sábado, 14 de novembro de 2009

A bandeira Lusitana



O sol caia lentamente no poente colorindo o ambiente de tom alaranjado, quando inesperadamente um emissário branco e um homem makonde desembocaram na povoação de Mbavala portando uma mensagem do major Neutel de Abreu, acampado à escassos metros da entrada do planalto makonde com um efectivo militar de mais de duas centenas de homens brancos. Os dois estranhos atravessaram a aldeia em diagonal em direcção ao terreiro onde ficava a casa do nkulungwa Mbavala e outros parentes seus com laços consanguíneo. Enquanto caminhavam entre as casas da povoação o homem branco ia virando atracção, sendo, de quando em vez, apreciado com excessiva curiosidade como se estivesse em exposição. Quando chegaram a casa do Mbavala foram recebidos pelos súbditos do ancião sem emoção, pois meses anteriores haviam corrido em todo planalto notícias de aproximação de um contigente militar de homens brancos armados até aos dentes e que haviam subjugado os makondes da zona leste dos contrafortes do planalto. Segundo as mesmas notícias, grupos de infantaria e artilharia haviam respondido barbaramente alguns ataques perpetrado por nativos inconformados com a presença dos brancos que até já impunham novos valores que contrariavam, de certa medida, as expectativas dos diversos chefes das linhagens que tinham em seu poder o controlo das rotas do comércio clandestino praticado por swahilis, árabes do Zanzibar, povos do Madagáscar e alguns nativos.

Entretanto, os visitantes foram servidos uma cama de lutandove para se acomodarem e um jovem de estatura baixa, postura forte, dentes afiados e rosto tatuado afastou-se dali e entrou numa das casas que se encontrava no enorme quintal do nkulungwa Mbavala. Pouco tempo depois, o jovem voltou a juntar-se a outros três súbditos que encontravam-se sentados no beiral de uma das casas que aparentava ser a principal. Volvido algum momento, o nkulungwa atravessou a porta e marchou lentamente ao encontro dos visitantes.

- karibo, karibo. - Sejam bem-vindos. – Disse Mbavala acomodando-se numa das camas postas ali para si. De de seguida, quis saber. – O que vos traz nestas bandas?

- O major Neutel de Abreu manda informar que dentro de dias chegará um contingente militar que virá instaurar uma nova vida no planalto e pede a lealdade de todos chefes, em especial do senhor. – Disse o emissário de viva voz e acrescentou. – Qualquer tentativa de sublevação será esmagada impiedosamente pelas nossas forças e os chefes de tais sublevação serão presos e deportados para longe dos seus súbditos.

Mbavala manteve-se calado durante todo tempo em que o homem branco esteve a discursar e depois manteve-se atento ao interprete que era o homem negro que vinha na companhia do emissário. Entretanto, após a interpretação do discurso que foi feita de forma quase incoerente pelo homem makonde, que a avaliar o seu conhecimento rudimentar da lingua portuguesa não havia dúvidas que o sujeito aprendera a lingua do Camões com os padres católicos em Porto Amélia, terra até então desconhecida pela maioria dos makondes, nkulungwa Mbavala ergueu-se apoiando-se com uma bengala de pau-preto esculpido com esmero. Cruzou um braço nas costas e passeou lentamente pelo quintal enquanto o branco e o interprete permaneciam sentados aguardando o seu pronunciamento. O Mbavala estava perturbado, mas fez um esforço para não demonstrar aos visitantes. No entanto, enquanto passeava pelo quintal com a mente a fervilhar de tanto procurar um coerente pronunciamento face à afronta do major Neutel de Abreu, baixou os olhos e volvido algum momento, dirigiu-se ao emissário erguendo os ombros orgulhosamente e levantando o queixo com altivez e ar de desafio.

- Diga ao seu chefe que recebi a mensagem. – Olhou muito atentamente nos olhos do branco e prosseguiu. – Amanhã farei deligências para informar aos outros vakulungwa e dentro de sete dias receberá a nossa resposta.

- De que forma o major terá a tal resposta? – Quis saber o emissário com uma ponta de incredulidade.

Mbavala sentou-se entregando a bengala um dos súbditos. Humedeceu os lábios com a lingua e pensativamente, respondeu:

- Será muito simples. O nosso silêncio no sétimo dia significará o nosso consentimento à nova autoridade e a nossa presença no vosso acampamento será o sinónimo de recusa à tal dita autoridade branca.

- Muito bem. – Disse o branco torcendo o nariz. – As tuas palavras serão transmitidas ao major.

Mbavala não pronunciou uma palavra se quer e nisto, o emissário e seu acompanhante despediram-se do velho e sairam da aldeia admirando a grandeza e beleza da povoação e o prestígio que gozava o nkulungwa que há pouco tempo haviam tido a oportunidade de o conhecerem. Ao atravessarem o cerco da aldeia feita de troncos enormes de árvores seculares para impedir a entrada de animais ferozes e gente intrusa, os dois homens embrenharam-se pela floresta adentro deixando-se de avistar-se, devido as trevas que já começavam a cobrir o ambiente.

Já na povoação, Mbavala reuniu imediatamente os anciãos que compunham o conselho da aldeia, deu a conhecer a mensagem do major Neutel e rapidamente foram tomadas as posições cuja a realização dependia muito do pronunciamento dos demais vakulungwa das povoações de todo planalto makonde, incluindo os chefes do longinquo kundonde. Assim, uma vez que o nkulungwa Mbavala gozava de uma boa reputação entre os makondes do planalto e era o mais velho de todos vakulungwa e sua povoação era a mais expressiva do ponto de vista de grandeza e do número de aldeões, três dias depois houve na sua aldeia o grande encontro dos régulos makondes. Estavam no encontro os régulos Mbavala e seu súbdito Chilavi, Mbomela, Mbalale, Likama, Negomano, Machangano, Lidimo, Chipungo, Neengo, Nkapoca, Ntchingama, Kavanga, Nkwemba e Nachomwe.

O encontro começou, no terreiro da aldeia, no meio da manhã de um dia calmo e de céu coberto de nuvens brancas e cinzentas. Após um longo discurso do Mbavala explicando a razões que haviam norteado a convocação daquela historica reunião, os convidados foram chamados a tomar da palavra. Nisto, o nkulungwa Mbomela ergueu-se e com a voz fremente de emoção, disse:

- Caros irmãos! Nos tempos passados os nossos ancestrais resistiram a qualquer tipo de subjugação de outros povos. Hoje somos afrontados nas bárbas das nossas terras e da nossa gente por um povo branco e desconhecido. Face a esta infame provocação proponho ao povo makonde à resistência às intenções destes forasteiros que pretendem tomar de nós, de forma astuta, as nossas terras, o nosso povo obediente e respeitoso, o nosso prestígio secular, as nossas relações comerciais estabelecidas há séculos com povos de terras distantes e tudo o que é nosso e belo.

Mbomela sentou-se. O ancião havia se emocionado demasiadamente e a pressão arterial subira vertiginosamente. No entanto, Mbalale levantou-se e dirigiu-se aos presente de forma vigorosa:

- Estas terras e esta gente que nelas vive é nossa por herança. – Fez uma pausa para ordenar o seu raciocínio e logo voltou ao ponto onde havia interrompido. – Os nossos ancestrais deram-nos de presente pelo amor que tinham por nós, pela confiança e certeza de que eramos capazes de conduzir os destinos da nossa gente num clima de paz e harmonia social. Por todas estas e outras razões eu, Mbalale, nkulungwa de kunambalale, discordo categoricamente qualquer presença nas nossas terras de qualquer povo com intenções de subjugar-nos.

Nkapoca ergueu-se assim que Mbalale acomodou-se tremendo de extrema velhice. Muito calmamente o ancião disse:

- Estou sem palavras! As palavras que havia reservado foram-me tiradas pelos ilustres que por aqui falaram de forma sábia. Assim, sem mais demora digo: como os brancos querem guerra, então guerra deverão ter. Eu estou disposto a sacrificar gente da minha povoação em número que se julgar conveniente... Esta terra é nossa e não concordo que sejamos arrancados sem mais e nem menos!

No entanto, muitos vakulungwa discursaram naquela manhã histórica e todos eram favoráveis à afronta ao inimigo. Nisto, Mbavala pediu a palavra e ergueu-se vagarosamente. De seguida, olhou aos seus compatriotas e de forma calma confessou:

- Estou extremamente admirado pela bravura de todos vós. – Baixou os olhos, levou uma mãos nas costas e continuou erguendo os olhos. – Contudo, confesso-vos que estou com medo. Esses homens brancos fizeram chacina na zona leste do nosso planalto tudo porque, os nossos irmãos se rebelaram. Se tais irmãos tivessem ponderado a sua capacidade, de ponto de vista de meios de combate, se calhar teriam agido de maneira diferente ao invés de se entregarem ao fogo como se tratasse de carne de canhão.

Houve um murmúrio ensurdecedor, mas logo o velho Mbavala soube refrea-lo usando a sua carismática diplomacia.

- Esses homens brancos trazem armas enormes que cospem fogo mortífero e uma infinidade de armas ligeiras extremamente potentes mais que as nossas de fabrico caseiro ou adquiridas junto dos comerciantes estrangeiros. Por isso, eu não gostaria de ver os nossos jovens a morrer por uma guerra possível de evitar.

Houve um grande protesto contra o discurso do ancião, chegando alguns a chama-lo abertamente de cobarde. Contudo, Mbavala, continuou:

- Pelo que ouvi do emissário, os brancos pretendem trazer outro dinamismo na nossa sociedade preservando as estruturas tradicionais, promovendo o convívio pluri-étnico, respeitando a natureza da nossa organização social e os diferentes valores humanos da nossa sociedade. O que não acho ser má ideia!

Mbavala calou-se. O gesto foi imitado pelos demais participantes do encontro. Depois, o velho prosseguiu o discurso procurando mostrar aos demais vakulungwa a sua visão pacifista.

- Por todas estas razões, eu Mbavala, sou de opinião que não afrontemos o inimigo através de uma guerra, mas sim deixemos que venha conviver connosco através de um processo contínuo de aprendizagem mútua e assim evitaremos o derramamento de sangue.

O velho sentou-se e o terreiro foi invadido por uma onda pacífica de protestos. Entretanto, Ntchingama pediu aos demais para que se mantessem calado e depois, em voz baixa e tom solene, como de costume, disse:

- O nosso irmão Mbavala pede-nos que aceitemos os brancos que veem, tudo para que a nossa zona mantenha a paz e harmonia social que sempre se caracterizou. Cá por mim, concordo plenamente com a visão e expectativa do nosso irmão. Pode ser que a maioria de nós esteja errado da forma como encaramos esta situação e também é normal que os nossos espiritos exaltem-se demasiadamente. Contudo, devemos reconhecer que o inimigo tem um poder bélico e militar mais do que nós. Assim sendo e, na minha opinião, qualquer tentativa de resposta por meio de guerra o nosso povo sairá em desvantagem, pois trata-se de uma situação que nenhum de nós preveu. – Fez uma pausa para ordenar o seu raciocínio e continuou. – Se formos a ver a nossa capacidade de resposta veremos que é extremamente insuficiente porque as nossas previsões não iam mais do que uma possível guerra com uma tribo distante e gente com recursos similares aos nossos. Analisando desta forma a situação, sou obrigado pela circunstância a concordar com o ponto de vista do nosso irmão Mbavala. Não à guerra! Vamos evitar o derramamento de sangue no seio do nosso povo. Vamos aceitar conviver com o estranho e no fim de tudo, independentemente das suas atitudes futuras, verão que sairemos a ganhar e as gerações futuras saberão compreender a nossa posição e valorizarão o nosso sacrifício.

Dito isto sentou-se. O terreiro ficou silencioso durante alguns segundos e as intervenções que seguiram subscreveram taxativamente à intervenção do Ntchingama. Assim, passado algum momento, a reunião chegou ao fim e os régulos voltaram às suas povoações.

Ao entardecer aquele dia, o céu ficou sinistro e rugiu, vezes sem conta, como se lá lançassem dezenas de tambores vazios. Trovoadas ensurdecedoras e relâmpagos aparentemente mortíferos coriscaram os céus emitindo faíscas assustadoras que formando alternadamente ângulos salientes e reentrantes acabavam se lançando rapidamente no coração da floresta. Este espectáculo natural cheio de luz e cores durou muito tempo até que ao principiar a noite uma chuva assustadora despenhou do céu ruidoso e luminoso. Choveu torrencialmente toda noite criando cursos de água que ameaçavam derrubar palhotas erguidas nos caminhos da água e as que tinham capim de cobertura reduzido. Ao alvorecer, a chuva parou e um belo dia nasceu com o céu azul e claro.

Uma semana depois, demanhã, o contingente militar português entrou no planalto makonde sem resistência e sob o olhar indiferente do Mbavala e apreciação curiosa dos aldeões. Naquela manhã calma e clara, o contingente militar marchou orgulhoso no meio da povoação exibindo, sobretudo, a sua superioridade militar e bélica e no coração da actual vila de Mueda, próximo da fonte Mweda, acampou içando de seguida a bandeira lusitana, numa acção clara de demonstração da mudança do curso da história do povo nativo.
- Allman Ndyoko, Moçambique, 04/03/2008

GLOSSÁRIO:
Lutandove – cama composta de base de estacas e atravessada com cordas tecidas com palha;
Karibo – Bem-vindo; Servido;
Kunambalale – Povoação de Mbalale;
Vakulungwa – O plural de nkulungwa.


Nenhum comentário: