quinta-feira, 18 de maio de 2006

Guebuza promete 50 casas para ex-combatentes da guerra colonial.

O Presidente de Moçambique, Armando Guebuza, prometeu construir "em breve", na província de Cabo Delgado, norte do país, 50 casas para ex-combatentes de luta de libertação nacional, projecto paralisado há anos por motivos desconhecidos.
Armando Guebuza deu estas garantias no final de uma visita ao distrito de Nagade, no âmbito da presidência aberta na província de Cabo Delgado, que terminou na terça-feira.
Durante a sua estada em Cabo Delgado, Guebuza visitou duas casas inacabadas de um total de 50, que serão distribuídas por 700 ex- militares residentes no distrito de Nangade, uma importante base militar da FRELIMO durante a guerrilha contra o regime colonial português, terminada em 1974.
No final, Guebuza assegurou que "agora o projecto vai andar", mas não avançou datas.
Em Cabo Delgado, há anos que os ex-combatentes, muitos deles mutilados, acusam o Governo de "exclusão social", por não esclarecer a situação de construção de casas, orçadas em mais de 530 mil euros.
A propósito, o ministro para os Assuntos dos Antigos Combatentes, Feliciano Gundana, admitiu instaurar processos disciplinares caso se conclua que houve no meio deste problema algum acto ilegal.
Gundana confirmou que, há anos, o executivo moçambicano disponibilizou recursos para a construção das referidas casas aos ex- combatentes, mas escusou-se a entrar em pormenores sobre o assunto.
"Naturalmente que vai ser alocado um valor adicional ao projecto para suportar o actual custo dos materiais de construção", comentou ainda Gundana.
O chefe de Estado moçambicano também reconheceu que "algo não correu bem" no referido processo, apelando, por isso, para a necessidade de se trabalhar "para que o projecto nunca mais volte a parar".

Nenhum comentário: