terça-feira, 29 de agosto de 2006

Em Pemba: Tonelada e meia de marfim desaparece na Agricultura.


Uma tonelada e meia de pontas de marfim desapareceu num contentor dentro do parque de viaturas da Direcção Provincial da Agricultura de Cabo Delgado, na cidade de Pemba, entre finais de Julho e princípios do corrente mês de Agosto.
O chefe dos Serviços Provinciais de Florestas e Fuana Bravia, Darlindo Pechisso, confirmou ontem o facto, adiantando tratar-se do produto resultante do abate de elefantes no período que vai desde 1990 a esta parte, no âmbito das acções de controlo do conflito Homem/animal. Entretanto, Darlindo Pechisso não confirma a quantidade do marfim desaparecido, nomeadamente o número fornecido pela fiscalização florestal e de fauna, mas diz tratar-se de quantidades consideráveis.
"Pode não ser exactamente uma tonelada e meia, mas que as quantidades são consideráveis, isso são", disse Pechisso.
O caso está nas mãos da Polícia de Investigação Criminal, mas as nossas fontes duvidam de que se alcance algum resultado positivo, pois consideram que o plano foi muito bem urdido e por gente experiente na matéria.
Na verdade, o marfim encontrava-se acondicionado num contentor fechado sob responsabilidade de um engenheiro da Direcção Provincial da Agricultura e mais três colegas. Alguns fiscais das Florestas e Fauna Bravia vêem nisso a consumação de um plano que vinha sendo desenhado há bastante tempo e que culminou com a transferência dos mais experientes para os postos administrativos, uma medida que acabou sendo contestada na altura da sua aplicação.
"Primeiro tiraram os fiscais mais sérios para os postos administrativos, onde nem sequer há trabalho, casos de Quionga, Negomano, Papai, e aqui atrás ficaram a executar os seus planos contra os interesses do Estado", desabafaram.
Confrontado com este posicionamento, o chefe dos Serviços Provinciais das Florestas e Fauna Bravia disse que a transferência daqueles veio responder a uma nova estratégia desenhada pela sua direcção, que aponta para a necessidade de os técnicos e fiscais estarem mais ligados ao terreno.
"Decidimos pôr os nossos fiscais e técnicos lá onde na verdade são necessários. Neste momento posso afirmar que temos no terreno 17 técnicos colocados nos postos administrativos. Por isso, sinceramente, uma coisa não tem que ser associada à outra".
Este escândalo vem associar-se ao desaparecimento, em 29 de Julho passado, de três pontas de marfim da coutada de caça da "Negomano Safaris", no aeroporto de Pemba, quando se preparava para a sua exportação.
As três pontas, pesando ao todo 250 quilos, desapareceram sem deixar rasto, com a Polícia a confirmar os factos, assegurando, entretanto, que as investigações, tanto daquele como deste caso, estão a decorrer, visando a descoberta dos autores do crime.

Maputo, Terça-Feira, 29 de Agosto de 2006:: Notícias

Nenhum comentário: