quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Mariza, o Fado, Moçambique, Brasil e Portugal...

Carlos Saura foge das convenções e mistura fado e dança em seu novo filme.
Lisboa (AFP) — O diretor espanhol Carlos Saura foge de todas as convenções em seu último filme, "Fados", ao misturar dança ao fado, música tradicional portuguesa, famosa por sua nostalgia e melancolia e que, em geral, é escutada da forma mais comportada possível.
No filme, o diretor espanhol de 76 anos mostra uma visão muito pessoal do fado.
Segundo ele, a película tenta dar uma imagem diferente ao gênero musical, mostrando sua evolução, de suas discutidas e incertas origens até às mais novas interpretações, mais inovadoras, feitas por uma jovem geração de artistas.
Segundo alguns especialistas, o fado teria nascido no Brasil, onde os ritmos negros dos escravos africanos se misturaram às "modinhas", músicas dos salões nobres portugueses.
O ritmo teria entrado em contato com os portugueses que vieram ao Brasil em 1807, fugindo de Napoleão.
A questão, no entanto, gera polêmica nos meios especializados.
"Muitos fados tem um ritmo e uma cadência que podem ser dançados; dizer que o fado não foi feito para se dançar é uma invenção puramente portuguesa", afirmou Saura para a AFP.
O fado, conta o diretor, está em plena evolução, assimilando conceitos dos ritmos brasileiros, africanos, hip hop e música clássica, além de contar com intérpretes de diferentes nacionalidades, como Caetano Veloso e Chico Buarque, Mariza, de Moçambique, e a mexicana Lila Downs.
Ao optar pelo plural "Fados", Saura quis assinalar a variedade e as novas possibilidades do gênero.
"Colocamos no filme certos elementos que acreditamos terem influenciado o fado, como os ritmos brasileiros e africanos", explica.
"O fado faz parte de minha cultura, como o tango e outros estilos musicais", assinala.
Uma nova geração de fadistas surgiu nos últimos anos, disposta a assumir terreno e deixar sua marca pessoal, com artistas como Camané, Katia Guerreiro, Mafalda Arnauth, Cristina Branco, Pedro Moutinho e Mariza.
Nascida em Moçambique, Mariza, que figura em "Fados", está se tornando na nova diva no gênero, inspirando-se nos países que falam português e agregando instrumentos novos ao ritmo.
"Ela me parecia uma das artistas que poderia romper melhor o círculo do fado", afirma Saura.
"Parecia-me fundamental renovar o fado; existe um fado ortodoxo, clássico, que vai durar para sempre; e existe outro que leva os fadistas a ir mais além; acredito que a mistura é fundamental", analisa o cineasta.
"Fados" é o último filme da trilogia do cineasta espanhol consagrada a musica, depois de "Flamenco", em 1995, e "Tango", em 1998.
In AFP - 09/10/07

Um comentário:

Hugo Jorge disse...

A AIDGLOBAL apresenta o espectáculo de solidariedade O FADO ACONTECE que decorrerá no dia 10 de Novembro, pelas 22h00, no Forum Lisboa. Celeste Rodrigues, Raquel Tavares, Ana Sofia Varela, Sofia Amendoeira, Hélder Moutinho, Ricardo Ribeiro, Artur Batalha, Luís Pinheiro, Luís David. Mais informações em www.aidglobal.org