quarta-feira, 30 de maio de 2007

PEMBA - Turismo cultural é prioridade.

Intensificar turismo cultural continua a ser nossa prioridade diz Agostinho Ntawale, presidente do município de Pemba .
A cidade de Pemba – orgulhosamente apelidada de berço que acolhe a terceira maior baía do mundo – continua galvanizada no estabelecimento definitivo de um turismo cultural que fará daquela urbe da província de Cabo Delgado, uma janela importante e privilegiada de Moçambique. De acordo com Agostinho Ntawala, presidente do município local, que esteve recentemente na Bolsa do Turismo realizada em Maputo, há muito trabalho que está sendo feito neste momento, particularmente na área da construção de infra-estruturas. “Qualquer nacional ou estrangeiro que queira investir em Pemba, pode fazê-lo, nós estamos abertos”. Neste momento há uma grande azáfama para construção de hotéis, que incluem de cinco estrelas.
Ntawala, em conversa com a nossa Reportagem, evocou como um dos chamaris para chamar a atenção das pessoas sobre o desenvolvimento de Pemba, o Festival de Turismo Cultural da Baía, que se realiza uma vez por ano. “Este evento é o espelho de Cabo Delgado. Se você quer ir à Mueda, ou Nangade, ou outro local da nossa província por alturas desse festival, não precisa de ir lá, porque todo Cabo Delgado vem dar à Pemba”.
Apresentado este panorama, questionamos ao presidente do Município de Pemba se isso significa que a cidade por ele dirigida está de boa saúde.
“Nós estamos bem, porque o turismo não se circunscreve apenas à cidade de Pemba, mas também nas Ilhas. Temos o turismo em que as pessoas têm a oportunidade de se banhar nas águas do mar, temos também fauna bravia no Parque Nacional das Quirimbas que engloba a parte marítima e também a parte continental, onde se podem contemplar animais”.
São projectos inúmeros e ambiciosos abraçados pela equipa de Agostinho Ntawale, que passam por acreditar sobretudo na força do trabalho. “Temos em manga a urbanização da terra para poder viabilizar os projectos de construção para o bem-estar da população. Neste momento estamos numa fase de parcelamento de algumas áreas municipais em que posso afirmar que temos já 400 talhões, para ver se a nossa cidade vai ter uma habitação condigna, aliás esse é o nosso programa. Outro projecto circunscreve-se à viabilização de zonas potenciais para prática de turismo cultural, e lá nós só autorizamos a construção de infra-estruturas turísticas e achamos que podemos combater a pobreza absoluta nesse âmbito, porque as pessoas terão emprego e também, além do emprego, temos aquilo que é a contribuição dos operadores no âmbiuto da e também na agricultura de pequena escala e isso fará com que a cidade de Pemba, nos próximos tempos reduza circunstancialmente pobreza”.
BOLSA DO TURISMO
Uma das estratégias adoptadas por Agostinho Ntawala para a promover a sua cidade, foi vir à Maputo para a Bolsa do Turismo. “Eu vim a Maputo para dizer ao mundo que nós estamos aqui, não viemos na nossa máxima força, mas estamos em grande: trouxemos aqui grupos culturais habitualmente vistos na baía de Pemba, trouxemos uma gastronomia invejável, estamos no mínimo com qualquer coisa como 25 pratos que estão a girar aqui na Bolsa de Turismo, e são pratos típicos de Moçambique, então essa é uma componente muito importante”. Ainda no Bolsa de Turismo foi lançado um CD de uma cantora- revelação chamada Zainabo, que fala das potencialidades da cultura de Cabo Delgado. O nosso trabalho não é confidencial, é público e gostaríamos que qualquer moçambicano, onde estiver, acompanhasse isso”.
Outra estratégia encontrada pela edilidade é a promoção regular de festivais. “Agora capitalizamos o Festival de Turismo Cultural da Baía, que é realizado todos os anos. Isso significa que aqui nós mostramos todo o potencial de Cabo Delgado”.
Em relação ao turismo cultural, o nosso interlocutor, abre espaço para a participação do sector privado.
“Nós temos já processada a autorização de um grupo de investidores que vão construir um hotel Vip e outros hotéis. E pensamos que, de certa maneira, isso vai catalisar o turismo e a dinâmica social, económica e Cultural de Cabo Delgado”.
Esse desenvolvimento projectado passará ainda pela construção de uma auto-estrada que vai ligar a cidade velha à nova – onde estão a ocorrer grandes transformações.
DEPOIS DO FESTIVAL
Após a realização do 2º Festival da Canção e Música Tradicional realizada na cidade de Pemba em 2006, a capital provincial de Cabo Delgado, em termos de desenvolvimento cultural já não será a mesma.
“Pemba mudou muito. Ficámos a saber que afinal podemos fazer maravilhas. Como réplica desse festival nacional, acabámos criando o Festival de Turismo Cultural da Baía, que está a dar um grande sucesso e penso também que a mentalidade das comunidades também mudou, porque eles acham que hoje, afinal de contas podem promover a província de Cabo Delgado através da dança, da canção, através da cestaria, da escultura makonde, então eu julgo que, de facto, o segundo festival da canção tradicional veio, mais uma vez, dar um impulso à província de Cabo Delgado”.
Pemba é também uma cidade de muitos bairros. Qual deles o mais importante, na visão de Ntawale?
“Nós temos o bairro histórico de Paquitiquete, onde qualquer visitante que vai para ali, encontrará a cultura típica da baía de Pemba, mas no seu todo, em todos os bairros a cultura está patente e o grupo que trouxemos a Maputo é do bairro de Ngonane. É um dos melhores de Pemba, por isso o trouxemos aqui. Mas em cada bairro municipal temos grupos culturais que são o orgulho de Pemba e que precisamos de expô-los para todo Moçambique saber o quê que tem por dentro do seu país”.
O SEGUNDO FESTIVAL DO WIMBE
De 28 de Dezembro a 1 de Janeirto de 2008, vai-se realizar o Segundo Festival do Wimbe. Aí é para ver Cabo Delgado por fora. Todo Cabo Delgado estará ali representado nas suas mais variadas vertentes socioeconómica cultural.
“Estamos a criar um ambiente em que a passagem do ano para 2008, Pemba seja o lugar apropriado aqui ao nível desta zona de África. É o primeiro sítio onde se pode ver primeiro o nascer do sol, então tem mais um motivo porque você sempre quer ser o primeiro a ver o sol do primeiro dia do ano de 2008, então o lugar é Pemba.
Pemba é deveras especial. Tem recebido grandes estrelas dos Estados Unidos da América que vão ali. Aterram no nosso aeroporto, e vão para as ilhas, e eu penso que isso faz com que a cidade de Pemba seja um orgulho para o moçambicano. Pemba é procurado no mundo inteiro. O importante agora é que nós todos divulguemos este ouro para que de facto se torne destino invejável.”.
Maputo, Quarta-Feira, 30 de Maio de 2007:: Notícias - ALEXANDRE CHAÚQUE

Nenhum comentário: