quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

Moçambique - A morte das florestas IV



MOZAMBIQUE: Chainsaws cut down more than just trees.
30 Jan 2007 19:37:09 GMT
Source: IRIN

JOHANNESBURG, 30 January
Worldwide demand for hardwood is stripping Mozambique's forests, cutting down livelihoods and any hope of developing a sustainable timber industry.
"If they carry on at the rate they are going it will be probably three to five years and there won't be any hardwood resources sufficient to sustain continued production," Simon Norfolk, Director of Terra Firma, a forest governance group in Mozambique, told IRIN.
Mozambique has 19 million hectares of productive woodland, including very high-value species, such as Panga Panga (Millettia stuhlmannii) and Chanfuta (Afzelia quanzensis); tropical hardwoods used for flooring, general construction and specialty items, like sporting goods and furniture. Timber is a resource Mozambique can't afford to squander, but increasing demand means its prized wood species are being sold off at wholesale prices.
"They [loggers] don't care about the forests. Timber is giving a good price and all you need is a couple of litres of petrol and a chainsaw and you can have a big tree," said Pedro Mangue, director of the Law Enforcement Department at the National Directorate of Land and Forests (DNTF). Prices fluctuate but for some species one cubic meter can fetch up to US$500 - a fortune in a country where almost 40 percent of the population lives on less than a dollar a day.

ENFORCING THE LAW
Mozambican law prohibits the export of 'primary logs' [unprocessed timber] of a number of valuable species, with the underlying idea of forcing foreign buyers to invest locally and help develop an industry to create jobs and generate income.
Mangue said the operators generally ignored these regulations and exported as much wood as they could, as quickly as they could. "There is a lot of timber that is disappearing without any legal documents from the harbours," he said.
According to DNTF figures, applications for logging licenses rose from 462 in 2005 to nearly 800 in 2006.
A DNTF official in Beira, Mozambique's second city, explained that a license by no means guaranteed responsible exploitation, and enforcing the regulations was extremely problematic. "[Loggers] are not following the management plans they present. They are just cutting - they are eager and the price is very good, the [buyers] are there, so you just cut and you sell."
The situation is the same in most of the port towns that dot Mozambique's 2,500 km coastline. From Pemba in the northern province of Cabo Delgado to Beira in the central province of Sofala, Asian buyers have flocked to buy truckloads of logs. Mangue said the government did not have the resources to enforce legislation in a country as big as Mozambique, let alone the capacity to adequately patrol harbours and national waters.
At one checkpoint in Cabo Delgado a long queue of trucks, all hauling timber, forms throughout the day. When the DNTF official closes for the day at around five in the afternoon, the trucks drive through, heading for the nearest port after avoiding inspection. "Law enforcement in Cabo Delgado is very weak - they transport timber during the night," Mangue said.
A DNTF official who preferred to remain anonymous pointed out that "The licensed volumes do not correspond to the volumes exported. Our figures and those collected at the port [authorities] are different every time. There is a lot of illegal export. Small ships, often fishing boats, are taking logs to large Chinese vessels waiting in international waters or to places like the Comoros, where they are reloaded onto big ships destined for China - this is almost impossible to control."
According to Mangue, "They [Chinese] just came here and said they are looking for timber. They brought a market and a good price. Mozambicans didn't have transport, so the Chinese brought lorries [trucks] and chainsaws to the forests and told people to cut trees because they have licences and the Chinese don't. It is not only the Chinese. The Mozambicans are doing the cutting and extraction. The Chinese usually remain in the harbours or the cities - they are just buying and they bring the dollars."
The Rural Association of Mutual Support (ORAM), a national NGO that provides assistance to communities in the countryside, estimates that over 70 percent of timber imported into China is re-exported, mainly to the United States and Western Europe.
FAILING POLICY
Mozambique has two types of logging licences: a concession, which a large piece of land that can be exploited according to a sustainability assessment and management plan; and a simple licence (SL), which is awarded only to Mozambican nationals and is limited to 500cu.m of wood annually.
"The simple licences are very problematic, because even though they are supposed to be awarded for a particular geographical area, which is also supposed to have a simplified management plan, there is no control. It becomes a blanket licences to cut however and wherever you want," Norfolk said.
SLs were originally designed as a stepping-stone to concessions, allowing the operator to build up the necessary capital and resources to operate a much larger concession. But a lack of incentive has deterred local operators from seeking concessions, preferring instead the freedom, limited red tape and lack of control associated with a SL.
As one local SL operator explained: "As a concession holder you become a 'legal entity', which means you are just a target for the labour department, finance department, and every other department is after you. If you are a SL holder you have only one chainsaw, one truck, you move into an area and work it and you're gone. It's much easier to fly under the legal radar - inspections are rare and bribes are common."
Mozambique is losing potential tax revenue to illegal exports and the benefits are accruing to only a few people: operators selling off timber without regard for national laws or natural heritage, and those in a position to facilitate licences and permissions, while the potential of building a vibrant, job-creating industry is dwindling.
THE FUTURE LOOKS FORLORN
In a scramble to cut down the best trees before the competition gets them, timber operators pick out only the most marketable species with no regard for sustainability, leaving behind denuded woodland that will not attract possible concession holders.
"The areas are left commercially unviable to convert into concessions, making the forests valueless, commercially. In a country like Mozambique the protection of the forest is going to be based on commercial value," explained Graham White, a concession holder and furniture maker near Beira.
Timber operators create rough roads or tracks to reach previously inaccessible forest, in the process opening land denuded of trees to charcoal producers and local 'slash and burn' farmers, who clear plots for crop cultivation and abandon them when their fertility declines after a few planting seasons. Both are placing immense pressure on Mozambican forests.
"Slash and burn agriculture and charcoal burning will follow, and there will be no value placed on the resource - and that is where a dangerous precedent is being set," White added.
LOCAL COMUNITIES LOSE OUT
Just outside Beira harbour, where prime logs behind a barbed wire fence wait to go into containers destined for Chinese and ultimately European and US markets, Fernado Ferro offloads some branches he collected in the surrounding marshes with his worn-out boat. "We have so much wood here but we don't have the tools to cut down and use the big trees. I only see the trucks drive by to the harbour with the logs - we have no wood to build our homes or even to make coffins," he said. Ferro's complaint is common in most communities in the area.
"The issue is that we have a lot of resources but they are not changing the status of people. There are no jobs that are created, no improvement to the quality of life for local people, just degrading forests. The forests are changing and this will have a lot of implications for their livelihoods in the near future. The pressure is huge," Mangue said.
Twenty percent of licensing fees are supposed to be reinvested in communities affected by logging, but by most accounts, this is not happening.
Mozambique, desperately poor, heavily donor dependant and still recovering from a 16-year civil war that ended in 1992, is hoping to rely on the well-managed exploitation of its resources for the betterment of its people. "Our government says that they want to fight absolute poverty - that is the main slogan of the government," Ferro said. "And then you have these guys doing logging but not giving communities any chances."
tdm/he
IRIN news

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

Moçambique - Os donos !


A talhe de foice

Por Machado da Graça

Estive recentemente num encontro em que estiveram presentes pessoas vindas de diversos distritos das províncias de Nampula, Cabo Delgado e Niassa.
No meio de histórias estranhas que foram contadas, impressionou-me uma: Falava de um distrito em que um dos responsaveis, cada vez que dirigia uma reunião, começava por "lembrar" aos participantes que tudo no país pertencia à Frelimo: As estradas eram da Frelimo, as escolas eram da Frelimo, os hospitais eram da Frelimo e por aí adiante.
Fiquei, como é bom de ver, bastante chocado com esse tipo de afirmações feitas por um responsável a nível distrital.
Afirmações que, sendo logo à partida falsas, têm o claro objectivo já traçado por um falecido e pouco estimado dirigente nazi que afirmava que uma mentira repetida mil vezes torna-se uma verdade.
Principalmente se ninguém aparecer a desmentir o que foi dito.
E, portanto, aqui estou a desmentir esse dirigente para que se não diga que quem cala consente.
Pois a verdade é que nada daquelas coisas pertence à Frelimo.
Estradas, escolas, hospitais, pontes, etc, pertencem ao povo moçambicano.
A todo o povo moçambicano.
Aos que votam no PDD como aos que votam no PIMO.
Aos que votam no Monamo como aos que votam na Renamo.
Aos que votam na Fumo como aos que votam na Frelimo.
Todas essas coisas foram feitas usando os impostos pagos por todos os cidadãos.
Dinheiro que se misturou todo nos cofres do Estado, de forma que não se fica a saber que parte dele foi gasto numa obra ou na outra.
Mesmo que a Frelimo, num gesto nobre, pegasse no seu dinheiro, construisse uma ponte e entregasse essa ponte a uma determinada aldeia, essa ponte não era uma ponte da Frelimo.
Era uma ponte da aldeia.
A Frelimo é o partido que está hoje no poder, mas não é o dono do país.
Este país só tem um dono: o Povo Moçambicano.
Os cerca de 18 milhões de cidadãos moçambicanos são os únicos donos do país.
E se esse Povo Moçambicano até agora votou na Frelimo para dirigir o país, isso não quer dizer que, no futuro, não venha a votar num outro partido qualquer.
Podem-me dizer que isto é apenas conversa de um dirigente distrital e que não tem consequências nenhumas na vida do dia-a-dia.
Mas eu respondo que isso não é verdade.
E a prova está na questão escandalosa que está a acontecer na Beira com os edificios publicos que a Frelimo agora afirma serem sua propriedade particular.
Bastou a cidade passar a ser dirigida por um autarca da Renamo para esses edificios, que sempre foram usados por serviços públicos, serem declarados propriedade da Frelimo exigindo ao Município que pague rendas pela sua utilização.
E os tribunais, tão independentes que são, a dar razão ao partidão.
Isto diz-nos que, se um dia a oposição ganhar as eleições no nosso país, vamos talvez descobrir que o tal dirigente distrital tinha razão e que as estradas, as escolas, os hospitais e tudo no país afinal eram propriedade da Frelimo e vamos ter todos que pagar àquele partido para podermos utilizar essas infraestruturas.
Há, portanto, que deixar muito bem claro o que é de quem.
Desde já e sem margem para dúvidas, para evitar mais surpresas no futuro.
Para não nos virem dizer que houve militares que venderam quarteis a privados como se fossem propriedade sua.
Ou que dirigentes do Ministério X entregararam instalações do seu ministério como sua participação no capital de uma qualquer empresa privada.
O partido Frelimo é uma entidade como outra qualquer que não se pode confundir com o Estado Moçambicano.
Principalmente nestas questões que envolvem bens materiais.
E isto deve ser dito em todo o lado, alto e bom som, para que não fique sombra de dúvida em ninguém.
Quem disser o contrário está a mentir e, como já disse, não é uma mentira inocente.
É, muito provavelmente, um primeiro passo para preparar o desvio daquilo que é de todos nós.
E não podemos aceitar que isso aconteça.
SAVANA - 26.01.2007 - Via Comunidade Moçambicana no Exterior

domingo, 28 de janeiro de 2007

Faleceu em Goa o Padre Carminho que Porto Amélia (Pemba) tão bem conheceu.



Faleceu no passado dia 19 de Janeiro, com 82 anos de idade, na paróquia de Curtorim, diocese de Goa-Damão, o Padre Carminho Francisco Rodrigues que exerceu funções pastorais no Patriarcado de Lisboa entre 1977 e 2001.
Ordenado sacerdote em 1952, o Padre Carminho pertenceu ao presbitério da diocese de Goa-Damão, tendo dedicado alguns anos do seu sacerdócio à diocese de Pemba, em Moçambique.
É desta diocese que vem para Portugal, sendo admitido no Patriarcado de Lisboa no ano de 1977.
No Patriarcado, exerceu funções paroquiais como pároco do Cercal, Alguber e Figueiros, coadjutor em Alcoentre, e colaborador na Amadora, Alcoentre e Manique do Intendente.
Além disso, prestou assistência religiosa nas cadeias prisionais de Alcoentre e Vale Judeus. Tendo regressado definitivamente a Goa, no ano de 2001, o Padre Carminho, nos seus últimos anos de vida, manteve uma generosa actividade pastoral, com especial dedicação aos mais necessitados, tanto na sua como noutras dioceses do país.



- Grande amigo dos mais pobres e carentes de amor, campeão da fraternidade, o seu nome continuará para sempre ligado às Gentes e Terras de Cabo Delgado.(C. L. B.)

- Trago em meu carro um santinho (S. Francisco de Assis) que ele me ofereceu quando era seu aluno de religião e moral em Porto Amélia. Ao longo destes mais de 30 anos de distância da nossa querida Porto Amélia fui trocando sempre de carro...mas nunca de santinho !!! (J. L. G.)

Obs. - Enquanto em Pemba-antiga Porto Amélia, o Padre Carminho (como era carinhosamente conhecido por todos nós) lecionou na Escola Comercial Jerónimo Romero e no Colégio de São Paulo como professor de religião e moral.
Influenciou, com seu dom religioso e seu coração generoso, centenas de jovens seus alunos que hoje vivem, já na maturidade da vida, em Moçambique, Portugal e outros recantos do mundo e jamais o esqueceram ou esquecerão !

Moçambique: Turismo em alta galopante!

Contra factos e números também não há argumentos, meus senhores.
O Turismo em Moçambique cresce a passos galopantes!
Claro que a começar pelas características de simpatia e hospitalidade do seu povo de norte a sul do País, das suas potencialidades naturais, praias maravilhosas já premiadas e com reconhecimento a nível mundial, a flora e a fauna bem diferente em cada uma das suas Províncias, tudo contribui naturalmente para esse crescimento.
Mas não chega.
A paz alcançada em 4 de Outubro de 1992, foi a etapa marcante.
Tudo veio a seguir.
As vias rodoviárias foram substancialmente melhoradas, começou-se a circular por todo o País, nas cidades capitais de Província melhoraram-se e construíram-se de raiz novos hotéis, abriram-se restaurantes, embelezaram – se localidades e cidades: o turismo estava em marcha. Do litoral ao interior, de norte a sul do País, tem sido uma azáfama constante.
Os serviços públicos de entrada e saída de turistas vão-se apetrechando e organizando, seja nos aeroportos ou nas fronteiras terrestres.
Os números de entrada de turistas já amplamente divulgados, tiveram um crescimento avassalador de 2005 para 2006, isto para ficarmos só por estes anos.
Criam-se novas estruturas hoteleiras e melhoraram-se outras ao longo de todo o litoral, boa nova para os apaixonados pela praia, mas no interior também.
Desde o Lago Niassa, na província do mesmo nome, passando por Tete no Songo em Cahora Bassa.
O Parque Nacional da Gorongoza em Sofala, em termos da sua biodiversidade é única no Mundo. São as Quirimbas em Cabo Delgado, Guludo, a famosa praia mundialmente reconhecida, lá está como que a esperar por si!
A Ilha de Moçambique em Nampula tem pelo menos uma boa infra - estrutura hoteleira, digna para alojar quais cientistas e homens da cultura, para em congressos, conferências e debates, na calma e beleza paisagística que lhe oferece a Ilha, dissertarem como Camões que na sua estátua os aguarda.
Não esqueçamos as praias da Zambézia, nem o chá, nem os seus palmares.
E as pinturas rupestres de Manica?
Tranquilamente chegamos ao Bazaruto, passando por Vilankulos.
E a Reserva de Maputo e a Ilha da Inhaca?
As ligações aéreas no país cresceram a olhos vistos nestes últimos anos, com a salutar concorrência a si associada.
Queremos, acho que posso falar no plural, mais frequências com a Europa, mais alternativas de transportadoras, e o último desejo mas…, preços muito mais baixos àqueles que vêm sendo praticados.
Meritório foi constatar num dos hóteis ter à sua frente, na direcção uma jovem gestora moçambicana, parabéns também a este empresário luso.
Todos queremos ter o nosso quinhão neste crescimento galopante do Turismo em Moçambique. Como bem nos compreende e sempre compreendeu o Ministro do Turismo e as pessoas e os serviços de si dependentes.
São os seminários a nível nacional que regularmente se realizam para debater as questões pertinentes, as bolsas de turismo, os congressos internacionais.
Nesta década houve o Seminário no Porto como Investir no Turismo em Moçambique, o Congresso da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo em Maputo.
Está a decorrer esta semana de 24 a 28 de Janeiro em Lisboa a BTL, a Bolsa de Turismo de Lisboa, onde Moçambique se encontra dignamente representado, quer a nível institucional, quer a nível empresarial.
Augusto Macedo Pinto - Advogado, Antigo Cônsul de Moçambique em Portugal.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2007

Pemba - Juiz ameaça fechar semanário “Horizonte”.


O juiz presidente do Tribunal Judicial da Cidade de Pemba, em Cabo Delgado, Orlando Zunguze, ameaçou, ontem, em plena sala de audiências, mandar fechar o semanário “Horizonte”, uma publicação local que deveria ter sido julgada num caso que envolve uma ONG nacional de desenvolvimento rural (UMOKAZI).
A referida agremiação acusa o jornal de difamação e injúria, razão pela qual pede uma indemnização de 12 milhões de meticais.
“Se vocês não arranjam um advogado, o tribunal vai acabar com o vosso jornal” – disse o juiz, perante 11 jornalistas que queriam cobrir o julgamento.
A pedido do “Horizonte”, a sessão foi adiada porque o semanário não tem dinheiro para pagar o advogado, daí que o tempo solicitado, até 7 de Fevereiro, os responsáveis acreditam diligenciar no sentido de angariar fundos para o efeito.
Miguel Akanaída, editor do “Horizonte”, recusou a “oferta” do tribunal de indicar um defensor oficioso, preferindo que o mesmo seja da confiança do jornal.
O jornal acha não ser urgente a resolução do problema com vista a pagar a indemnização, daí que considera ser importante constituir uma defesa credível e à altura de responder ao processo.
Por outro lado, o sindicato Nacional de Jornalistas, através da sua representação em Cabo Delgado, emitiu um comunicado em que questiona o carácter célere que o tribunal pretende imprimir neste caso, onde o epicentro da questão resulta do facto do semanário ter denunciado uma alegada má gestão dos bens por parte do Conselho de Administração da UMOKAZI, numa publicação de 3 de Fevereiro de 2006.
Para todos os efeitos, o tribunal deu 10 dias para que o “Horizonte” possa constituir um advogado, devendo o julgamento acontecer a 7 de Fevereiro.

Maputo, Sexta-Feira, 26 de Janeiro de 2007:: Notícias

quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

PEMBA - “Horizonte” sob fogo cruzado.


O semanário Horizonte, uma publicação local e única, em Cabo Delgado, está a enfrentar dois processos-crime movidos pela “Latrinas Melhoradas, subtutelada pela Direcção Provincial das Obras Públicas e Habitação e UMOKAZI, uma organização não-governamental nacional de apoio ao desenvolvimento rural, ambos acusando o periódico de difamação.
A “Latrinas Melhoradas” diz sentir-se difamada pelo facto de o jornal ter publicado uma peça jornalística que dava conta do atraso de vencimentos na empresa e que o seu ex-coordenador desviava dinheiro resultante do aluguer do camião no carregamento de areia.
A UMOKAZI entende que a denúncia, pelo jornal, da crise interna, criada pelas lamentações de interferências dos órgãos sociais na direcção executiva, contra recomendações saídas da IX sessão ordinária da assembleia geral da organização a terá manchado sobremaneira, pelo que pede reparos monetários, por via de uma arbitragem judicial.
Na verdade, para além disso, o “HORIZONTE”, através de uma série de artigos publicados, denunciou, igualmente, o desvio de fundos, a má gestão, mau relacionamento que provocou a saída precipitada dos membros-fundadores daquela organização pioneira em Cabo Delgado, na componente desenvolvimento rural, bem como a acumulação de dívidas em salários dos seus colaboradores.
É este último caso que vai a julgamento hoje, segundo foi notificado o jornal, em 22 de Janeiro corrente, perante uma expectativa geral que obrigou a que o MISA-Moçambique, Núcleo de Cabo Delgado, emitisse um comunicado, assinado pelo oficial de informação, Afonso Alberto Chakubanga, no qual diz estar atento ao decorrer da contenda desde finais do ano passado.
Diz o MISA não estar a favor nem contra a solução judicial do caso, mas alerta que tal signifique uma tentativa de silenciar o único jornal da província e que tem estado a cumprir a sua missão de informar.
Ontem o MISA voltou à carga, escrevendo uma carta ao Tribunal, depois de se aperceber que o jornal e os respectivos jornalistas vão a julgamento sem nenhum tipo de assistência jurídica.
“Sem pretender imiscuir-se nos aspectos meramente processuais, por não ser competente e depois de o MISA se aperceber que o jornal vai ao julgamento sem nenhuma defesa, vimos por este meio apelar ao Tribunal Judicial da cidade de Pemba, no sentido de aceitar um adiamento do mesmo para dar tempo a que o “HORIZONTE” possa constituir advogado”, lê- se na carta remetida às 10 horas de ontem.
A UMOKAZI pede, para a reparação dos dados que acha terem sido causados pela publicação daquelas notícias, a módica quantia de 12 milhões de meticais (12 biliões da antiga família), que observadores atentos dizem não estar sob alçada de um tribunal da categoria daquele que vai julgar o caso.
Entretanto, até ao fim da tarde de ontem não havia informações que dessem a entender que os apelos foram considerados pela instância judicial que vai dirimir o caso, mas ressalva-se que o “HORIZONTE” ainda se encontra em período legal para o fazer, pois a notificação é datada de 22 de Janeiro corrente .

Maputo, Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2007:: Notícias

Cabo Delgado: INSS ameaça levar empresas a Tribunal.

Um total de 69 empresas sedeadas na província de Cabo Delgado e que não canalizam as contribuições dos seus trabalhadores ao sistema de segurança social poderão fazê-lo mediante medidas coersivas, caso não legalizem a sua situação a breve trecho.
Estas empresas fazem parte de um total de 71 notificadas ano passado pela delegação provincial do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS) para regularizarem o pagamento do seguro social dos seus trabalhadores, o que já não fazim há bastante tempo.
Destas, apenas duas ultrapassaram o problema, faltando as restantes 69, algumas das quais alegam estar a atravessar momentos de crise financeira.
Esta situação está a privar cerca de sete mil trabalhadores dos seus direitos de beneficiários de seguro social.
Maputo, Quinta-Feira, 25 de Janeiro de 2007:: Notícias

quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

Moçambique: Autoridades religiosas recebem símbolos de Jornadas da Juventude.

Maputo, 23/01 - O Santuário de Nossa Senhora de Fátima, no distrito da Namaacha, província de Maputo, foi segunda-feira palco da entrega dos símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude da Igreja Católica, numa cerimónia em que participaram quase três mil jovens.
De acordo com a Lusa, a delegação moçambicana, chefiada pelo arcebispo de Maputo, D. Francisco Chimoio, recebeu da sua congénere da vizinha Swazilândia a Cruz e o Ícone de Nossa Senhora, dois objectos de devoção presentes nas jornadas desde 1984.
"É um privilégio para Moçambique receber estes símbolos", enfatizou D. Francisco Chimoio, destacando o facto de o país receber pela primeira vez a Cruz, que "gira o Mundo há 23 anos".
O arcebispo de Maputo convidou os jovens a rezarem pelos que sofrem de SIDA, fome, injustiça e outros males que afectam a sociedade.
Os símbolos "itinerantes" irão agora percorrer as cidades de Maputo, da Beira, de Nampula e de Pemba.
Depois de atravessarem os continentes americano, europeu e asiático, os símbolos já percorreram em África países como o Ghana, a Côte d´Ivoire, o Botswana, o Senegal, o Togo, as Ilhas Reunião, os Camarões e as Maurícias.
No final de Janeiro, os símbolos serão entregues à África do Sul - último pais africano a recebê-los -, rumando depois para a Austrália, país que acolherá as Jornadas Mundiais da Juventude da Igreja Católica.

Moçambique: Banco Central impulciona instalação de bancos comeciais em zonas rurais.

Maputo, 24/01 - O Banco de Moçambique quer promover o estabelecimento de mais bancos comerciais nas zonas rurais moçambicanas, onde são frequentes relatos de perdas avultadas de dinheiro guardado em sacos, latas e outros utensílios, devido à ausência de bancos.
A "bancarização da economia" e a "expansão dos serviços financeiros para as zonas rurais" será, por isso, o tema central do 31º Conselho Consultivo do Banco Central moçambicano, a realizar sexta- feira, em Nampula (norte), refere um comunicado de imprensa da instituição.
Na mesma perspectiva, o Banco de Moçambique inaugurou recentemente agências nas cidades de Quelimane e Tete (centro), Lichinga e Pemba (norte) e Maxixe (sul).
Com a medida, o Banco de Moçambique pretende facilitar o estabelecimento de bancos comerciais nas zonas rurais próximas das referidas cinco cidades.
O Governo moçambicano considera essencial "a bancarização" das zonas rurais, para o cumprimento do seu objectivo de "transformar o distrito em pólo de desenvolvimento do país". O aproveitamento das delegações dos Correios de Moçambique para a captação das poupanças rurais é uma das ideias defendidas pelo executivo moçambicano, de modo a integrar a actividade produtiva do campo no circuito formal da economia do país.

Moçambique - Objectivos governamentais continuam a falhar.


O Estado moçambicano continua com grandes dificuldades em contribuir para o desenvolvimento humano no país.
Com um Plano Quinquenal longo, sinuoso e vago, reduziu a discurso as estratégias de combate à corrupção e mantêm obscuras as políticas de combate à pobreza absoluta, acusa relatório divulgado pela Liga Moçambicana dos Direitos Humanos (LDH) há dias em Maputo.
A falta de transparência na administração, o despreparo e a falta de conhecimentos de administração, para além da ineficiência do sistema de fiscalização e monitoria na gestão governativa, são, de acordo com LDH parte das razoes que contribuem para o fraco desempenho dos planos que tem sido traçados desde, 1992, aquando do Acordo Geral de Paz.
Em finais de 2006 soube-se, em função de um relatório internacional, que Moçambique é dos países africanos que está a registar grandes avanços económicos, apesar de não produzir petróleo. Entendidos iam mais longe, acreditando que o país estava a caminhar num ritmo galopante, sem comparação a nível mundial.
O Relatório da LDH, que faz uma abordagem mundial, sustenta que dois principais problemas inquietam a população moçambicana.
Nomeadamente, o enriquecimento ilícito de minorias ligadas ao poder e a ausência de políticas públicas impulsionadoras de um rendimento familiar capaz de promover vida economicamente estável.
O principal desafio do Presidente da República, Armando Guebuza, e seu Executivo é indubitavelmente o combate à pobreza absoluta.
Apregoado a nível das bases e por grande parte dos dirigentes do Estado este projecto não é visto por todos com bons olhos.
Determinados círculos de opinião acreditam que é preciso demonstrar e flexibilizar os mecanismos pelos quais este projecto se vai servir para atingir as suas respectivas metas.
“Como desafio ao combate à pobreza absoluta foram identificados as seguintes áreas como sendo prioritários: Educação, Saúde, Agricultura, Infra-estruturas e as regiões com desenvolvimento relativamente baixo”, indicam os dados.
A desigualdade de oportunidades e a generalização de salários extremamente baixos tendem a ser a principal causa da pobreza absoluta.
Esses factores constituem o maior empecilho na concretização das metas propostas tanto na esfera do governo central como na esfera local.
No que toca as principais doenças, o relatório refere que a malária, HIV/SIDA, cólera, e diarreias endémicas continuam sendo os maiores problemas de saúde e principais causas de mortalidade em Moçambique.
Das mulheres grávidas, 20% são portadoras do parasita da malária e de 15% a 30% das mortes maternas resultam disso.
A população moçambicana é calculada em 20 milhões, das quais cerca de 13 milhões vivem no campo e sobrevivem graças a uma agricultura de subsistência praticada com métodos rudimentares e em pequena escala.
De acordo com o relatório a vida na periferia das cidades e no campo é fortemente caracterizada pela ausência de Estado.
À medida que se caminha para fora de Maputo, capital, o Estado vai gradualmente enfraquecendo a sua actuação, presença e efectividade na vida dos cidadãos.
Os dados acrescentam que o Estado desenhou várias reformas para o sector judiciário em 2006. Das principais interessa citar a expansão do Tribunal Administrativo, realização de fóruns com a media, faculdades de direito e divulgação de brochuras para informar a população sobre seus direitos, além de conceber assistência jurídica gratuita a indivíduos pobres.
Porém, os dados lamentam que “o Instituto do Patrocínio e Assistência Jurídica, criado pelo Estado para oferecer uma assistência jurídica gratuita, acabou transformando-se numa espécie de sociedade onde técnicos e assistentes jurídicos chegam a cobrar valores como se fossem advogados, embora seja um serviço público”.
O relatório adianta que Portugal é um dos 17 Parceiros do Apoio Programático de Moçambique com uma contribuição anual de 1,5 milhão de dólares.
Boaventura Mucipo Júnior - In "O País OnLine" - 22/01/07

terça-feira, 23 de janeiro de 2007

Pemba - A morte das florestas...III

Madeira retida no Porto de Pemba: Transporte de retorno está a ser difícil.
O processo de retorno dos 47 contentores de madeira cujo embarque para exportação foi embargado, pelo Governo Provincial de Cabo Delgado, por suspeitas de conterem produtos florestais não autorizados está conhecer percalços demorados de modo que ainda não foi concluído.
Fonte próxima do processo disse ao “Notícias” que coloca-se primeiro a quantidade dos contentores que devem ser desempacotados, um por um, depois de chegarem ao parque, associado às condições existentes no local para atender agrandes quantidades de uma só vez.
A agravar, no tarde do Sábado, um dos contentores que estava a retornar ao parque tombou na Praça 25 de Setembro, vulgarmente chamada Kankhomba, obstruindo a rotunda a partir da qual é possível se comunicar com a praia de Wimbe, Porto de Pemba e o centro da cidade.
Foi necessária a mobilização de meios suplementares para afastar o contentor e depois retirá-lo, o que só foi possível pela madrugada de Domingo, com a intervenção de uma máquina da Empresa Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM).
Ainda não há informações dando conta de mais um contentor, para além daquele que em pleno recinto portuário foi detectado com umbila e jambire, espécies cuja a exportação só se pode efectuar em madeira serrada e não em toros, como aconteceu.
A “operação” contínua e prevê-se que hoje possa ser concluído depois que o governo provincial poderá se pronunciar à volta do que foi encontrado neste intricado caso que está a ser conduzido com relativo secretismo e com acompanhamento minucioso das entidades das Florestas e Fauna Bravia, agentes das forças de segurança entre outros.
Enquanto isso, está a ficar cada vez mais oneroso para a empresa que infligiu as normas, tendo em conta que para além de não poder fazer embarcar a mercadoria, no navio que lhe vai cobrar como se nada tivesse acontecido, há o facto de que deve pagar o porto pela entrada e saída da mercadoria, fora os outros encargos colaterais que advém do transporte de retorno ao parque.
Maputo, Terça-Feira, 23 de Janeiro de 2007:: Notícias

segunda-feira, 22 de janeiro de 2007

Pemba - A morte das florestas...II



Por suspeita de tentativa de exportação ilegal : Apreendidos em Pemba 47 contentores de madeira.
As autoridades de Cabo Delgado acabam de abortar a exportação de 47 contentores que se presume tenham madeira em toros e serrada em moldes ilegais, de uma operadora denominada MOFID, pertença de cidadãos chineses, abrindo assim mais um “caso”, cujas investigações decorrem com a promessa de, a breve trecho, o Executivo apresentar os detalhes do acontecimento.
Pelo menos 12 dos 47 contentores, segundo apurou o “Notícias” no contacto com o porta-voz do Governo Provincial, Mateus Matusse, foram inspeccionados pela equipa multissectorial e um deles continha estes produtos madereiros.
Na sexta-feira de manhã iniciou-se o transporte da totalidade dos contentores de volta ao parque de madeiras da MOFID, sito no Bairro de Muxara, arredores da cidade de Pemba, onde está a prosseguir o seu desempacotamento, sob acompanhamento de um aparato policial, para a verificação minuciosa do seu conteúdo.
A operação, que envolveu agentes dos Serviços Provinciais de Florestas e Fauna Bravia, Alfândegas, Polícia, SISE e outros, começou no crepúsculo da passada segunda-feira, quando estes grupos se fizeram ao porto de Pemba para uma “inspecção de rotina”, segundo classificou, quando contactado pela nossa Reportagem, o delegado do porto, Joaquim Daúdo.
Na realidade, a operação teve lugar na véspera da chegada do navio “Uafl Express”, que transportaria a madeira para a Ásia e que já partiu deixando-a em terra para o cumprimento das imposições das autoridades visando a averiguação do caso.
A primeira reacção veio de alguns madereiros que operam em Cabo Delgado, contactados por este Jornal e que não quiseram identificar-se, que acham que, a provarem-se os factos, há lugar para pensar que a MOFID podia não estar a cometer a falcatrua pela primeira vez.
“Ela não pode convencer a ninguém que esta seja a primeira vez. Sendo assim, achamos que faltava era mais esta mão dura do Governo provincial, e a tal denúncia que dizem ter sido popular”.
A lei e regulamento vigentes em Moçambique sobre exploração florestal proíbe que a umbila e jambire, espécies encontradas em pelo menos um contentor inspeccionado, sejam exportadas em toros, assim como obrigam a que a madeira serrada tenha que ter no máximo 10 centímetros de espessura, havendo uma tolerância de 10 porcento.
A largura não tem limites.
São pretensamente estas normas que não terão sido cumpridas pela MOFID.
A apreensão é muita, no meio de especulações em relação ao conteúdo dos contentores que vão ser examinados fora do recinto portuário e às medidas que esperam a operadora, que desde que se instituiu a proibição de exportação de madeira em toros daquelas espécies se tornou na primeira a ser apanhada com a “boca na botija”.
É a segunda vez que a MOFID sofre um revés em pleno porto de Pemba.
A primeira deu-se quando em Abril de 2004 e na companhia de outras empresas similares, viu a sua carga embargada sob ordens do Tribunal Provincial Judicial de Cabo Delgado.
Na realidade, nessa altura o juiz de instrução criminal mandara apreender toda a madeira de oito empresas de exploração da área que se encontravam no recinto portuário, em Pemba, prestes a embarcar no navio “Na Yue Jiang”, com destino a Hong Kong, por haver indícios de falsificação de documentos de embarque da mercadoria.
O navio, com capacidade bruta de 11.115 toneladas e líquida de 6.259, acabaria por ficar retido, depois de duas semanas a embarcar madeira das empresas MOFID, Alman Lda, Panga Lda, Moz Wood, Timber World, Sothgate Forest, Naomy Lda e Saftrad (Moçambique) Lda, até que a providência cautelar fosse retirada.
PEDRO NACUO - Maputo, Segunda-Feira, 22 de Janeiro de 2007:: Notícias

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007

Sul de Cabo Delgado: ligação aos pedaços !


As ligações entre os vários pontos do sul de Cabo Delgado estão condicionadas devido às chuvas e tudo leva a crer que se as entidades responsáveis, a nível do Governo, pela manutenção das estradas, não agirem já, pelo menos ficaremos neste período chuvoso, com regiões sem comunicação uma da outra.
Montepuez e Balama estão ameaçados não só pela habitual precaridade da estrada que liga os dois distritos por estas alturas, sobretudo por causa de dois cortes da via que estão a progredir.
Falar da ligação destes dois distritos é fazê-lo em relação aos contactos via rodoviária entre as províncias de Cabo Delgado e Niassa, sem ser necessário passar por Nampula.
Em Namuno só se pode comunicar com dois dos quatro postos administrativos, Machoca e N’cumpe, porque para Papai não se pode ir.
Há três rios, um dos quais, o Nina é normalmente intransponível em todo o período chuvoso. Atravessa-se apenas de canoas.
Ir a Hucula não é obra de todas os dias.
Aliás mesmo na tentativa de se ligar com Montepuez, o rio Namikuio, candidata-se a um sério obstáculo, porque do lado de Namuno, a ponte sobre si está a deixar abrir uma cratera que pode “ajudá-la” abaixo e assim nem Montepuez, por isso, nem com a capital provincial, se bem que por via Balama, para além dos inconvenientes ainda em crescimento, uma pequena ponte desabou.
É tudo isso, mais o oportunismo de sempre, dos automobilistas, dos aldeões junto aos locais críticos que têm que ganhar também um pouco, nalguns casos aumentam as crateras para haver lugar de se lhes solicitar ajuda. etc., etc., etc.

