sexta-feira, 24 de abril de 2009

Buscando no tempo, lá pelo Douro: Os bombeiros no Cais Fluvial da Régua.

(Clique na imagem para ampliar)

Em atenção aos "vareiros" que nos lêm e visitam por esse mundo virtual afora, alguns post's irei trazendo de um outro blogue ("Escritos do Douro") onde se fala do Douro em Portugal, da cidade de Peso da Régua, de sua história e cultura, de personagens que marcam e dão exemplo e de outras coisas mais que não só da "vinha e do vinho do Porto", de Pemba e Moçambique...

Nesta excelente imagem, de meados de 1980, vê-se uma instrução de alguns elementos do Corpo de bombeiros do Peso da Régua, junto à margem do rio Douro, no cais fluvial (sem a actual recuperação feita pelo ainda Instituto de Navegabilidade do Douro, presidido pelo saudoso Eng. Mário Ferreira) em exercícios de manobras, com as bombas e as mangueiras, ligadas a dois veículos de combate aos fogos urbanos.

“Voluntários por opção, mas profissionais na acção” é o que se pede a todos os bombeiros. Entre os bombeiros, é comum dizer-se que só “salva quem sabe”.

Em sociedades, cada vez com maiores riscos e perigos, os bombeiros precisam de ter melhores conhecimentos técnicos, mais formação, cursos de matérias específicas, completados com frequentes exercícios de instrução.

Os bombeiros voluntários estão actualmente sujeitos à avaliação do desempenho das actividades que prestam nesta área da protecção civil e do socorro, com as estruturas operacionais cada vez mais qualificadas, competentes e responsáveis, orientadas por objectivos de qualidade.

Destaca-se nesta foto, o emblemático Chevrolet, modelo Viking 60, com um motor de 4637 cm³, de 8 cilindros, baptizado na Associação com o nome de S. Faustino, sendo mais conhecido por o “Nevoeiro” (assim designado pela razão de a bomba ao lançar a água fazer uma espécie de nuvem).Este veículo de origem americana transporta no seu interior dez bombeiros e está equipado com depósito de água de 1.800 litro, material de incêndios e uma potente bomba Darley. Adquirido à General Motors de Portugal, Lda., em Novembro de 1960, pela avultada quantia de 397 contos, com comparticipação do Estado, era considerado, como então se dizia, “um carro que não encontra hoje similar no país.”

Ainda hoje, se a completar os seus 50 anos de actividade nos bombeiros, esse pronto-socorro tem todas as condições para prestar qualquer serviço de combate ao fogos urbanos, (precisamos da ajuda de um benemérito para a sua reparação de chapa e nova pintura, será que alguém nos pode ajudar?) como nos seus velhos tempos, o das memórias da nossa infância, quando o contemplávamos ao vê-lo passar em alta velocidade, com a sirene a tocar e luzes a assinalar sua urgência.

Para se valorizar a importância da formação dos bombeiros reproduzimos um artigo (ligeiramente adaptado) da autoria do nosso amigo Eng. Álvaro Ribeiro, Comandante dos Bombeiros Voluntários da Cruz Branca, de Vila Real, onde aponta estas ideias:

“Ao longo dos tempos os Corpos de Bombeiros procuram dar respostas às necessidades das populações. Primeiro, com exclusiva participação no combate aos incêndios urbanos e industriais, socorros a náufragos, depois na área da saúde na vertente de transporte de doentes e na emergência pré-hospitalar e, no inicio da década de 80, como responsáveis directos pelo combates aos fogos florestais.
A mobilização dos efectivos operacionais era feitas pelas badaladas dos sinos das igrejas, posteriormente passou-se aos silvos das sirenes e hoje já se utiliza os meios de SMS e outros.
A velha figura do quarteleiro deu lugar a operadores de central de comunicações e aos motoristas que garantem o serviço de saúde e/ou incêndios.
A tecnologia entra facilmente na área da protecção e socorro. São por isso necessários conhecimentos profundos e treinos para manusear equipamentos, alguns com elevada sofisticação.
A sociedade exige um serviço profissional, independentemente de quem o faz, se é sapador ou voluntário. Para dar resposta a uma sociedade que vive com a informação a todos os instantes, é preciso dispôs de tempo para a formação, treino regular e participar nas actividades operacionais e de representação.”
- Peso da Régua, Abril de 2009, José Alfredo Almeida.

- Outros textos publicados neste blogue sobre os Bombeiros Voluntários de Peso da Régua e sua História:
  • O Padre Manuel Lacerda, capelão do Bombeiros do Peso da Régua - Aqui!
  • A Ordem Militar de Cristo - Uma grande condecoração para os Bombeiros de Peso da Régua - Aqui!
  • OsBombeiros no Largo da Estação - Aqui!
  • A Tragédia de Riobom - Aqui!
  • Manuel Maria de Magalhães: O Primeiro Comandante... - Aqui!
  • A Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua - Aqui!
  • A cheia do rio Douro de 1962 - Aqui!
  • O Baptismo do Marçal - Aqui!
  • Um discurso do Dr. Camilo de Araújo Correia - Aqui!
  • Um momento alto da vida do comandante Carlos dos Santos (1959-1990) - Aqui!
  • Os Bombeiros do Peso da Régua e... o seu menino - Aqui!
  • Os Bombeiros da Régua em Coimbra, 1940-50 - Aqui!
  • Os Bombeiros da Velha Guarda do Peso da Régua - Aqui!

- Link's:

  • Portal dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua (no Sapo) - Aqui!
  • Novo portal dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua - Aqui!
  • Exposição Virtual dos Bombeiros Voluntários de Peso da Régua - Aqui!
  • A Peso da Régua de nossas raízes - Aqui!

Nenhum comentário: