sexta-feira, 2 de novembro de 2007

PEMBA - O Farol da Maringanha, a lenda e o progresso.

Remexendo os arquivos que o tempo vai acumulando no computador, parei para reler aqui-ForEver PEMBA/30Out2005 sobre o solitário e imponente "farol da Maringanha" onde, em minha infância/adolescência, ficava encantado contemplando o imenso mar azul no horizonte sem fim e o esqueleto meio submerso de um navio naufragado em ocasião remota... E penso ser interessante buscar para a atualidade, desde 27-Set-2002, um artigo de Pedro Nacuo escrito para o Notícias-Maputo:
.
EXTRAS - O FAROL DA MARINGANHA
Pudesse eu ligar para (289)824983 ou ir pessoalmente localizar a Rua Actor Nascimento Fernandes, lá para as bandas de Faro, Algarve, na terra de Camões, encontrar Maria dos Anjos Martins e conversarmos hoje sobre o Farol da Maringanha.
Não é por nada.
É que no livro que me ofereceu, com o nome Pemba, de contos lusófonos, em retribuição ao meu “Caso de Montepuez”, ela me pôe muito pensativo quando na página 81 fala do faroleiro que sempre guarnecia aquele farol em tempos de sua juventude.
Apresentando-se com o pseudônimo, Angie Paraízo, a nossa escritora, que é natural de Cabo Delgado, apresenta um faroleiro que ficava horas a fio, sentado nos primeiros degraus do farol esperando ver os tentáculos do polvo gigante que emergia silencioso e rápido do fundo das águas do mar.
Passava as tardes à espera do seu único amigo, a sua única visita, apesar de saber que ele só vinha ao pôr-do-sol.
O velho faroleiro gretado pelo vento e pelo sol, cofió na cabeça de cabelos brancos, pés descalços, olhar perscrutando o mar até ao limite do horizonte.
Ás vezes, conforme Angie Paraízo, o polvo surpreendia o coitado do velho faroleiro, elevando os grandes tentáculos acima do nível do mar, deixando-os deslizar pelas paredes escuras do farol para em seguida rodopiar em espiral provocando agitação nas águas.
O velho sorria e agradecia.
Estamos perante um maringanha morto e monótono.
O que gostaria então de dizer a minha amiga luso-moçambicana, é que no mesmo sítio, estou a dizer, no farol da Maringanha, já não há nada que justifique a solidão de que sofreu o faroleiro.
O bairro da Maringanha não tem hipótese de ficar isolado, não há lugar para ser apenas o polvo a brincadeira do faroleiro e não só.
Maringanha fica hoje alguns quilómetros mais perto da cidade de Pemba, porque a engenhosidade de mentes particularmente empresariais permitiu que o farol seja não só aquele dispositivo sinaleiro, mas também o nome de um complexo turístico-cultural, enfim, lugar para todo o tipo de lazer, que Pemba há muito precisava.
Aliás, não há mato a partir da praia do Wimbe, a pouco e pouco foram aparecendo lugares de restauro e brincadeiras adultas, sendo que a seguir vem a “Aquilla Romana”, depois temos a sempre trabalhadora Célia, o campismo, etç., etç., salta-se um pouco para permitir que um pequeno bosque ainda continue a viver por razões humanas. É que lá está o cemitério dos hindus, é lá onde se queimam, depois do que estamos no complexo “O Farol”.
É Albertino Cuomo, o cabo-verdiano que agora (há duas semanas) fez o destino obrigatório dos que sabem descansar, claro, com certas posses.
Houve tempos em que aos fins-de-semana tínhamos pessoas a irem a Nampula para se deleitarem com os ambientes quentes do “Xitende” ou “Monteiro Splays” ou ainda nas Quintas Nasa, do Galo e muito recentemente no complexo “O Bambo”.
Noutros tempos a gente dirigia-se a Montepuez para usufruir do que “Zavala” proporcionava, hoje não.
Pudesse eu convidar a minha amiga Angie Paraízo para, com ela, com a sua idade, ficar pelo menos trinta minutos no “Farol”, depois iríamos pela costa até noutro complexo pertencente a Chabane Combo, só para ver que o espaço está sendo ocupado, por isso a solidão do faroleiro não mais voltará, pelo menos em Maringanha.
PS-Em tempo: Estiveram cá os “Massucos” do Niassa, para confirmarem que são na verdade os mais-mais da atualidade.
Há muito que Pemba precisava de espetáculos de luxo, fora da cassete que se traz e se imita burlando deste modo o público que muito respeito merece.
Ficou de parabéns Narciso Gabriel e o seu restaurante Wimbe que trouxeram os “Massucos”, agora traga-nos os “Eyuphuros” e verá.
.
Nota: Como se passaram cinco anos após este "Extras" de Pedro Nacuo, confiamos que, consequência dos atrativos naturais-geográficos incomuns e belos, prosseguirá hoje o desenvolvimento urbano da Maringanha, no mesmo ritmo, seguindo a modernização arquitetônica de toda a area litoral de Pemba, convencido que prevalece além do interesse financeiro o cuidado com o meio-ambiente. Dizem-nos até que está para breve a inauguração de um novo estádio de futebol lá para os lados do aeroporto se não erra a fonte... Será ?

