quinta-feira, 14 de outubro de 2010

EMBOSCADA

(Clique na imagem para ampliar - Imagem composta de itens recolhidos na net)

Chove cacimbo
Na terra do fim do mundo,
Uma lua sorrindo
Na floresta sem fundo.

O dia há-de nascer do seu útero fecundo
Envolto numa humidade de vapor,
Num grito de dor,
Carne inocente a arder.

Ninguém pode dormir para esquecer,
Só há tempo para morrer
Ou viver.

Os soldados,
Enlameados,
Como vermes enrolados
Numa espera fatal,
Só pedem um sinal,
Um barulho de metal,
Para libertarem o medo,
Estoirarem o sossego.

No ventre da selva há gritos
E tiros,
Correrias e rebentar de granadas,
Dois corpos de pernas decepadas.

Uma estrela apareceu,
Mas breve desapareceu.
Foi a vida que nasceu
E logo morreu.

Lá longe, na beira rio das arcadas,
Na Praça das Medalhas,
Dos Dez de Junho Imperiais,
Ditadores imortais
Não querem saber
Que a geração sacrificada
Esteja a morrer
Para nada.

- Poema de M. Nogueira Borges* extraído o livro "Lagar da Memória".

  • Também pode ler M. Nogueira Borges no blogue "Escritos do Douro". *Manuel Coutinho Nogueira Borges é escritor nascido no Douro - Peso da Régua.

Nenhum comentário: