segunda-feira, 17 de julho de 2006

Cabo Delgado e Nampula: Mensagens sobre HIV/SIDA nas mesquitas.


Mulheres professando a região muçulmana em Nampula poderão vir a beneficiar nos próximos tempos, de um programa de sensibilização sobre o perigo do HIV/SIDA, no quadro de uma acção que está a ser levada a cabo pela Associação Luta Contra Pobreza.
A iniciativa lançada em Fevereiro último, em Pemba, consistiu numa primeira fase, na formação de 23 activistas representando diversas mesquitas da província de Cabo Delgado.
Actualmente, este grupo faz a disseminação sobre a doença em todas as quartas-feiras, estando a cobrir um universo de cerca de 500 mulheres muçulmanas.
Rabia Valigy, coordenadora geral da organização não-governamental Luta Contra Pobreza não avançou os valores envolvidos no programa iniciado em Pemba, mas condiciona a sua extensão para Nampula à disponibilização de financiamentos por parte dos parceiros.
Avalia, entretanto, ter notado em Pemba, uma considerável abertura por parte das comunidades abrangidas, mesmo considerando que a província é a que apresenta menos taxa de seroprevalência e com a maioria da população a professar a religião muçulmana.
A fonte referiu que para além da disseminação de mensagens sobre a pandemia, foram distribuídas sementes de hortícolas a 123 mulheres de Murrebwe, numa acção que tem em vista a melhoria da dieta alimentar das populações.
Também está prevista a abertura de uma machamba com 10 hectares para o plantio de cajueiros e da jatropha, iniciativa essa que é financiada pela Embaixada dos Estados Unidos da América.
Ainda nesta primeira fase do programa foram oferecidas fraldas descartáveis em quantidades não reveladas aos serviços de pediatria do Hospital Provincial de Pemba, onde as autoridades fizeram um apelo no sentido de a associação e outros membros da sociedade civil apoiarem a alimentação das crianças infectadas pelo HIV e que sofrem de problemas nutricionais.
Ainda na tentativa de chamar atenção às pessoas sobre a problemática da pandemia, foi realizada recentemente em Pemba, uma marcha na qual participaram mais de 500 mulheres. Rabia Valigy justifica que a escolha da comunidade muçulmana na disseminação destas mensagens prende-se com o facto de se ter entendido que a problemática do HIV/SIDA constituía um tema que estava a ser dificilmente discutido dentro das mesquitas.
Maputo, Terça-Feira, 18 de Julho de 2006:: Notícias

Nenhum comentário: