terça-feira, 22 de maio de 2007

2008 - Comemoração dos 50 anos de PEMBA...

Queremos colaborar no desenvolvimento do país - Valige Tauabo, director de Marketing e Relações Públicas da CD em Movimento, a propósito dos 50 anos de Pemba.
A cidade turística de Pemba comemora no próximo ano o quinquagésimo aniversário da sua elevação àquela categoria. E já há uma movimentação nesse sentido. A Associação dos Naturais, Amigos e Simpatizantes de Cabo Delgado (ANASCD), está a projectar uma série de actividades socioculturais, com vista à uma celebração condigna, à dimensão de uma urbe que alberga a terceira maior baía do mundo. Uma cidade que tem no seu roteiro, o turismocultural como marca. A esse programa, os seus organizadores convencionaram chamar CD em Movimento.
Para nos inteirarmos dessas actividades, contactámos Valige Tauabo, director de Marketing e Relações Públicas da ANASCD.
“O CD em Movimento tem como objectivo fundamental participar no desenvolvimento de Cabo Delgado de uma forma geral. Mas quando há comemorações dos aniversários nos municípios, nós temos dado o nosso contributo. E também temos em agenda a participação, de várias formas, na preservação do património sociocultural da província”.
Para os cinquenta anos de Pemba, a CD em Movimento tem um leque de actividades que começaram logo que terminaram as celebrações do 49º aniversário. “Um dos aspectos mais fortes que pretendemos fazer por esta efeméride, é conseguir sensibilizar todos aqueles que são naturais, amigos e simpatizantes da associação para fazerem o seu melhor com vista a projectar a imagem de Pemba, que é uma das mais belas janelas do nosso país, sobretudo no turismo cultural que ali se pratica”.
A Associação dos Naturais, Amigos e Simpatizantes de Cabo Delgado existe desde o ano passado. Perguntámos a Valige Tauabo, como é que tem sido a adesão dos membros naquela colectividade. “Há muita vontade dos naturais, amigos e simpatizantes em aderirem à associação e muitos deles trazem uma diversificação em termos de visão sobre aquilo que deve ser a nossa a província. Todos estão preocupados com uma causa, que é o desenvolvimento da província”.
Como acontece com outras associações similares, os membros influentes desta agremiação estão baseados em Maputo. São esses também que detêm o potencial económico. E, sobre a sincronização da CD em Movimento, quisemos saber de Valige Tauabo, como é que ela é feita. “Esse é um facto, mas nós estamos a traçar o nosso programa de forma a não entrar em choque com aquilo que são os objectivos da província. Nós também fazemos tudo para que colaboremos no programa traçado pelo Governo provincial”.
Sobre os benefícios que uma associação como esta pode trazer, Tauabo tem uma opinião positiva. “Primeiro que tudo, uma associação tem que seguir a luz da lei. Acho que é salutar, porque temos uma participação no desenvolvimento sociocultural das comunidades. Uma associação destas, bem encaminhada, pode ter grande contributo para o desenvolvimento do país. Tentamos estar junto das estruturas governamentais, porque desta forma, pensamos nós, estaremos melhor orientados”. Segundo ainda as palavras do nosso interlocutor, a CD em Movimento adoptou um sistema de trabalho que eles próprios consideram positivo “e aquelas associações que seguirem este modelo só farão ganhar as províncias que lhes acolhem”.
QUEREMOS OPINAR
O aspecto repisado por Valige Tauabo é a necessidade de participar na movimentação do país. “Nós estamos bem claros nos nossos estatutos. Queremos nos inserir na sociedade, queremos participar, queremos opinar, queremos criar instrumentos estratégicos de desenvolvimento e, como porta-vozes da sociedade, queremos também que o Governo sinta que nós podemos, de alguma forma, participar no desenvolvimento global da província e, consequentemente, do país”.
Outro dado, particularmente de extrema importância citado pelo director de Marketing e Relações Públicas, ultrapassa a regra dos estatutos e assume um valor patriótico muito grande. É que Cabo Delgado é o berço da luta armada de libertação nacional. Todos os grupos étnicos de Moçambique estarão ligados por via disso, àquela província. Os antigos combatentes terão, por inerência da história, alguma simpatia ou amizade por Cabo Delgado. Este facto foi recordado quando perguntámos a Tauabo, sobre quem é que podia ser membro desta colectividade. “Todos podem ser membros da associação, daí o termo “amigos e simpatizantes”. Temos muitos amigos e muitos simpatizantes”.
PRESERVAÇÃO CULTURAL
Um dos objectivos perseguidos pelo CD em Movimento é a preservação do património histórico-cultural existente em Cabo Delgado. De acordo com Valige Tauabo, alguma coisa está-se a fazer nesse sentido. “Se formos a olhar àquilo que é o propósito desta associação, nós queremos identificar os problemas que a província enfrenta e possíveis soluções. Queremos promover debates e reflexões colectivas. Promover e intensificar o convívio social. Desenvolver acções com vista à atracção de projectos de desenvolvimento para a província. Promover deslocações turísticas à província. Portanto, olhando para estes objectivos, nós cremos que estaremos a promover o turismo cultural”.
Tauabo acrescenta que a sua associação quer dar um fôlego para que as actividades culturais da província de Cabo Delgado não desapareçam É uma província culturalmente rica. “O tufo e o mapiko são as manifestações mais conhecidas, mas há muito mais do que isso e nós queremos participar, juntamente com as estruturas do Governo vocacionadas, para a preservação desse manancial”.
A promoção de valores e hábitos culturais das populações de Cabo Delgado, incluindo o conhecimento das línguas locais, a culinária e a arte, merecem a atenção da CD em Movimento. “Nós apoiamos acções de pesquisa, compilação e divulgação do nosso património cultural, incluindo a dança, o canto, o teatro, a escultura, a cerâmica, instrumentos musicais, de trabalho e de adorno”.
O ecoturismo constitui uma área promissora para o desenvolvimento da província. O redimensionamento e uso integral das belíssimas praias, incluindo as de Mecúfi, Murebwe, Wimbi, do Arquipélago das Quirimbas, Pangani e Palma, irão abrir as portas de Cabo Delgado para maior contacto com o mundo e assim, valorizando cada vez mais a baía de Pemba, a primeira maior baía de natural de África e a terceira maior do mundo.
“Nesta área, maior atenção deve ser dada ainda ao desenvolvimento e aproveitamento das reservas naturais e zonas de conservação, incluindo locais históricos e de lazer”.
ALEXANDRE CHAÚQUE - Maputo, Terça-Feira, 22 de Maio de 2007:: Notícias

Nenhum comentário: