quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Meio Ambiente - Reciclar é preciso - O exemplo brasileiro !







Sabia que a latinha de cerveja, que vc. despreza quando vazia claro, é 100% reciclável?
Pois é, dos materiais comuns utilizados no dia a dia e que descartamos, apenas o alumínio é totalmente reciclável e pode ser aproveitado para se tornar alumínio de novo. No caso do Brasil, que considero modelo a seguir neste campo, a reciclagem do alumínio (e não só) gera empregos e renda para milhares de irmãos brasileiros dedicados diáriamente à recolha das tais latinhas pelas ruas, praias e cidades, atingindo índices superiores a 85% e contribuindo em parcela importante para a economia do País. O que, ao demonstrar cuidado para com o planeta é exemplar principalmente para os jovens dos jovens países de expressão portuguesa como Moçambique e, porque não também para a Pátria Lusa lá pelo "Velho Continente", que ainda tem muito para caminhar e aperfeiçoar nesse campo, ora pois!
A propósito, saliento da mídia impressa brasileira:
.
"""As mudanças climáticas do planeta têm assustado a população mundial. Prova disso é que parte da sociedade já se conscientizou dos problemas presentes no meio ambiente e, como não poderia deixar de ser, as embalagens fazem parte desse cenário. Estudo realizado pelo Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Embalagens (Cetea) revelou o tempo de degradação e o impacto de alguns tipos de embalagem no meio ambiente. Em todos os campos experimentais em que as embalagens foram avaliadas (solo, leito de rio, ambientes industrial e marítimo), a lata de aço foi a embalagem que apresentou maior evolução no processo de degradação. Segundo dados do professor Sabetai Calderoni, da USP, a lata de aço leva em média cinco anos para se degradar totalmente, enquanto o alumínio e o PET, por exemplo, levam mais de 100 anos... ...
... ...A lata de aço é sustentável porque é 100% reciclável e degradável, reutilizável, trabalha constantemente a redução nos níveis de no processo de fabricação e a maximização do índice de reciclagem, limita o uso de combustíveis fósseis e ainda avança tecnologicamente na redução do peso da lata para que se gere menos resíduos pós-consumo. O Brasil tornou-se sinônimo de reciclagem de latas de alumínio para bebidas fortemente influenciado pelas condições econômicas e sociais do país, porém reciclar somente um tipo de material não resolverá os problemas ambientais do planeta. Em 2007, no Brasil, 49% das latas de aço foram recicladas, o que representa mais de 290 mil toneladas de aço pós-consumo retornando ao processo de fabricação do material. Países como a Alemanha, Holanda e Áustria chegam a reciclar quase 80% do total de embalagens de aço pós-consumo. Na Europa, cerca de 2,5 milhões de embalagens de alimentos e bebidas foram reaproveitadas no último ano, o que previne a emissão de 4,7 milhões de toneladas de dióxido de carbono no meio ambiente, equivalente a 2 milhões de carros fora das ruas. Projetos nacionais são criados para que se incrementem esses índices de reciclagem e para que se minimizem efeitos futuros indesejáveis, tais como o aquecimento global. Em 2001, foi criado um projeto de recuperação de embalagens de aço na região Nordeste denominado Reciclaço. A ação tem como objetivo trabalhar na recuperação de latas de aço de duas peças para bebidas pós-consumo. Quando o programa foi criado o índice de reciclagem era de 27%, hoje esse número saltou para 85%, devido ao incentivo financeiro para a coleta do material e a educação ambiental realizada junto às cooperativas e sucateiros.
Em 2007, foi criado pela Abeaço o projeto "Aprendendo com o Lataço", para educação ambiental para crianças em idade de formação, de 6 a 12 anos, o qual já atingiu quase 10 mil alunos com informações sobre consumo consciente. O projeto engloba conceitos desde a concepção da embalagem até o descarte final da mesma, aplicando definições de reciclagem, reutilização e redução, todas elas de forma lúdica. Se todos os responsáveis pela cadeia de embalagens, desde a concepção do design até o descarte final, aliados ao governo iniciassem projetos firmes de reciclagem e de conscientização do consumidor, a maioria da população sentir-se-ia responsável pelo futuro sustentável das próximas gerações. """ """
.
O texto é extenso e poderá ser lido na íntegra aqui - "Gazeta Mercantil"!
E há muito que aproveitar e aprendar sobre como cuidar do nosso maltratado planeta no portal também com origem no Brasil "Planeta Sustentável".

2 comentários:

Ana Martins disse...

Na verdade no que toca a separar embalagens vazias para depois levar aos respectivos ecopontos, os portugueses estão ainda muito deseducados, não sei se por puro comodismo ou total desprezo pelo meio ambiente. Por falta de informação não será concerteza.

É preciso continuar batalhando neste sentido, o meio ambiente agradece e nossos descendentes também.

Grata com sua vsita e tão simpático comentário.

Beijinhos

gotaelbr disse...

...E como estão Ana!
Mas não só em Portugal. Se olharmos para o dito "terceiro mundo" e até para o próprio Brasil, a coisa é assustadora. Tem esgoto que corre a céu aberto entre casas e corpos de animais mortos, juntamente com dejetos e materiais de dificil e longa degradação biando nos rios, aflorando em praias de encanto...
Além dos interesses económicos de grandes potências como China, Rússia e Estados Unidos, entre outras, que, por conveniência não respeitam "tratados" nem "acordos" sobre a preservação e melhoria do meio ambiente. Basta olharmos para o estado de poluição ambiente vergonhoso que envolveu os últimos jogos Olímpicos de Pequim e que a mídia parcial e bem paga tentou esconder ou minimisar, dentro da estratégia de marketing em mostrar uma China em progresso(?) e um povo (in)feliz(?), sob tremenda ditadura, sem direito a "direitos humanos"... Em resumo: UMA VERGONHA e uma demonstração egoísta e descarada da falta de preocupação para com o futuro do planeta demonstrada pelos líderes mundiais destes "novos tempos".

Jaime