quinta-feira, 15 de março de 2007

Estrada une Montepuez e Lichinga.


Maputo, 15 Mar (Lusa) - As obras de reforma da estrada que une as regiões de Montepuez e Lichinga, no norte de Moçambique, avaliadas em 21,2 milhões de euros (R$ 58,6 milhões), vão ser financiadas pelo Japão, anunciaram fontes oficiais em Maputo nesta quinta-feira.O contrato de financiamento para as obras, que serão feitas em uma extensão de 201 quilômetros da rodovia, será firmado nesta sexta-feira em Maputo pela ministra moçambicana das Relações Exteriores, Alcinda Abreu, e o embaixador japonês em Moçambique, Tatsuya Miki.O concurso público para a realização das obras foi lançado em fevereiro. As propostas das empreiteiras interessadas deverão ser entregues até 12 de abril.Trata-se de uma obra considerada "muito importante" para o norte do país africano, e que permitirá combater o isolamento da província de Niassa, e em particular de sua capital, Lichinga."É uma obra muito importante para a província de Niassa, que não se ligava de forma adequada à província [vizinha] de Cabo Delgado [onde fica Montepuez]. O objetivo é que Niassa saia do isolamento e tenha ligação com uma estrada nacional e com um porto", disse à Agência Lusa uma fonte do Ministério de Obras Públicas e Habitação de Moçambique.Atualmente, a ligação por estrada à capital de Niassa leva a desvios pelo interior do país vizinho Maláui.O concurso envolve dois contratos para pavimentação de estradas - a via é de terra batida em grande parte de sua extensão - e construção de pontes.O primeiro contrato diz respeito a um trecho de estrada de 135 quilômetros entre Montepuez e a cidade de Ruaça."A estrada atual em terra encontra-se em más condições, e desta forma pretendemos melhorar seu revestimento convencional", de acordo com o "anúncio específico de concurso pré-qualificação de empreiteiros".O segundo contrato em concurso diz respeito ao trecho de 66 quilômetros entre Litunde e Lichinga, e que inclui a construção de duas pontes, a pavimentação, o "revestimento superficial simples e duplo", a "limpeza, reabertura de valas e sinalização" e a "demolição de estruturas existentes".
Lusa - 15-03-2007 12:31:28

Nenhum comentário: