sexta-feira, 18 de abril de 2008

Órfãos de Pemba protegidos pelo Projeto Tutor.

Porto, 17 Abr (Lusa) - Cerca de 800 crianças órfãs, de Pemba, Moçambique, vão receber alimentos, vestuário e educação, através do apoio financeiro de voluntários do Projecto Tutor à Distância (PTàD), que é apresentado sábado, no Porto.
O Projecto Tutor à Distância, uma das principais iniciativas da Associação de Tutores e Amigos das Crianças Africanas (ATACA), consiste no apadrinhamento de crianças africanas órfãs, abandonadas ou pertencentes a famílias muito carenciadas. A iniciativa pretende mobilizar cidadãos portugueses e estrangeiros para se tornarem "padrinhos" de uma criança - preferencialmente órfã - pelo período mínimo de um ano, comprometendo-se a financiar mensalmente as despesas de sobrevivência.
O PTàD engloba três modalidades: "Tutor Total", cuja contribuição mensal é de 20 euros, que permite responder às despesas de alimentação, vestuário, saúde e educação, "Tutor Educação", de 10 euros mensais para as despesas de educação, e "Tutor Amigo", com contribuição mensal de cinco euros, em que mais de um tutor apoia a mesma criança, de modo a conseguir-se respostas para as diversas despesas. De acordo com a modalidade escolhida, os responsáveis pelo projecto devem indicar, aleatoriamente, uma criança e a sua ficha informativa com todos os dados do registo civil, situação pessoal e familiar e transmitir notícias e informações da criança, a cada trimestre.O sistema de contabilidade utilizado pelo PTàD implica que a cada despesa financeira corresponda um documento que justifique o gasto, sendo, portanto, necessário que a instituição transmita ao PTàD, antes do sucessivo depósito trimestral, um relatório relatando como foi gasto o valor enviado no trimestre precedente. A ATACA foi criada em Agosto de 2006, por cerca de 20 pessoas, a maioria ex-alunos de um colégio privado da cidade do Porto, que iniciaram o PTàD em Maputo e Quelimane, onde já beneficiam cerca de 200 crianças. As actividades da associação iniciaram-se através de protocolos com lares e centros de acolhimento de crianças, onde muitos voluntários já prestavam apoio.Em Quelimane, a associação trabalha com a "Casa Esperança", das irmãs Dominicanas Missionárias do Rosário. A ATACA apresentou a sua candidatura à Organização Não Governamental de Desenvolvimento (ONGD) apenas em 2007 "porque, entre outros formalismos, era necessário ter uma sede e um plano de actividades, o que já conseguimos", disse à Lusa Fernando Durana Pinto, presidente da direcção da associação. A associação manifesta grande necessidade de voluntários com formação específica, como educadores de infância e profissionais da área de gestão e pedagogia para o apoio contínuo das crianças. A apresentação do projecto para a cidade de Pemba vai decorrer na Casa da Cultura de Paranhos, Porto, e inclui uma exposição de fotografia de crianças africanas.
LUSA-Agência de Notícias de Portugal, S.A. 2008-04-17 18:50:01-RTP-Notícias.

Nenhum comentário: