quarta-feira, 13 de agosto de 2008

ECOS DO BRASIL - Político não é confiável, afirmam em pesquisa 82% dos brasileiros.

Onde se fala da imagem negativa que os políticos transmitem ao cidadão brasileiro. E que penso não seja exclusividade brasileira... Acontece em outros quadrantes da lusofonia!
Transcrevo do sempre atualizado site jurídico "Espaço Vital":
.
Pesquisa revela que 82% dos brasileiros não confiam nos políticos.
A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) divulgou ontem uma pesquisa constatando que a população tem uma imagem negativa dos políticos brasileiros. Para 82% dos entrevistados, a maioria dos políticos não cumpre as promessas que faz durante a campanha. Segundo 85% dos ouvidos, de maneira geral, a política é uma atividade na qual "os próprios políticos são os principais beneficiados". Mais da metade dos entrevistados discorda de que as eleições no Brasil são feitas de maneira limpa e sem fraudes e têm resultados confiáveis. Apesar disso, apenas 21% dos entrevistados acreditam que no sistema eleitoral brasileiro os políticos têm como ficar sabendo em qual candidato cada eleitor votou. Durante entrevista coletiva de imprensa realizada em Brasília, para divulgar a pesquisa "Perfil do eleitor brasileiro: voto, eleições e corrupção eleitoral", o presidente da AMB, juiz Mozart Valadares Pires, afirmou que a participação da sociedade é fundamental para que haja mudanças efetivas no País. “Não pode haver mudança sem a participação popular. Se a sociedade não tivesse saído às ruas, não tivesse gritado, não teríamos conseguido avanços sociais significativos, como a Constituição Cidadã”, ressaltou. Uma das ações da campanha Eleições Limpas – Pelo Voto Livre e Consciente – parceria da AMB com o Tribunal Superior Eleitoral –, o levantamento foi encomendado pela AMB ao Instituto Vox Populi e revelou, entre outros pontos, que os cidadãos brasileiros estão mais conscientes de seu papel como eleitores. Segundo a pesquisa, 73% dos entrevistados avaliam como muito importante as propostas de trabalho do candidato, e 37% consideram a indicação de um amigo nada importante. O estudo também mostrou que 51% dos entrevistados exerceriam a sua cidadania por meio do voto, mesmo que este não fosse obrigatório.
O levantamento foi realizado em âmbito nacional, de 27 de junho a 6 de julho de 2008. Foram feitas 1.502 entrevistas, com pessoas de idades superiores a 16 anos e das cinco regiões brasileiras. A margem de erro para o total do estudo é de 2,5%.
Para 76% dos ouvidos, o político é mais importante do que o partido na hora da escolha em quem votar. Os três fatores mais importantes para escolher um candidato, de acordo com os entrevistados, são: propostas de trabalho, benefícios que poderão ser concedidos ao bairro e à comunidade e experiência pessoal do político. Além disso, para 68% dos entrevistados é muito importante ou importante que o político seja simpático.
Uma pequena parcela dos ouvidos (5%) concorda que o eleitor pode receber ajuda em troca do voto. No entanto, 61% dos entrevistados disseram conhecer pessoas que aceitariam votar em um candidato em troca de vantagens pessoais. A pesquisa detalhou algumas expectativas dos entrevistados em relação aos políticos. Para a maioria dos ouvidos (93%), é obrigação dos políticos fiscalizar contas das prefeituras. Grande parte dos entrevistados entende que eles deveriam tentar resolver problemas pessoais de seus eleitores. Para 42% dos entrevistados, por exemplo, é obrigação dos políticos pagar despesas de hospital e de enterro para pessoas necessitadas. Para 40% dos ouvidos, isso "não é obrigação, mas deveria fazer". Apenas 17% consideram que os políticos "não deveriam fazer de jeito nenhum". Na avaliação da maioria dos entrevistados, os políticos deveriam dar proteção para pessoas ameaçadas, ajudar eleitores a conseguir emprego, providenciar dinheiro para pessoas necessitadas e construir escolas e hospitais.
- In "Espaço Vital" com informações da AMB e da Agência Estado, 13/08/08.

Nenhum comentário: