sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Diversificando - Vamos comer bacalhau?...

(Clique na imagem para ampliar)
"Os portugueses foram os primeiros a introduzir, na alimentação, este peixe precioso, chamado bacalhau e universalmente conhecido e apreciado", segundo afirmou Auguste Escoffier, chef-de-cuisine francês, em 1903.

E foram os portugueses que descobriram o bacalhau no século XV, na época das grandes navegações e descobrimentos. Precisavam de produtos que não fossem perecíveis e suportassem as longas viagens de travessia pelo Atlântico, que levavam por vezes mais de 3 meses.

Depois de experimentarem vários peixes da costa portuguesa, foram encontrar o peixe ideal próximo do Pólo Norte. Também foram os portugueses os primeiros a ir pescar o bacalhau na Terra Nova (Canadá). Consta em documentos que em 1508 o bacalhau correspondia a 10% do pescado comercializado em Portugal e em 1596, no reinado de D. Manuel, cobrava-se o dízimo da pescaria da Terra Nova nos portos de Entre Douro e Minho. Também pescavam o bacalhau na costa da África.

Incorporado aos hábitos alimentares lusos é, até nossos dias, uma das tradições alimentares basilares da cultura gastronómica portuguesa, chegando a considerar-se Portugal o principal consumidor mundial de bacalhau, apelidado carinhosamente pelos portugueses de "fiel amigo", o que revela a importância e o papel que este peixe tem na alimentação do povo português.

Sua pesca ao longo dos tempos, sempre foi difícil e árdua nas águas geladas e perigosas da Terra Nova até meio do século XX. No século XIX, as embarcações portuguesas destinadas à pesca do bacalhau eram de madeira e à vela, sendo usada a pesca à linha. Este tipo de pesca praticava-se a partir dos dóri "(pequenas embarcações de fundo chato e tabuado rincado)" que eram lançados ao mar com um só pescador, ficando este, isolado do navio-base, cumprindo sua meta de pesca. Muitos se perdiam a meio da bruma e jamais eram encontrados.
Segundo o site "Bacalhau, a história de um alimento milenar", um artigo de Teresa Reis sobre a Pesca do Bacalhau, retrata um pouco desta aventura:

"Na pesca do bacalhau, tudo era duplamente complicado. Maus tratos, má comida, má dormida... Trabalhavam vinte horas, com quatro horas de descanso e isto, durante seis meses. A fragilidade das embarcações ameaçava a vida dos tripulantes" dizia Mário Neto, um pescador que viveu estes episódios e pode falar deles com conhecimento de causa. Quando chegava à Terra Nova ou Groenlândia, o navio ancorava e largava os botes. Os pescadores saíam do navio às quatro da manhã e só regressavam à mesma hora do dia seguinte, com ou sem peixe e uma mínima refeição: chá num termo, pão e peixe frito. No navio, o bacalhau era preparado até às duas ou três da manhã. Às cinco ou seis horas retomava-se a mesma faina. Isto, dias e dias a fio, rodeados apenas de mar e céu. ... Vidas duras...!"
Atualmente Portugal importa praticamente todo o bacalhau salgado e seco que consome. Também importa muito bacalhau "verde", que é salgado e curado nas próprias indústrias portuguesas.

O começo do bacalhau no Brasil, segundo o site "Bacalhau, a história de um alimento milenar":
""O hábito de comer bacalhau veio para o Brasil com os portugueses, já na época do descobrimento. Mas foi com a vinda da corte portuguesa, no início do século XIX, que este hábito alimentar começou a se difundir. Data dessa época a primeira exportação oficial de bacalhau da Noruega para o Brasil, que aconteceu em 1843.
Na edição do Jornal do Brasil de 1891 está registrado que os intelectuais da época, liderados por Machado de Assis, reuniam-se todos os domingos em restaurantes do centro do Rio de Janeiro para comer um autêntico "Bacalhau do Porto" e discutir os problemas brasileiros. Mais de um século depois, ainda são muito comuns nos restaurantes especializados estes "almoços executivos", onde a conversa sobre negócios é feita saboreando um bom bacalhau.

Durante muitos anos o bacalhau foi um alimento barato, sempre presente nas mesas das camadas populares. Era comum nas casas brasileiras o bacalhau servido às sextas-feiras, dias santos e festas familiares.
Após a 2ª Guerra Mundial, com a escassez de alimentos em toda a Europa, o preço do bacalhau aumentou, restringindo o consumo popular. Ao longo dos anos foi mudando o perfil do consumidor do bacalhau, e o consumo popular do peixe se concentrou, principalmente, nas principais festas cristãs: a Páscoa e o Natal.
Atualmente, o bacalhau está totalmente incorporado à cultura culinária brasileira. Todos os bons restaurantes oferecem em sua carta o nobre pescado, e o bolinho de bacalhau é preferência nacional nos bares e botequins. Como em Portugal, também desperta paixões e inspira famosos escritores."" (Fonte - Bacalhau, a história de um alimento milenar).

... e cantores que, com humor, apesar da "alta do dólar" dos últimos tempos em território brasileiro, o que deixará o preço do dito peixe "bem salgado", nos convidam a comer um "bom bacalhau", como podem constatar no video clip do YouTube:

Bom apetite, ora pois !

2 comentários:

Odele Souza disse...

O bacalhau é mesmo um prato delicioso. Mas em alguns lugares os preços são quase proibitivos. Em São Paulo, o preco é "bem salgado" e para alguns, entre os quais me incluo, só mesmo a vontade sendo muito forte os faz comprar ou pedir bacalhau em um restaurante.

Bom fim de semana.

gotaelbr disse...

Para si também um bom fim de semana, se possível, Odele.
E, da forma que a situação está evoluindo (na área financeira global, em pânico generalizado que não se sabe quando terminará), o leque dos "impedidos" de degustar o bom e tradicional ampliar-se-á muito em breve e não só no Brasil. Infelizmente!
Em enorme abraço e que o dilema júridico que envolve a pequena Flávia seja logo decidido, como é obrigação da Justiça que a deveria proteger minimizando os efeitos perniciosos dessa tremenda e injustificada pendência.