamento durou tão pouco.
A história avança de maneira não linear, e Justin passa a empreender uma busca ferrenha por uma explicação para a morte de Tessa.
Então, em flashbacks, ele começa a examinar mais de perto quem foi de fato sua mulher.
À medida que confronta o que tinha evitado enxergar, se aproxima de Tessa, começa a compreender seu ponto, entender o que importava para ela e a amá-la ainda mais.
Essa odisséia o arrasta para o mundo obscuro das multinacionais farmacêuticas, ou "farmas", como são conhecidas as gigantes do setor.
Tratam-se de organizações com recursos e poder econômico tremendos, praticamente nações, que não pensam duas vezes antes de testar drogas novas nas miseráveis populações do Terceiro Mundo.
A investigação de Justin sobre o que pode ter levado alguém a mandar matar sua mulher o conduz até um território assustador e sinistro, onde as pessoas não se sentem mais seguras sob o sol do meio-dia do que na escuridão misteriosa da noite.
Ele visita Kibera, a maior favela da África subsaariana.
Em Londres, o governo britânico confisca seu passaporte.
Ele viaja a Berlim com passaporte falso para entrevistar o assustado diretor de um grupo de fiscalização das farmas.
Voltando ao Quênia, confronta pessoas que têm sangue nas mãos, e depois vai ao Sudão, onde encontra refugiados vivendo em condições aviltantes.
A viagem chega ao fim no local estranhamento belo onde sua mulher morreu.
Vale observar que, apesar de o governo queniano ter feito muitas críticas ao livro e ao filme, o mesmo governo autorizou Meirelles a rodar o filme em seu território.

Nenhum comentário: