domingo, 9 de maio de 2010

Retalhos: De Porto Amélia a Pemba - Estrada do Tempo... e as Vacas do Macedo

Pequeno "retalho" que o companheiro dos bancos escolares, António Coelho (Tó ou Namarrocolo), retirou do arquivo de sua privilegiada memória:
O Cais de Porto Amélia foi inaugurado, se não me falha a memória de uma placa comemorativa que lá havia, a 7 de Outubro de 1956, pelo presidente Craveiro Lopes, que viajou a bordo do navio Angola ou Pátria. Mas creio que foi no primeiro. Eu era para ter ido nessa viagem. Mas houve mudanças de reservas e fui no Moçambique. Cheguei à Ilha em 3/10/56, dia do aniversário do meu pai. Nessa época desembarcávamos na ilha e íamos de lancha ou de rebocador até ao Lumbo. Das lanchas até à praia éramos transportados às costas de carregadores. Em Porto Amélia também era assim antes da ponte existir, segundo me contaram. Desembarcava-se na praia da Sagal. Contaram-me também que alguns "malandrecos" davam dinheiro aos carregadores para ("sem querer") darem banho a alguns "eleitos"... Outros davam-se ao trabalho de previamente espalharem picos no local de desembarque para fazer cair o pessoal e poderem assim gozar o prato...
Enfim, recordações que o tempo ainda não apagou... Teremos mais se, como dizes, a preguiça deixar passar à escrita.
Um abraço,
- António Coelho (Luxemburgo), 16/10/2001.
APONTAMENTO - DIA DA CIDADE DE PEMBA - Esclarecendo o porquê de 18 de Outubro ser o dia oficial de Pemba:

"...Antigamente a comemoração era a 8 de Dezembro, hoje em dia é a 18 de Outubro, e tem um certo sentido como poderão verificar em seguida. Vou-vos transcrever 2 parágrafos de uma publicação intitulada "PEMBA, SUA GENTE, MITOS E A HISTÓRIA -1850 a 1960", feita pelo Luís Alvarinho, que também se baseou em documentação e dados do Arquivo Histórico de Moçambique, Boletim Oficial e Boletim da Companhia do Niassa, entre outros. "O embrião que veio dar origem à actual cidade de Pemba, data de 1857, como parcela da `Colónia 8 de Dezembro´, fundada por Jerónimo Romero e dissolvida 5 anos depois por diversos problemas de organização e adaptação dos colonos". "Porto Amélia ascende a vila por portaria de 19 de Dezembro de 1934 e é elevada à categoria de cidade em 1958 pelo decreto-lei de 18 de Outubro do Governo-Geral da Província"...
- Informação postada em 10.12.2001, no Bar da Tininha por Jorge Marabuto Bronze

Naquele tempo 1 - Notícia extraída da Página de Cabo Delgado do antigo Jornal Diário de Lourenço Marques, lá pelos idos de 1960:

Nos dias 21 e 22 do corrente, tiveram lugar nesta cidade as provas orais dos exames para admissão ao Liceu, tendo sido aprovados os alunos Adriano Manuel Vidal Lima Caseiro, Arsénio António Macedo, Aristides José da Conceição Dias, Armando Augusto Cepeda, Carlos Augusto Silva e Castro Fagulha, Eugénia Lúcia Vieira da Silva, Fernando Manuel Borges, Francisco Hipólito Rodrigues Baptista Carrilho, Jaime Luis Vieira Ferraz Gabão, Joaquim Manuel Rodrigues Luis, Maria Judith da Conceição Dias, Momade Anif Abdullatif, Momade Sidique Jussab, José Rodrigo Zamith Franco Carrilho e Judite Macoô. Ficaram reprovados 10 alunos na prova oral e da escrita haviam já sido excluidos dois. O júri destes exames era constituído pelos professores de Liceu Drs. José Júlio Ferreira Faustino, Maria Alice Casanova Duarte e Maria Amélia Sousa Neves.

Naquele Tempo 2 - Notícia extraída da Página de Cabo Delgado do antigo Jornal Diário de Lourenço Marques e publicada em 24 de Dezembro de 1971:

NOVAS INSTALAÇÕES DA GAZ-CIDLA - No passado dia 18, pelas 18,30 horas, a firma local Electro-Pamélia, Lda., inaugurou uma secção destinada, exclusivamente aos produtos da Gaz-Cidla. Ao mesmo tempo, aquela firma, iluminou grande parte da Rua Jerónimo Romero, bem como acendeu, pela primeira vez, um reclame luminoso no bar "Pólo-Sul", que dá um efeito surpreendente, dada a localização daquele bar (cimo da rampa). Aproveitando a circunstância, o sócio-gerente da Electro-Pamélia, Sr. Gaspar Pires, ofereceu aos convidados, entre os quais se contava o Presidente da Câmara Municipal, em exercício, Sr. António Baptista Carrilho e Esposa, Vogal, Sr. João Francisco. Araújo e esposa e outras entidades, um beberete que serviu de pretexto para enaltecer o interesse daquela firma na sua acção dentro do ramo a que se dedica. Assim, graças à Electro-Pamélia, a capital de Cabo Delgado também não deixou de ter, nesta quadra do Natal, parte de uma sua rua iluminada. Pena é que outros estabelecimentos não sigam o seu exemplo.

E UMA HISTÓRIA DE PORTO AMÉLIA - AS VACAS DO MACEDO - Em tempos idos, a mosca tsé-tsé, vulgo mosca-do-sono, não permitia em Cabo Delgado a vida de certos animais e complicava bastante a dos humanos. Em 1956, ano da minha chegada àquelas paragens, funcionavam ainda em certas localidades (recordo Balama e Ancuabe) os serviços da MCT ( Missão de Combate às Tripanossomíases), dirigidos pelo conhecido Dr. Carmo.
Humoristicamente, o significado de MCT era: “Moscas Continuai Tranquilas”. Contudo, foram serviços eficazes, vindo mais tarde a ser extintos por ter sido considerada erradicada essa tão perigosa doença. Consta-me que regressou em força, mas desconheço se assim é.

Quando em 1958 a família se radicou na então Porto Amélia, o único talho existente, propriedade do sr. Manuel Macedo, era abastecido a partir de Nampula, donde, uma vez por outra, eram trazidas umas quantas reses. Entre a chegada e o abate sobreviviam pastando ora junto à captação de água perto do aeroporto ora junto à marginal, no palmar da D. Inácia, no local onde, em 63/64, foram construídas as instalações da INOS, mais tarde utilizadas pela Manutenção Militar.

Situados no tempo e no espaço, permitam que recorde uma hilariante peripécia ocorrida nesses longínquos tempos e locais.
Por toda a África sopravam já os ventos da mudança e com eles chegavam os primeiros contingentes militares, totalmente constituídos por elementos nados e criados na então metrópole.

Pese embora a designação de "Caçadores Especiais", a preparação militar seria pouca e os conhecimentos de África nulos ou perto disso.

Passe o exagero, alguns estariam mesmo convictos que, naquelas paragens, abrir uma torneira equivalia a ficar com um jacaré nos braços. Mas adiante...

Após um mês de viagem, mal punham pé em terra era a procura de tudo o que durante esse tempo fora uma miragem. Deixo aos eventuais leitores a liberdade da imaginação...

Depois de muita deambulação encontraram-se uns quantos, já pela noitinha, “cara-a-cara” com as citadas vacas. Fazendo uso dos “profundos conhecimentos de África”, logo concluíram tratar-se de búfalos e nisso viram uma primeira oportunidade de dar largas aos dotes de “caçadores confirmados”, adquiridos à custa dos coelhos e perdizes da Pátria distante.

Da descoberta, à acção foi um ápice. Correm ao quartel, pegam em armas e aí vai disto que amanhã pode ser tarde...

A surpresa e a decepção tiveram-na pela manhã, quando confrontados com o gozo dos mais antigos e a obrigação de reparar os danos causados ao amigo Macedo.
Os infringidos aos pobres animais, esses já não tinham remédio...
- A. Coelho, Luxemburgo 6/12/2001.

Um jogo sobre Porto Amélia-Pemba:
->Teste seus conhecimentos sobre Pemba.

(Transferência de arquivos do sitio "Pemba" que será desativado em breve)

Nenhum comentário: