quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

PEMBA - Centro de Pesquisa em Biologia Marinha e Costeira.



Um centro de pesquisa em biologia marinha e costeira vai funcionar a partir de 2007 na cidade de Pemba, província de Cabo Delgado, ao abrigo de um projecto de gestão da biodiversidade tutelado pelo Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) e financiado através de um crédito do Banco Mundial.
A principal vocação do centro é criar condições para uma gestão sustentável dos recursos disponíveis tanto no mar como ao longo dos cerca de 2700 quilómetros da costa moçambicana.
De acordo com o director nacional de Gestão Ambiental, Policarpo Napica, a costa moçambicana detém um vasto potencial de recursos raros que precisam de ser conservados no interesse nacional, regional e internacional, facto que explica a importância que o Governo dá à criação daquele empreendimento.
Segundo Napica, o benefício que o Governo espera do centro não se resume apenas à componente de investigação científica, uma vez que o espaço poderá igualmente ser usado por estudantes interessados em aliar a teoria científica à actividade prática.
Considerando que se trata de um centro de múltipla utilização, Policarpo Napica explicou que o mesmo vai ainda servir às comunidades adjacentes, uma vez que o grosso da população residente nas zonas costeitas tem na pesca artesanal a principal actividade de sobrevivêcia.
"Temos ao longo da nossa costa ecossistemas como mangais, corais e variadas espécies raras como são os casos dos dugongos, baleias e outras que exigem que se faça um acompanhamento exaustivo da sua dinâmica, por forma a garantir-se que sejam tomadas medidas e definidas políticas em tempo útil, contribuindo para a sua sustentabilidade", explica Napica.
Actualmente, a construção do centro, uma obra de raiz, encontra-se numa fase conclusiva, estando em curso o processo de criação de uma comissão instaladora que se vai ocupar não só do recrutamento e formação de meios humanos, como também da definição das necessidades adicionais em termos de equipamentos tecnológicos que correspondam à dimensão do centro.
Parceria com a EDM
"Trata-se de um centro de dimensões relativamente elevadas em termos de obras civis. Olhando para as perspectivas em termos das acções técnico-científicas que nela se vão desenvolver, houve a necessidade de investirmos numa parceria com a empresa Electricidade de Moçambique com vista à construção de um sistema de fornecimento de energia eléctrica de qualidade, para assegurar o funcionamento do centro de pesquisa.
Na verdade não foi difícil conseguir esta parceria com a EDM que assumiu a importância do projecto e aceitou levar energia para o centro em tempo recorde e com custos relativamente baixos para aquilo que é o valor do investimento realizado", disse Napica.
Com efeito, a EDM investiu cerca de 2,3 biliões de meticais na construção de cerca de cinco quilómetros de rede em média tensão e um posto de transformação, facilidades que, numa primeira fase, vão servir exclusivamente ao centro.
Entretanto, é ponto assente que a disponibilidade de energia eléctrica naquela zona da província de Cabo Delgado vai espevitar a instalação de novos projectos, sobretudo na área do turismo.
Sobre a nova linha, Josué Nunes, director da EDM, Área de Distribuição de Pemba, disse que se trata de um investimento inscrito nos planos da empresa para 2006, ao abrigo dos quais foram também feitas intervenções na rede de baixa tensão a nível da cidade e nos distritos de Ancuabe, Chiúre e Montepuez.
Para 2006, segundo Josué Nunes, a EDM tinha como meta ligar 3600 novos clientes à rede de distribuição em Cabo Delgado, plano que segundo a nossa fonte está perto de ser cumprido na totalidade.
Maputo, Quarta-Feira, 20 de Dezembro de 2006:: Notícias

Nenhum comentário: