domingo, 15 de março de 2009

Retornados de África - A mancha que não se apaga... 2

(Clique na imagem para ampliar)

Na sua edição de 30º. aniversário em suplemento deste domingo, o "Correio da Manhã" lisboeta, entre o que foi notícia de destaque ao longo dos últimos trinta anos, coloca em relevo o trabalho do 'macua' Fernando Inácio Gil e sua entrega desde 1975 à causa dos apelidados "retornados" que, até hoje, aguardam o pagamento por parte do governo português da indemnização dos bens que tiveram de abandonar em África.

Transcrevo: ""1979 - Meio milhão de portugueses tinha regressado das ex-colónias ultramarinas.

Não foi fácil encontrar trabalho e condições de vida digna.

Natural de Moçambique e a prestar serviço no Instituto de Apoio ao Retorno de Nacionais, Fernando Inácio Gil – que, em 1975, coordenara a ponte aérea entre Lisboa e Luanda – sustentava, em 1979, ser 'falsa a afirmação de integração total'.

Trinta anos depois, 'o que mais dói' a Fernando Gil, septuagenário, é 'o não pagamento da indemnização dos bens'. Não é sequer uma dor pessoal pois, sendo militar e requisitado para o serviço público, entretanto reformado, a vida não lhe correu mal. 'É pelos outros, os que em África construíram uma casa e a arrendaram para garantirem a reforma numa altura em que não havia Segurança Social.'...""

  • O texto integral em formato "pdf" - Aqui!
  • Retornados de África: A mancha que não se apaga... - Aqui!
  • Retornados: Drama ou epopéia inacabada? - Aqui!
  • Espoliados & Retornados - Aqui!

2 comentários:

Carlos Bento disse...

Parabéns Fernando Gil,pela tua persistente luta e teimosia, sem as quais há muito que o poder político teria esquecido a existência de Portugueses que regressaram das ex-colónias, com problemas pendentes por resolver. Continua a tua luta pois "água mole em pedra dura, tanta bate que fura"
Almada

gotaelbr disse...

Prezado Dr. Carlos L. Bento,

Encaminhei seu comentário ao Fernando Gil,na eventualidade de o mesmo não o ter lido e assim poder retribuir como manda o "manual".
Um grande abraço e obrigado pela visita,

Jaime