3 comentários:

Lúrio disse...

Caro 'amigo' Jaime, o que se fala do desaparecer do encanto do Farol da Maringanha, é fruto do progresso a que assistimos diáriamente na terra que escolhi para viver. Se conseguirmos alhearmos ao 'fazer tudo de qq maneira para ter o sentimento de posse' de alguns ditos empresários locais, estamos à mingua de grupos Hoteleiros e de empresários à séria para investir em Pemba, talvez quando aparecerem, já não haja encanto algum nesta linda terra. O que se precisa é de pessoas que ponham de lado a parte saudosista das coisas, e queira intervir para um desenvolvimento saudável e sustentado dos recursos que a natureza oferece aqui na Provincia de Cabo Delgado.
Quanto ao novo estádio, para já parece uma realidade irreversível, pois já está numa fase de terraplanamento e vedação do recinto do futuro estádio - melhor dizendo, de um complexo desportivo completo ao nivel de um dos melhores de Àfrica Austral. Este complexo, está a ser construído na chamada zona de expansão que fica do lado sul para quem desce do Aeroporto até à Praia do Wimby pela nova estrada alcatroada e inaugurada aquando da abertura do Pemba Beach Hotel em 2002. Esta zona, já começa a ficar com cores diferentes das que tinha a alguns anos, existem novas construções com uma arquitectura ainda um pouco 'duvidosa' de alguns 'chefes' da urbe. Contudo, é de louvar esta iniciativa do Municipio em alargar a zona Urbana para os Bairros periféricos, assim quiçá se protege um pouco o ambiente saudável que em tempos se vivia na chamada zona Bairro Cimento que engloba as construções da Urbe do tempo colonial, protegendo assim a história e a Baixa da cidade...

zuzusupeta disse...

Sou um Pembense a estudar actualmente em Maputo. Fico feliz ao ver que existe gente atenta ao que se diz e se escreve. O Nacuo tem dado a sua singela contribuicao. Dito isto, acho que algo nao vai bem com a costa desde o Wimbe ate a Coba passando pela Maringanha. As construcoes ao longo da costa sao um autentico atentado ao meio ambiente. Espero que um dia o Eng. Napica (o Julinho do meu tempo de escola) ponha cobro a tamanha insensatez e mau gosto.
Aquele abraco e Sr Jaime continue a divulgar o Pemba de ontem e de hoje...

gotaelbr disse...

Agrada ver caro "Zuzusupeta" que existem "pembenses" atentos a esse desenvolvimento desordenado e subjugado a interesses económicos que desprezam, ignoram o meio ambiente.
O Amigo Lúrio também "falou" a respeito, o que mereceu destaque para o tema em post de 10 de Dezembro passado, tendo como titulo "PEMBA-O farol da Maringanha, a lenda e o progresso 2".
Longe, só nos resta tentar colaborar para uma Pemba melhor, divulgando e denunciando erros e acertos que chegam até nós, por vezes com enorme dificuldade.
Mas o Amigo e outros que estão próximos poderão fazer muito por Pemba nesse campo...Além de "chamar-à-ordem" lideres locais como o Julio Napica e demais entidades. Antes que seja tarde!
Um enorme abraço.