sexta-feira, 12 de maio de 2006

Corte de estrada em Cabo Delgado: Prepara-se desvio como alternativa.


A directora provincial das Obras Públicas e Habitação, Cacilda Machava, disse ontem, em declarações ao Notícias, que a melhor alternativa, neste momento, para colmatar o problema criado pelo desabamento da ponte sobre o rio Nango, é a abertura de um desvio através do qual, provisoriamente, as viaturas poderão passar.
Entretanto, até ao dia de ontem mantinha-se o desabamento parcial da ponte sobre aquele rio, situado na localidade de Awasse, distrito de Mocímboa da Praia, facto que põe ainda isolados os cinco distritos do norte de Cabo Delgado, estando, todavia, em curso trabalhos visando encontrar uma solução provisória.
Com efeito, os automobilistas enveredavam pela única alternativa, embora sabendo-se o risco, que é o uso da via Chitachi/Muidumbe, possível apenas para passageiros, pois as mercadorias mantinham-se ainda nas duas margens do rio, obedecendo ao processo de transbordo para os veículos que, também, se encontram entre as duas margens.
A directora provincial, acabando de regressar do local dos acontecimentos, confirmou ainda ao nosso Jornal informações segundo as quais, para além do baldeamento de mercadorias, nada mais se afigura aconselhável, dadas as dificuldades com que se transita pela via Chitachi/Muidumbe.
"A situação continua na mesma. A estrada está cortada e a equipa que temos no local está a abrir um desvio que, assim que estiver concluído, dar-se-á a conhecer", disse.
Motoristas há, entretanto, que tiveram que cancelar as suas viagens, regressando a Pemba ou Nampula, devido às dificuldades existentes naquele local.
Esta foi a forma por eles encontrada para não porem em risco suas vidas e as dos seus passageiros, para além de evitar danificar as suas viaturas, principalmente numa rampa, bastante perigosa, conhecida por "Namacande".
Fontes contactadas pelo "Notícias" e que estiveram no local disseram que a recuperação da ponte vai necessitar de avultados meios financeiros, em virtude da séria danificação do aqueduto.
"A situação é séria e não vejo quando é que será encontrada uma solução definitiva.
E aquele rio é muito profundo, da mesma forma que a ideia de colocar sacos de areia ou fazer um desvio só poderá servir por muito pouco tempo, numa estrada que deve ser considerada a espinha dorsal da economia não só da zona norte, mas também, de alguma forma, da província", comentou um técnico florestal que trabalha numa empresa privada e que afirmou ter adiado a sua viagem para o interior de Mueda.
O administrador de Mocímboa da Praia, Arcanjo Cassia, contactado, quarta-feira, pelo nosso Jornal, disse que o seu Executivo irá ajudar no que for possível as equipas em serviço na ponte sobre o rio Nango.
Entretanto, informações da região dão conta de que as chuvas continuavam a cair no dia de ontem. Aliás, o mesmo se pode dizer em relação à própria capital provincial, que há quatro dias consecutivos tem sido fustigada por uma chuva que, não sendo muito forte, é, no entanto, persistente.
======
Guebuza inicia hoje visita a Cabo Delgado.
No epílogo do seu périplo por três províncias do centro e norte do país, o Presidente da República, Armando Guebuza, inicia hoje uma visita à província de Cabo Delgado, durante a qual escalará os distritos de Chiúre, Nangade e Palma, bem como a cidade de Pemba.
Ido da Zambézia, após ter começado esta presidência aberta em Tete, o chefe do Estado moçambicano leva na bagagem visitas a diversos empreendimentos económicos e sociais daquela província, para além de encontros com as populações, nos quais centrará as suas intervenções no combate à pobreza absoluta.
Ontem, último dia da sua estada na Zambézia, Guebuza inaugurou a ponte sobre o rio Lipale, no distrito de Namarrói, onde igualmente orientou um comício popular.
Aqui, a população pediu ao presidente da República a instalação do sistema de telefonia fixa e celular, bem como do sinal da Televisão de Moçambique.

Nenhum comentário: