quarta-feira, 2 de abril de 2014

Histórias sem tempo...


Posted by Hello...Ou Histórias de África !
Por Maria de Lourdes Sant’Anna
A.A. Nº 278/36
Uma vez que vou contar algumas das histórias que vivi nos anos 57/58 em Cabo Delgado, parece-me que devo começar por caracterizar a região em causa.

A província de Cabo Delgado situa-se no extremo nordeste da República de Moçambique, com uma densidade populacional de vários milhares de habitantes cujas etnias representativas são as macondes, macuas e mwani.

Com uma superfície de 82.625 km², que inclui 4.758 km² de águas interiores, é limitada a norte pelo rio Rovuma, a sul pelo rio Lúrio e a oeste pelo rio Lugenda. O Oceano Índico banha o litoral leste, uma extensão de aprox. 425 km.

A vegetação característica é de florestas de mangais, junto dos rios e do mar, de planícies e savanas com árvores de pequeno e médio porte mas com predominância de embondeiros, além das matas e das florestas.

Existe ainda a norte do Cabo Delgado um arquipélago de 31 ilhas e ilhéus, o arquipélago das Quirimbas, que inclui, entre outras, a ilha do Ibo. (Por curiosidade direi que as mulheres do Ibo são conhecidas pelas sua beleza, com um tom de pele castanho dourado e grandes e alongados olhos verdes).

Aos que entram por mar em Porto Amélia, depara-se um espectáculo inesquecível: a baía de Pemba.

Considerada como a terceira do mundo em grandeza, com cerca de 15 quilómetros de amplitude, dizia-se que “podia dar abrigo a uma esquadra naval inteira”. E que, sendo também uma das mais profundas, num dos seus recessos, o “poço”, viviam tubarões de mais de 6 metros, jamantos com uma envergadura de cerca de 4 metros e garoupas de centenas de quilos.

Foi em 1897 que a companhia colonial determinou ao Capitão José Augusto Soares da Costa Coleral que procedesse à implantação de um povoada na baía de Pemba, que era assim que as povoações nomeavam a região.

O comércio que se fazia nas margens da baía desenvolveu-se imenso, tanto com as populações locais como com as caravanas que vinham do interior. E os pedidos de arrendamento e de aforamento de talhões começaram logo a seguir ao traçado da região, enquanto que a região de “Pampira”, junto do posto militar construído em 1897, passou a denominar-se Porto Amélia, em homenagem à última rainha de Portugal.

Com a nossa chegada em janeiro de 57, os habitantes não crioulos, africanos ou mestiços atingiram o número de 502. E foi nessa região que vivemos cerca de dois anos.

Além do lado fortemente positivo em relação a paisagens deslumbrantes, ao grande relacionamento humano, devo dizer também que havias aspectos fortemente negativos. Infelizmente o polo negativo levou-nos a deixar Porto Amélia e a ir para o Dondo (Beira).

Como já disse a baía de Pemba surpreendia pela sua enorme beleza. Em linhas gerais, na margem esquerda erguia-se a cidade baixa, com a ponte-cais, a capitania do Porto, o posto meteorológico, o comércio, as empresas, o consulado (alemão), o único banco e também a única pensão, além de três creches e de um cinema.

Na parte alta da cidade, erguia-se o bairro residencial, o hospital, a igreja paroquial e mais adiante o quartel e depois dele o campo de aviação.

Havia apenas uma única estrada alcatroada, a ligar a baixa com a alta, e cá em cima as ruas eram todas de terra batida, dum vermelho que o vento levantava e manchava tudo de um pó grosseiro.

Mas a par da terra, vermelha que o vento levantava, havia o outro vermelho/róseo, que surgia por vezes quando o sol ia a caminho do poente, tingindo a atmosfera de tons rosados a envolver suavemente árvores, a nós próprios, numa imagem de irrealidade, como se de um sortilégio se tratasse.

Disseram-se ser um fenómeno pouco frequente mas normal em paisagens equatoriais.

E era um livro surpreendente, aquele cujas páginas eu ía lendo num dia a dia cheio de expectativas.

Também a ponte-cais era local de reunião, não só para os pescadores à linha, mas também para nós, os outros que ali apareciam não só para confraternizar mas também para apreciar a beleza das trovoadas que, do outro lado da baía iam riscando os céus com as faíscas que aos zigue-zages, entrecruzando-se, se lançavam vertiginosamente no mar entre os tons exaltados de todas as cores do arco-iris, numa beleza sem limites.

O fundo do grande círculo da baía de Pemba descia da escarpa alta, que a dominava, até ao mar, numa cerrada floresta de verdes. E no dizer dos nativos que não se aventuravam lá, aquela era a região das jibóias e dos leões.

Pois havia uma história que se prendia com aquela teimosa região. Uma criança de três anos, residente numa machamba, situada na “zona possível” antes da floresta das jibóias e dos leões, iludindo o “pequenito” cuja missão era brincar com ele, desapareceu uma tarde.

Da cidade vieram todos os transportes disponíveis e, ao entardecer, as lanternas foram-se acendendo à medida que todos se internavam mais na floresta. E foi já tarde de noite que se encontrou a criança, a uns três quilómetros dentro da floresta, a dormir serenamente encostada a uma árvore.

Quase impossível de acreditar, mas assim aconteceu.

A primeira vez que por convite dum residente entrámos numa “zona de caça grossa”, num minúsculo Volkswagen que era o carro utilitário usado, tivemos a sorte de encontrar um majestoso leão.

O nosso carro havia parado, pois o dono, que era caçador experimentado, pelo abanar do capim alto percebeu que seria um dos tais animais que ele gostaria que nós, recém-chegados, apreciássemos em pleno mato, além das dezenas de macacos que, pendurados nas árvores, nos espreitavam guinchando.

O desejo do nosso amável anfitrião cumpriu-se, pois, pouco depois, a monstruosa cabeça dum leão surgiu ali, a cerca de dois metros de nós. É de facto uma sensação de tanto medo, que não se pode descrever, apenas sentir.

O animal olhou para um lado e para o outro (onde nós estávamos, eu completamente muda e paralisada) e internou-se de novo no capim alto para surgir mais adiante, atravessar a estrada num passo lento, embrenhando-se de novo no capim.

À medida que prosseguíamos, começaram a aparecer africanos que caminhavam sempre no meio da estrada. Todos eles levavam levantado, ao ombro, um alto e grosso pau em cuja ponta balançava um pequeno saco branco, enquanto que, com a outra mão, seguravam na cabeça uma lanterna de querosene, acesa, que, na tarde que caía, espalhava uma luz leitosa.

(Foi-nos dito que, em regra, o leão só ataca quando tem fome e as suas zonas de caça não são nas proximidades das estradas. No entanto, o leão, já velho, pode esperar as mulheres que vão buscar água, longe da aldeia, ou viajantes que, por necessidade, se afoitem noite dentro longe das suas cubatas).

Pois a lanterna que aqueles que íamos encontrando levavam à cabeça seria então para afugentar as hienas que, traiçoeiras, não atacam as pessoas de frente e que, seguindo-as, não se atrevem a investir contra aqueles que lhes parecem mais altos. Portanto, a lanterna, além da luz que projectava, era também uma defesa contra esses animais.

Lembro-me que, quando fomos visitar as quedas de água do rio Lúrio, descemos por uma vereda até lá abaixo, onde o rio era mais estreito e havia uma pequena língua de areia. Sentados num dos rochedos existentes já no rio, reparámos num africano que o atravessava a nado, levando numa da mãos erguida acima da cabeça um tronco a arder.

Quando chegou perto de nós, perguntámos-lhe se ali havia crocodilos. Que sim, que de manhã tinham visto um muito grande a apanhar sol. Já na areia, a nossa pergunta se não tinha tido medo quando atravessara o rio, a resposta simples surpreendeu-nos a todos: “Patrão, quando Deus quer...”

Numa das caçadas onde participei fomos até uma lângoa (área pantanosa, com bancos de nevoeiro) de cerca de 40 quilómetros de diâmetro. Levávamos dois pisteiros africanos, bem conhecedores da zona, que, porém, daquela vez se perderam devido ao denso nevoeiro que nos envolvia. Andámos por ali às voltas mais de duas horas e caça, nem uma peça se via. No entanto, pelos excrementos que, por vezes, o nevoeiro deixava ver, compreendi que, pelo menos, búfalos e outros animais de grande porte poderiam ser encontrados.

Dentre as várias caçadas em que participámos apenas como “mais dois”, uma ficou na minha lembrança.

Saíramos da cidade já de noite a caminho duma pequena lagoa onde, de madrugada, os animais iam beber. E durante a viagem, os caçadores lá atrás “repartiam” entre si a caça que poderiam adivinhar por entre a vegetação: olhos verdes pertenceriam a gazelas, a antílopes, a palaves, a leopardos, etc. Mas olhos vermelhos, esses seriam sempre de leão.

Quando surgiu um par de olhos fosforescentes, bem vermelhos, desceu da carrinha o caçador ao qual cabia aquela peça. O silêncio era impressionante, mesmo aterrador. Guiado apenas pelo próprio foco preso à cabeça, o caçador breve se afastou para reaparecer pouco tempo depois em corrida desordenada, gritando “talaco”, “talaco” (nome dado pelos nativos às formigas carnívoras que se deslocam em grossas e espessas colunas de milhões destes insectos e que destrói tudo por onde passa). Mas embora tenha dito que havia pisado a coluna, não se lhe encontrou uma única formiga. Ainda hoje mantenho as minhas dúvidas sobre a realidade deste encontro...

Mais para a madrugada surgiu então o local procurado. E não tenho adjectivos suficientemente convincentes que possam demonstrar o que vi.

Os animais erguiam-se numa frente única, num magnífico conjunto a sobressair do branco leitoso que o sol ia tingindo de tons rosados. Eram cerca de 14 palaves, que bebiam tranquilamente, enquanto o mais alto e mais forte que atento vigiava em breve deu pela nossa presença. E logo aquele nobre animal levou a manada em carreiras desordenadas e voltou atrás para enfrentar os caçadores de armas apontadas.

E fecho mais uma série de “Histórias de África” com a partida de que, para não fugir à regra, fomos alvos pouco depois de chegarmos.

Em terras pequenas, alguns caçadores gostavam de pregar partidas aos crédulos recém-chegados. E foi assim que, durante várias horas, entre cafés e whiskies pudemos ouvir histórias de caçadas cada vez mais empolgantes, cada vez a deixar-nos – porque não dizer? – mais encantados.

Claro, o herói era sempre um, ele , o nosso contador. Mas como se tratava dum caçador profissional bem conhecido pela sua grande coragem e valentia, depressa se esqueciam as partidas que adorava pregar aos novatos que chegavam de longe, prontos a acreditar em tudo sobre a vida do mato, que aliás ouviam com agrado.

Voltarei a contar mais “Histórias de África”. Em 13 anos de vivências por terras africanas, muitas foram as histórias acontecidas e que ficaram registadas no grande livro das nossas memórias, umas boas, outras más...
In: http://www.aaaio.pt/public/ioand096.htm

sábado, 15 de março de 2014

TALACO – A FORMIGA CARNÍVORA

Lá pelos idos de 1960/61, morávamos na Fazenda Sômboa (onde o meu pai era o gerente), próxima da Missão Têngua (padres franciscanos capuchinhos da Terceira Ordem Franciscana Secular) a 15 quilômetros de Milange sentido Quelimane, Zambézia, Moçambique.

Tínhamos no quintal de casa, uma pequena criação de coelhos, e os mesmos estavam instalados em cinco ou seis pequenas repartições com três ou quatro coelhos em cada uma.

Esse criadouro fora construído em estilo “palafita” a mais ou menos um metro e vinte de altura.

Certa manhã acordamos e nos deparamos com um espetáculo dantesco. Uma parte da “palafita” havia sido atacada em algum momento da noite ou madrugada, e o ataque ainda estava em pleno processo.

Pudemos constatar a fantástica voracidade dessas pequenas formigas de cor preta.

As mesmas subiram por uma das colunas de canto da “palafita”, e logo se instalaram na primeira repartição, depois passaram à segunda e por fim à terceira. As demais repartições não foram tomadas, pois as formigas foram surpreendidas pela presença humana logo de manhã bem cedo.

Na primeira repartição, dos três coelhos que lá havia víamos três montes de milhares de formigas...ao serem afastadas com paus, pudemos ver esqueletos de coelhos com praticamente 90% de seus corpos desprovidos de carne.

No segundo compartimento um dos coelhos estava só ossos, e os demais ainda com boa parte de seus corpos sendo consumidos.

No terceiro e último compartimento atingido por elas, um ou dois coelhos vivos e apavorados e um outro morto, mas ainda com uma menor incidência de formigas.

O ninho delas foi descoberto a uns 30 metros de distancia e uma vez aberto, tornou-se uma pequena cratera de pouco mais de um metro e meio de profundidade por um diâmetro de aproximadamente três a quatro metros. O chão estava literalmente preto de formigas, e lembro-me do meu pai despejar uma lata de gasolina e atear fogo terminado assim com aquele formigueiro.

Lembro-me também, mais ou menos por volta dessa data, um dos funcionários da fazenda, chamou o meu pai de madrugada, informando que o touro reprodutor da fazenda que dormia em um galpão coberto e fechado, construído especialmente para ele, estava muito nervoso e ameaçava arrebentar a porta.

Quando o meu pai lá chegou, verificou que o chão estava cheio de talaco, e as tais formigas não davam descanso ao touro... as mesmas o picavam todo, principalmente entrando nas narinas e orelhas, deixando-o extremamente irritado. Como era de madrugada, a solução foi remover o touro do local, levando-o para um curral aberto, e pela manhã o ninho das formigas foi localizado por funcionários nativos e destruído.

A última lembrança minha do Talaco, foi lá pelo meio do ano de 1965, eu na altura com nove ou dez anos. Morávamos em Milange, poucas semanas antes de retornarmos a Portugal.

Os meus pais acordaram comigo gemendo e lembro-me que entre o limiar do sono e do acordado, sentia-me picado aqui e ali. Eu ainda na cama, os meus pais constataram que estava sendo atacado pelo Talaco e rapidamente me tiraram dali e me despiram, sacudindo as formigas que começaram a tomar conta do meu corpo. Naquela noite, ninguém mais dormiu. Todos os móveis foram tirados do quarto, e o chão lavado com querosene, o melhor produto que se tinha no momento para afastar essas formiguinhas impertinentes. Depois arrumar todo o quarto e descobrir logo ao amanhecer o foco das formigas para exterminá-las.

Pude com estas três experiências constatar a voracidade deste tipo de formiga. Pequeninas mas que fazem um estrago!!!!
Carlos Santos (02 de maio de 2005) - Do Bar da Tininha - Yahoo!

terça-feira, 4 de março de 2014

TEMAS DO CARNAVAL DA VIDA ! Ingratidão... Falsidade... Hipocrisia

Não gosto de ingratidão, não gosto de falsidade ou hipocrisia . 
Não gosto de gente orgulhosa demais... não gosto muito menos de gente burra. 
Não gosto de gente que se cala, de pessoas que têm medo de viver, nem daqueles que não prestam atenção nos outros, ou que se acham o centro do mundo.

Nem das que se acham vitimas de tudo e de todos ou expoentes de vaidade.
Gosto de gente que sente, e sente verdadeiro. Gosto de gente que sabe aproveitar a vida, e sabe ser atenciosa. 
Gosto de quem tem o coração maior que a cabeça, mas sabe pensar e sabe construir sem pisar no infortúnio alheio. 

Gosto quando sussurram no ouvido, gosto quando surge aquele olhar, gosto quando beijam, quando abraçam, admiro o sentimento de reciprocidade. 
Gosto de pessoas autênticas, pessoas batalhadoras... sem medos.
Gosto até das pessoas que magoam, mas que magoam por serem sinceras, verdadeiras.

Não gosto de pessoas sem frontalidade, que criticam covardemente pelas costas e se passam por tuas amigas.
Gosto que briguem comigo quando faço besteira... gosto mais ainda daqueles que amam, amam no sentido de amor, não dos que ficam em duvida sobre o que sentem. 
Porque quem ama não tem duvida... vive o amor autêntico. 
E não aparece com falsos sorrisos nem falsas desculpas para não contrariar os que teme ou a sociedade hipócrita em que vive e à qual se vende!
- (Compilação e adaptação do que vamos absorvendo da net livre. E do que vamos sentindo...)

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

PEMBA - O DESAFIO: Projecto Escadarias 2014

VERDADE OU FICÇÃO?
PEMBA rumo a um futuro sustentável e de preservação histórica quanto a sua arquitectura e monumentos ?

26 DE AGOSTO DE 2011 - Às Escadarias de Pemba

esse passo lento com que sobes as escadas 
em cada passo 
no que de curto o olhar é pensamento 
distante e raro mas de beleza constante 
em que a particularidade do sonho 
é desembainhado 
quando o moscardo passa

no calor da subida em que cada degrau é um fardo 
em cada passo uma memória 
e a mulher na descida faz chegar ao rosto suado 
vento breve mas certeiro

de que pedras raras são 
esses degraus largos e compridos 
de que pedras raras são

olha para trás 
vê a buganvília 
ainda te recebe na descida

- Inez Andrade Paes
PEMBA - RECORTES 
PEMBA A CAMINHO DA REALIDADE PROMISSORA ?
Clique nas imagens para ampliar:
Pemba - Entrega do Projecto Escadarias em 29JAN2014 
Engº. Alvarinho, Presidente Tagir e Vereador Naba. Courtesy: John Supeta — com Municipio Pemba-Facebook e Manuel Alvarinho. (Municipio de Pemba no FaceBOOK)