Pedro Nacuo - Maputo, Sábado, 20 de Janeiro de 2007:: Notícias

Águas de Portugal assume recolha de lixo urbano em Maputo, Beira, Pemba e Matola.

A Águas de Portugal (AdP) deverá em breve passar a colaborar na recolha primária de resíduos sólidos urbanos num bairro ainda a designar na capital moçambicana, apoiando também financeiramente o processo.
O acordo de princípio, que representa o «pontapé de saída» da colaboração da empresa com outros municípios moçambicanos, foi alcançado à margem do encontro que esta semana juntou na capital moçambicana representantes da Águas de Portugal e de vários municípios moçambicanos, com destaque para Maputo, Beira, Pemba e Matola.
Para Enrique Castiblanques, da AdP, esta colaboração poderá ser precursora de outros projectos.
«Foi um pontapé de saída. Agora trata-se de definir com detalhe os projectos em que a AP irá colaborar. Há uma forte intenção de caminharmos juntos no futuro», disse, em declarações à Agência Lusa.
A recolha primária e secundária de resíduos sólidos urbanos, bem como a construção de um novo aterro e a selagem do actualmente existente em Infulene, em Maputo, poderão constituir futuras áreas de cooperação.
De resto, apontou Enrique Castiblanques, a AdP tem como atractivos para as autoridades moçambicanas a capacidade de montar projectos complexos, a circunstância de actuar em vários mercados, bem como a sua capacidade financeira e peso institucional.
O encontro realizado em Maputo, subordinado ao tema «Empresarialização do sector do ambiente», serviu, além disso, para conferir «experiências bem e mal sucedidas» nos dois países em matéria de tratamento de resíduos sólidos urbanos e águas residuais.
Diário Digital / Lusa - 19-01-2007 6:10:00

Pemba - A morte das florestas...Última hora...



Hoje: Cabo Delgado - Quarenta contentores carregados de madeira supostamente destinada a exportação ilegal foram apreendidos mas as autoridades recusam-se a prestar declarações, afirmando que o caso ainda está em investigação.

Do Imensis - 19/01/2007 - http://www.imensis.co.mz/

Moçambique - Comercialização de caju já atingiu 58 mil toneladas.


As províncias de Cabo Delgado, Nampula e Zambézia comercializaram 58,5 mil toneladas de castanha de caju, das 75 mil toneladas planificadas para a presente campanha, que vai até Março próximo.
Dados do Instituto de Fomento do Caju (INCAJU), ao nível daquelas províncias, indicam que Nampula, com 45 mil toneladas planificadas para a presente campanha, já comercializou 42 mil toneladas da castanha de caju.Na Zambézia, a quantidade da castanha comercializada até agora atinge a 9.800 toneladas, do total de 10.000 programadas para esta campanha, sendo que em Cabo Delgado estima-se em 6.700 toneladas, das sete mil toneladas estabelecidas como meta.
”Neste momento a colheita terminou, mas a campanha continua, o que nos leva a crer que cerca de cinco a 10 mil toneladas ainda poderão ser comercializadas ao nível daquelas três províncias”, disse Santos Frijone, técnico do Departamento de Economia do INCAJU, falando a AIM.
Contudo, projecções iniciais indicavam que Nampula poderia não atingir a meta de 45 mil toneladas estabelecida para a presente campanha, terminando apenas nas 35 mil toneladas, uma vez ter havido ventos fortes que abalaram a província e que destruíram flores de muitos cajueiros, além doutros milhares que foram afectados por queimadas descontroladas.
Em entrevista a AIM, Frijone disse que “fomos pessimistas em relação as previsões por causa dos fenómenos que ocorreram. As queimadas aconteceram, tiveram o impacto negativo que tiveram, mas parece que, felizmente, havemos de conseguir cumprir com o planificado, ou mesmo se não conseguirmos não estaremos longe das metas”.
O preço médio do quilograma da castanha ao produtor nas províncias da Zambézia e Cabo Delgado mantêm-se estável nos 5.5 Meticais, mas em Nampula, onde o mínimo praticado é de 6.5 meticais, já atingiram o pico de oito meticais.
Ana Machalele, também do Departamento de Economia do INCAJU e ligada a área de exportações, referiu que cerca de 9.500 toneladas deste produto poderão ser exportados para Índia até finais deste mês, estando-se neste momento a terminar com todas as formalidades.
Segundo ela, outra quantidade estimada em 10.000 toneladas já foi comprada pela industria nacional, que poderá processar entre 25 a 30.000 toneladas da produção global da campanha corrente.
“Calcula-se que em toda região norte do pais as exportações atingirão 15.000 toneladas. Mas esses são dados preliminares, creio até ao fim deste mês teremos os números reais”, disse Machalele.
No sul e centro do país, onde os principais produtores da castanha são as províncias de Inhambane e Gaza (sul), ainda não existem dados sobre o ponto de situação de comercialização, contudo há um comerciante que disse possuir cerca de duas mil toneladas e que deseja exportar ainda este mês.
Nesta campanha, prevê-se que Gaza poderá comercializar cinco mil toneladas de castanha de caju, Inhambane quatro mil toneladas e Sofala e Manica (centro) 1.500 toneladas (cada).
A meta para a província de Maputo é de mil toneladas.
Dados estatísticos sobre a comercialização da castanha de caju na campanha passada indicam que Cabo Delgado comercializou pouco mais de quatro mil toneladas, Nampula 29 mil, Zambézia 11 mil, Manica e Sofala 6,500, Inhambane 5 mil, Gaza 6 mil e Maputo 196 toneladas.
(AIM) - Maputo, Sexta-Feira, 19 de Janeiro de 2007:: Notícias

quarta-feira, 17 de janeiro de 2007

Cabo Delgado- Funcionários detidos por desfalque.

Seis funcionários administrativos afectos nos sectores de Saúde em igual número de distritos da província de Cabo Delgado encontram-se detidos acusados de envolvimento num caso de desaparecimento de três milhões de meticais.
Trata-se de funcionários afectos aos distritos de Mueda, Palma, Meluco, Muidumbe, Nangade e Ilha do Ibo e o dinheiro fazia parte de fundos de funcionamento para o ano de 2006, descentralizados para aqueles distritos. Uma fonte da Direcção de Finanças de Cabo Delgado avançou a hipótese de ter havido conivência do pessoal desta instituição no desvio de três milhões de meticais.
Maputo, Quinta-Feira, 18 de Janeiro de 2007:: Notícias

segunda-feira, 15 de janeiro de 2007

Moçambique - Suécia e Irlanda vão continuar a apoiar a província moçambicana do Niassa.


Maputo, Moçambique, 15 Jan - O apoio directo da Suécia e da Irlanda à província moçambicana do Niassa atingiu 180 milhões de meticais em 2006, afirmou ao jornal Notícias, de Maputo, o governador da província, Arnaldo Bimbe.
Os valores provenientes do apoio directo da Irlanda e Suécia – o Fundo Comum – destinam-se a apoiar prioritariamente as áreas de Educação, abastecimento de água e estradas, embora haja também componentes como o apoio institucional ao Governo provincial, concessão de bolsas de estudos para funcionários públicos em exercício e para jovens que terminam o nível médio e que necessitam de prosseguir com a sua formação a nível superior.
“Tanto a Suécia como a Irlanda mostram-se disponíveis a aumentar o seu apoio directo ao orçamento da nossa província. Um dos sinais disso é a indicação de que o valor do apoio concedido em 2006 poderá ser mantido ou até reforçado em função daquilo que for o nível de execução dos projectos”, precisou Arnaldo Bimbe.
A Suécia também apoia a sociedade civil e o sector privado através da Fundação Malonda, com programas coordenados pelo Centro Cooperativo Sueco, uma Organização Não-Governamental (ONG) daquele país escandinavo.
Por outro lado, através da sua Agência para o Desenvolvimento Internacional (ASDI), a Suécia financiou em exclusivo a primeira fase da construção do eixo Litunde / Ruasse, que foi asfaltado até à vila-sede do distrito de Marrupa.
Neste ano, o projecto vai prosseguir com a construção do troço em falta para ligar as cidades de Lichinga, no Niassa, e Montepuez, na província de Cabo Delgado, numa extensão global estimada de 500 quilómetros, desta feita também com apoio do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) e do Governo do Japão.
Há, igualmente, a destacar o apoio à reabilitação e ampliação dos hospitais de Lichinga e de Cuamba, com apoio da Irlanda, país que também está por detrás do projecto de construção do pavilhão gimnodesportivo de Lichinga e da instalação do Instituto de Formação em Administração Pública (IFAPA).

domingo, 14 de janeiro de 2007

Licenças para exploração de madeira em Moçambique mais que duplicaram em 2006.


Maputo, Moçambique - Os pedidos de licença simples para a exploração de madeira em Moçambique aumentaram mais de 50 por cento em 2006 ao passarem de 462 em 2005 para 790 no ano passado, de acordo com o jornal Notícias, de Maputo.
Henrique Cruz, chefe do Departamento de Florestas na Direcção Nacional de Terras e Florestas, citado pelo jornal, afirmou que a tendência global em anos anteriores era de redução do número de pedidos de licença simples mas, atendendo à grande procura por madeira em toro, assistiu-se ao crescimento dos operadores desse tipo.
As licenças simples são válidas pelo período de um ano e os seus detentores podem cortar árvores até 500 metros cúbicos.
O crescimento do número de operadores não significou, de acordo com Henrique Cruz, um crescimento no processamento interno da madeira, nem de mão-de-obra fabril e muito menos um crescimento na indústria nacional.
Mas recentemente, o governo decidiu reclassificar quatro espécies - conhecidas localmente por mondzo, pau-ferro, muanga e chanate - que passaram a pertencer às espécies de madeira de 1ª classe, cuja exportação só é possível depois do seu processamento.
Henrique Cruz adiantou que tal medida visa por um lado reduzir a pressão sobre os recursos florestais e pelo outro procurar incentivar a indústria nacional com a consequente criação de emprego.
O chefe do Departamento de Florestas adiantou que o governo tem vindo a apostar também nas concessões que são uma perspectiva que contempla o uso racional dos recursos e a criação de condições que beneficiem as comunidades locais, nomeadamente a obrigatoriedade de instalação de indústrias de processamento local.
Esta abordagem, de acordo com Henrique Cruz, tem vindo a trazer resultados positivos, pois a abordagem contempla uma perspectiva de longo prazo (cinquenta anos renováveis), o que passa por os operadores disporem de um inventário florestal e plano de maneio, para além da obrigatoriedade de instalação de uma indústria de processamento local da madeira.
Neste momento, foi já autorizado um total de 114 concessões, localizadas nas províncias de Cabo Delgado, Zambézia, Nampula e Sofala.
As outras províncias com concessões, em número reduzido, são as de Tete e Manica.
(macauhub) - 14/01/2007 06:46 - ABN

sábado, 13 de janeiro de 2007

Mozambique: EDM Disconnects Entire Neighbourhood.

Agencia de Informacao de Mocambique (Maputo)
January 12, 2007Posted to the web January 12, 2007
Maputo
Mozambique's publicly-owned electricity company EDM has cut off all power to an entire neighbourhood in the northern city of Pemba, on the grounds that all the houses built there are illegal, reports the Beira daily paper "Diario de Mocambique".
Residents of the Chibuabuari neighbourhood then demonstrated in front of the Pemba EDM offices, demanding their immediate reconnection to the grid, but it seems unlikely that the City Council or EDM will reconsider the decision.
The Council says that Chibuabuari was built illegally, in an area that is at sea level and unfit for human habitation. For months the Council has been threatening to demolish all the houses built there, but the residents have refused to move.
The municipality has now changed tactics, and has asked EDM and the local water company not to provide services to the area.
EDM says that any connections in Chibuabuari are clandestine: a whole network had been set up to steal power from EDM through illegal connections, Yet some of the Chibuabuari demonstrators seemed to have contracts with EDM.
The EDM Pemba director, Josue Nunes, told the paper "There must have been connivance of some EDM workers who facilitated those connections".
"If we find people with legal contracts, we will have to reconnect them", he said. "But those connections will be on a temporary basis since the whole neighbourhood is illegal".
Tagir Assamo, spokesman for the City Council, said the idea is to discourage people from living in Chibuabuari. "This area is prone to disasters, and we've said so many times", he stressed.
EDM's attitude was to be praised, because if electricity was available, "that would promote the building of more houses there".
About 1,000 households live in Chibuabuari, and new houses continue to go up, despite the City Council's warnings. The residents say the Council allowed Chibuabuari to grow, and only now is it saying that the area is unfit for habitation.
Some accuse the mayor, Agostinho Ntauali, of lying because, during the 2003 local election campaign, when he was the candidate of the ruling Frelimo Party, he visited Chibuabuari to ask the residents to vote for him.
"So how can he now say he doesn't recognise this neighbourhood ? He's a swindler !", exclaimed one of those interviewed by "Diario de Mozambique".
Copyright © 2006 Agencia de Informacao de Mocambique.
All rights reserved.
Distributed by AllAfrica Global Media (allAfrica.com).

quinta-feira, 11 de janeiro de 2007

Moçambique e a corrupção...



Moçambique no grupo dos “maus da fita”.
Maputo (Canal de Moçambique) - Mais um relatório internacional pinta Moçambique de “negro” no tocante à governação e corrupção.
Num rol de 43 países, Moçambique é caracterizado como sendo “fraco” e “muito fraco” na sua qualidade de governação e de combate à corrupção pela «Global Integrity Report», uma organização não governamental internacional baseada nos Estados Unidos.
De acordo com o relatório ontem tornado público em Washington DC o Governo de Moçambique apesar de estar a propalar aos quatro ventos estar engajado na luta contra a corrupção, na prática nada tem feito para combater a tal corrupção.
“A corrupção continua impune. As medidas anti-corrupção não passam das palavras. Nunca são efectivamente aplicadas”, refere a dado passo o relatório que relaciona o fenómeno como sendo o resultado do envolvimento das elites políticas oriundas do partido Frelimo, no poder desde 1975, aliás, as mesmas elites que desenham as tais políticas anti-corrupção.
Não venha o diabo combater o inferno.
De acordo com o relatório o enriquecimento das actuais elites políticas resulta do saque e delapidação da banca que teve maior incidência na década 90.
A fonte estima que nessa altura mais de 400 milhões USD desapareceram do sistema bancário à favor dessas elites e que mais tarde tais valores viriam a ser pagos pelo Estado com fundos do erário público.
Em nenhum momento, defende o relatório, algum quadro sénior do Governo do partido Frelimo foi levado à Justiça indiciado de envolvimento nesse roubo.
O processo das privatizações de empresas estatais que segundo o relatório teve características fraudulentas é considerado uma outra fonte de enriquecimento das elites ligadas ao partido Frelimo.
De salientar que algumas empresas acabaram sendo privatizadas à favor de figuras que no passado haviam feito parte da sua direcção e que sob sua gestão havia entrado em falência.
O relatório é peremptório: A má governação e a impunidade dos corruptos resultam em grande medida pelo facto do partido Frelimo sobrepor-se ao Poder da máquina do Estado no país, num cenário em que tudo se confunde, não se sabendo, a cada momento, qual é o papel efectivo de determinado dignatário do Estado: Se de executivo, judicial, parlamentar, ou meramente partidário. Tudo depende das conveniências partidárias que no cenário moçambicano sobrepõem-se às demais não importando se as mesmas consubstanciam ilegalidades. O mais importante é o partido.
A «Global Integrity Report» no seu trabalho efectuado entre Junho e Dezembro de 2006 analisa o desempenho de 43 países, essencialmente em matéria de boa governação e combate à corrupção, no período compreendido entre Junho de 2005 e Maio de 2006.
Estabeleceu uma escala de classificação, de 0 à 100, donde, de 0 a 60 considera de “muito fraco”; 60-70 de “fraco”; 70-80 de de “moderado”; 80-90 de “forte” e de 90-100 de “muito forte”.
Moçambique ficou situado, na generalidade, com uma média de 60 tendo sido classificado de “fraco”.
Os aspectos que mais pesaram para a má classificação de Moçambique são entre outros a falta de transparência na condução de processos eleitorais; na concepção e aplicação do Orçamento Geral do Estado; no lançamento de concursos públicos.
Contribui ainda negativamente, segundo o relatório, a fraca separação efectiva dos poderes. Considera-se ainda no mesmo documento a falta de acesso dos cidadãos à informação como sendo outra mancha ao bom nome do país.
O estudo incidiu sobre os seguintes países: Argentina, Arménia, Azerbeijão, Benin, Brasil, Bulgária, Cambodja, República democrática do Congo; Egipto, Etiópia, Geórgia, Gana, Guatemala, Índia, Indonésia, Israel, Kenya, Kirquízia, Líbano, Libéria, México, Montenegro, Moçambique, Nepal, Nicarágua, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Roménia, Rússia, Senegal, Sérvia, Serra Leoa, África do Sul, Sudão, Tajikistão, Tanzania, Uganda, Estados Unidos, Vietnam, West Bank, Yemen e o Zimbabwe.
(João Chamusse)-Fonte: Canal de Mocambique

FORTIFICAÇÕES MILITARES DA ILHA DO IBO (parte 3).

Pelo interesse cultural, histórico, pelo valor intelectual do autor (Carlos Lopes Bento) e porque faz parte de Cabo Delgado, transcrevo continuando o "post" de 24/Novembro/2006FORTIFICAÇÕES MILITARES NA ILHA DO IBO, MOÇAMBIQUE
O FORTE DE SANTO ANTÓNIOPor Carlos Lopes Bento[1] - [1]- Administrador do concelho do Ibo, entre 1969 e 1972, doutorado em Ciências Sociais pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, da Universidade Técnica de Lisboa,. Antropólogo e Prof. Universitário. Na continuação do trabalho anterior que teve como objecto a Fortaleza de São João Baptista, ocupar-me-ei, hoje, da última fortificação construída pelos Portugueses, na ilha do Ibo:


O FORTE DE SANTO ANTÓNIO
Situado a SSE da Vila, o reduto (em Kimwani rituto por corruptela) de Santo António[1],sito na extremidade da Vila e perto da praia, está assente em pedra corálica, possuindo uma construção idêntica às duas outras fortificações.
De forma quase quadrada, mede 16,75 metros de frente e 17,35 metros de fundo, rondando a altura da muralha 1,93 metros e o parapeito 1,43 metros. No centro do forte eleva-se um baluarte com a altura de 3,5 metros, com as dimensões de 7,58 metros de frente e 7,64 metros de fundo. Deste local, onde estava um mastro destinado a içar a bandeira real, se avistavam as embarcações a grande distância e se transmitiam as ocorrências, através de sinais, à residência do Governador.

Fig I. - O Forte de S. António, com mastro, em 1929.
Crédito: Santos Rufino, Álbum nº8.

A sua construção e funções.Na opinião do novo Governador das Ilhas José António Caldas, que tomou posse em 2/6/1816, as alterações efectuadas no fortim de São José pareciam não ter resolvido o problema da defesa da Capital do território, sedeada na Ilha do Ibo, que continuava a ser nula "porque a fortaleza que aqui está não defende nem a entrada do porto nem a terra, apenas pode servir para recolher uma pequena parte de indivíduos da Vila".
De modo a minorar este grave problema e acalmar os moradores em pânico, sempre receosos de novos ataques por parte dos sakalava, aquela autoridade mandou construir, numa primeira fase, para protecção da povoação do Ibo, "três redutos de estacas e faxina, com artilharia, que cruzam os fogos de um a outro e com a fortaleza e para esse efeito tirou da fortaleza 12 peças para as guarnecer e evitar os acontecimentos de 1808 em que tudo ficou reduzido a cinzas e nem a Igreja escapou"[2].
Não satisfeito com este novo sistema de defesa, por ser muito frágil, o Governador optou por tornar a sua construção mais sólida e definitiva.
Como a segurança da Vila dependia de estar fortificado o passo em que se fez o reduto de Santo António, que era de estacas e de faxina[3], congemina um novo plano e informa o Capitão General ter consultado os habitantes da Vila, propondo-lhe que seria de grande utilidade e respeito fazer-se ali um forte de pedra e cal.
Por a Fazenda Real não dispor de verbas, nem tão pouco haver autorização para a realização desta obra, a mesma população aprovou, prontamente, a diligência "concorrendo todos para esta obra"[4], que teve início imediatamente. A pedra talhada utilizada na dita obra veio de uma casa que se fez demolir, e que, no passado, havia servido de cadeia pública da Vila[5].
A escolha da sua forma quadrada foi justificada pelo facto de ter de "defender 3 lados e outro também se precisa caso tenhamos a infelicidade do inimigo por algum descuido poder entrar"[6]. Esta pequena fortificação constituiria, nas palavras do Governador, uma flecha no intervalo da fortaleza e do forte que permitiria uma boa defesa para a ilha do Ibo, sem receio de poderem entrar os Sakalava[7].
A nova construção foi sancionada por Moçambique que incita o Governador José António Caldas que a planificou e mandou executar, "a concluir a obra no tempo de seu Governo para glória sua e benefício público, pois sua Magestade não deixará de remunerar este serviço"[8].
Em estado de adiantamento nos princípios do ano de 1819, viria a ser dada como acabada, nos meados desse mesmo ano, quando o dito Governador[9] terminou a sua primeira comissão.
Ainda que custeada a construção pela população ficaram por liquidar 843 cruzados em dinheiro e 40 alqueires de milho gastos no pagamento de pedreiros e serventes cativos, produto proveniente do rendimento da Alfândega, não remetido a Moçambique, mas, ilegalmente, depositado, por ordem do Governador, na mão de um particular, com o consentimento do respectivo Juiz[10]. Foi tudo o que se encontrou relativamente ao custo do forte de Santo António.
No frontispício deste pequeno forte encontra-se uma lápide cujos dizeres: "MANDADO FAZER EM 1847 POR T. V. N. FERRARI, GOV. DESTAS ILHAS", não estão de acordo com a realidade e terão induzido em erro muitos dos estudiosos(Teixeira Botelho, Gomes e Sousa, Ribeiro Torres, Leote de Rego, Amaro Monteiro e Pierre Verin, entre outros) que lhe dedicaram alguma atenção[11]. Em 1847 ter-se-ia procedido a grandes reparações, mas não à sua construção de raiz, realizada 30 anos antes, aproveitando-se o Governador Ferrari do facto para se glorificar e perpetuar a sua memória.
As discrepâncias de datas constatadas, relativamente às três fortificações construídas na ilha do Ibo, devem-se, principalmente, à falta de consulta, sistemática, das principais fontes documentais fidedignas( primárias e secundárias) e, ainda, ao facto de nem sempre haver a preocupação de confirmar ou desmentir os factos que serviram de base aos seus trabalhos, aceitando-os como verdadeiros e sem grandes cuidados de crítica e de análise.

Fig.II- O forte em 1972.
Crédito: Carlos Bento

A manutenção em estado razoável destas três obras fortificadas da ilha do Ibo continuava a preocupar as autoridades do Ibo, chegando mesmo a propor-se[12] que ao ajudante da Praça de São João deveria caber também as funções de conservador dos outros dois fortes.
As três fortificações acabadas de examinar, voltadas, essencialmente, para desenvolver e defender os interesses de Coroa portuguesa e dos seus representantes em Moçambique e, ainda, dos moradores das Ilhas pertencentes a uma classe social privilegiada, viriam, simultaneamente, a influenciar as estruturas sócio-culturais das várias formações sociais em contacto.
Pela primeira vez surgiram, na Ilha do Ibo, obras públicas, com carácter definitivo, que exigiam mão-de-obra diferenciada e abundante, trabalho assalariado, livre e escravo, que, viria a ter repercussões, quer a nível da sociedade escravocrata, quer da comunidade aldeã e das suas estruturas políticas, económicas e sociais, provocando novas clivagens sociais, novas formas de relacionamento e novas solidariedade sociais.
Contudo, face a novos condicionalismos geopolíticos, foram as mesmas, pouco a pouco, perdendo as principais funções, anteriormente referenciadas, que estiveram na base da sua edificação, passando a desempenhar outras como resultado da imposição de novas estruturas político-administrativas.
Embora com outras funções, estes bastiões da secular presença portuguesa não deixaram, no entanto, dadas as suas deficiências de construção, de continuar a criar consecutivos problemas de conservação, exigindo, para se manterem de pé, constantes reparações, nem sempre realizadas a tempo, e avultadas despesas poucas vezes disponíveis.
Como reconhecimento da sua grande importância na defesa e consolidação do domínio português nas Ilhas e terras adjacentes, constantemente ameaçado por forças inimigas que delas se queriam apoderar e pelo papel que desempenharam em relação ao restante espaço territorial moçambicano, as autoridades coloniais portuguesas, consideraram-nas, por Portaria de 3/4/1943, monumentos nacionais, deixando-as, à data da independência de Moçambique, em bom estado de conservação, constituindo já, então, importantes factores de atracção turística[13].
Durante os seus anos de existência, estes pontos fortificados da ilha do Ibo constituíram, conforme as circunstâncias, tanto de locais de defesa e protecção, no caso de ataques inimigos, como de instrumentos de coacção e de repressão, especialmente, dos elementos da população mais rebeldes à presença portuguesa e aos seus objectivos, valores e símbolos, considerados, ao tempo, como de imposição legítima e de reconhecimento internacional.
Actualmente, são obras militarmente insignificantes. Ainda que tenham perdido as suas primitivas funções, elas constituem complexos de cultura indispensáveis para compreender a evolução sócio-cultural das múltiplas comunidades humanas que se originaram, desenvolveram e transformaram numa vasta área, que se estende do Cabo da Boa Esperança até ao Oriente.
São um património cultural pertença de todos os cidadãos do Mundo, que é necessário conservar e doar às futuras gerações da Humanidade[14].
Serão, futuramente, de extraordinária importância no desenvolvimento turístico das Ilhas, que se avizinha e começa, no presente, a ser uma realidade palpável
Os meus sinceros agradecimentos ao grande amigo Jaime Luís Gabão pelo trabalho gráfico, que muito valorizou a presente análise e pela sua publicação.
Continuarei com o património construído, de carácter sagrado, levantado pela administração colonial portuguesa, especialmente, nas ilhas do Ibo de Querimba.


BIBLIOGRAFIACartografia manuscrita do AHU
Nº 513 - Plano e perfil da Fortaleza que o IIImº e Exmo. Snr. Governador, Capitão General de Mossambique, António Manuel de Melo e Castro, mandou fazer na Ilha do Ibo, Capital das de Cabo Delgado, que dezenhou por ordem do mesmo Snr. o Cappitão da Primeira Companhia de Granadeiros da Praça de Mossambique António José Teixeira Tigre (c. 1791).
Nas 524-525 - Planta do forte velho da Ilha do Oybo, Capital das de Cabo Delgado/Planta A (tem legenda, c. 1791).
Nº 560 - Planta/Da Fortaleza/De São João da Ilha/do Oibo, com Legenda/levantada em Maio de 1817/Pelo Capitão de Artilharia/António Francisco/de Paula e Hollanda Cavalcanti. [Petipé de] 30 braças [e de] "30 pés"; D. 367x236; MS; Color; Av.
Nº 561 - Planta/de Hüa parte da Costa/da Capitania de Cabo Delgado/Na África Oriental, compreendendo uma parte da costa de Querimba e a/Ilha do Oibo, da dita Capitania, cõ/a Discripção da sua barra tirada em Mayo/de 1817 pelo Capitão de Artilharia António/Francisco de Paula e Hollanda Cavalcanti (com legenda, D. 778x610mm, Color, Av).
Nº 566 - Planta da Fortaleza de São João do Ibo das Ilhas de Cabo Delgado, tirada em 6 de Julho de 1831/oferecida a correcção do IIImº e Exmo. Snr. José Miguel de Brito Governador e Capitão General/da Capitania de Moçambique. Petipé de 32 paços, de 24 polegadas cada hum"; D. 450x388 mm; MS; Av.


ImpressaNº 181 - Planta do Forte Velho da Ilha do Ibo, Capital de Cabo Delgado. 0,245x0,390, colorida. Ver Ofício do Governador António Manuel de Melo e Castro, datado de Moçambique, 22/8/1791. Enc. VIII.
Nº 183 - Planta da Fortaleza de São João da Ilha do Ibo. Levantada em 1817, pelo Capitão de Artilharia António Francisco de Paula e Hollanda Cavalcanti. 0,368x0,495, colorida.
Nº 184 - Planta da Fortaleza de São João do Ibo das Ilhas de Cabo Delgado. Tirada em 6/7/1831 e oferecida à Correcção do Governador e Capitão General da Capitania de Moçambique Paulo José Miguel de Brito. 0,330x0,330. Av.
SERPA PINTO e CARDOSO, Augusto - Expedição Científica Pinheiro Chagas - 1884-85. nº 1 Matibane, nº 2 Porto Bocage, nº 3 Porto Andrieta, nº 4 Fernando Veloso, Memba - Samuco, nº 5 Terras de Luli, nº 6 à volta de Pemba, nº 7 Ibo e terras vizinhas, nº 8 Ilha do Ibo, nº 9 Planta cotada do Ibo. 9 mapas manuscritos, coloridos, a papel vegetal (S.G.L.).
VILHENA, Ernesto Jardim - Carta dos Territórios da Concessão da Companhia do Nyassa. Lisboa, 1904. Escala: 1:750.000 (S.G.L.).


Especifica das Ilhas
ALVES, Carlos- BENTO, Carlos Lopes "(As) Fortalezas do Ibo". In Revista Militar, 1932. Lisboa, Ano LXXXIV, nas 7-8, p.p. 461-464.
- "Conheça o Ibo". In Notícias da Beira, de 7/3/1972 e Revista Mensal Sonap, Maio/Junho, 1972.
- "Ilha do Ibo - A velha capital do arquipélago das Quirimbas". In Notícias - Natal 1972, pp. 133 - 136.
- "Importância e Contribuição das Ilhas Querimbas para a Fundação de Porto Amélia". In Diário da Beira, de 8/12/1973, 3º Caderno.
- Padrões de Cultura Portuguesa em África - As ilhas do Ibo e de Querimba. Comunicação apresentada em 21/11/1980 na Secção de Etnografia da S.G.L..
- "Os Wamwane do Ibo e a Formação da sua Cultura". In Boletim da S.G.L., 1981, 100ª Série, nas 1-12, Janeiro/Junho, p. 250.
- "A África Oriental Portuguesa no tempo do Marquês de Pombal - As Ilhas de Querimba ou Cabo Delgado". In Boletim da S.G.L., 1983, 101ª Série, nº 16, Janeiro/Junho, p.p. 255-257.
- "As Fortificações de alguns dos seus portos de escala (séc. XVI - XIX)". In Secção de Etnografia da S.G.L., em 1989, Boletim Série 107, nº 1 - 6, Jan. 89, pp. 99 - 113.
- "A Posição Geopolítica e Estratégica das Ilhas de Querimba - As fortificações de alguns dos seus portos de escala (secs. XVI- -XIX)". In I Reunião de Arqueologia e História Pré-Colonial, realizada de 23 a 26 de Outubro de 1989 Leba, Lisboa, nº 7, 1992, pp. 325-339.
- "La Femme mwane et la Familie - Étude quantitatif de quelques comportements des femmes de l'iles d'Ibo". In Revista 'Garcia de Orta', Série Antropologia. Lisboa, Vol. VI (1 e 2), 1989/90, p.p. 21-25 (Comunicação apresentada no XII Congresso de Ciências Antropológicas e Etnológicas, realizado em Zagreb, entre 24 e 31 de Julho de 1988).
- “Contactos de Cultura Pós- Gâmica na Costa Oriental de África. O Estudo de um Caso Concreto”, in Revista de Estudos Políticos e Sociais, ISCSP, Lisboa, 2000, p. 119-126.
- “Ambiente, Cultura e Navegação nas Ilhas de Querimba- Embarcações, Marinheiros e Artes de Navegar” in Boletim da S.G.L., Série 119ª- Nºs 1-12, Janeiro-Dezembro-2001, p. 83-121.
-“A Ilha do Ibo: Gentes e Culturas-Ritos de passagem” in Separata de Estudos Políticos e Sociais, ISCSP, 2001, Vol. XXIII, nºs 1-4, Lisboa, 2001, p. 121- 167.
BOCARRO, António-"Descripção das Ilhas de Querimba". In Livro de todas as Plantas. Arquivo Oriental Português, 1600-1699, Vol. II, Parte I, p.p. 40 e 41.
BOXER,C.R. - "The Querimba Islands in 1744". In Separata da Studia, Revista Semestral, nº 11, Janeiro, 1963, p.p. 343-352.
CILINDO, António da Câmara - "Quissanga - Usos e Costumes". In Relatórios e Informações. Anexo ao Boletim Oficial do Ano de 1910, p.p. 210-219.
CÓDIGO de Posturas do Concelho de Cabo Delgado (19/1/1894). Lourenço Marques, I.N.M., 1894.
"COMÉRCIO das Ilhas Querimbas", In Guia para o Negócio da India e África Oriental ..., 1777, p. 110.
COMPANHIA DO NYASSA - Relatórios de 1895-1933. 3 Vols..
CONCEIÇÃO, António da Conceição, Entre o Mar e a Terra- Situações Identitárias do Norte de Moçambique(cabo Delgado). Maputo, PROMÈDIA, 2006, p. 320+ Mapas.
CUNHA, Santana Sebastião (Padre)- Notícias Históricas dos Trabalhos de Evangelização nos Territórios do Niassa. Bastorá, Tipografia Rangel, 1934, p.p. 67.
DINIZ, Carlos (Capitão de Fragata) - Informações sobre a Costa Norte de Moçambique. Lisboa, I.N., 1890, p.p. 28.
DIOGO, Domingos Barreira - "Para a História dos Territórios do Nyassa". Ibo, In Quinzenário Eco do Nyassa, nº 2, de 15/3/1919, e segts..
DOMINGUES, Francisco Paula Castro - "Relatório do Governador de Cabo Delgado" (18/4/1865). In Anais do Conselho Ultramarino, 1866-67, 7ª Série, parte não oficial, p.p. 100 e 101.
EICHARD, Sylvain A. - "(La) Cote Orientale d'Afrique. Le Delta du Roufidji. Le Cap Delgado. LES ILES KERIMBA. MOZAMBIQUE. LES ILES BAZAROUTO. BEIRA". In Bulletin de la Societé de Geographie de Lille, 1904. Lille, Tomme 41, nº 6, p.p. 365-381 e 1 mapa.
GERARDS, Constantino (Padre) - Costumes e Vida do Povo Emetto (Apontamentos Etnográficos Reunidos e Traduzidos pelo Padre Norte). Porto Amélia, 1970.
- Algumas Datas e Factos Acerca das Ilhas de Querimba mais tarde designadas por Ilhas de Cabo Delgado (Policopiado). Ibo, Compilação da Administração do Concelho, sem data, p.p. 25. (Encontra-se cópia nesta Administração).
HUIBREGTSE, P. K. - "Dans l'Archipel de la Quirimba". In Geographica - Revista da S.G.L.. Lisboa, 1971, Ano VII, nº 27, p.p. 87-98, com estampa e gravuras.
MONTEIRO, Fernando Amaro e VERIN, Pierre - "Sites et Monuments de Madagascaret de l'Océan Indian - Notes sur Ibo, Ville du Mozambique attaquée par les Sakalava". In Bulletin de Madagascar, Octobre/Novembre, 1970, nas 293 e 294, p.p. 187-189, mapa e foto.
MONTEZ, Caetano de Carvalho - "O Reduto de Pemba". In Moçambique - Documentário Trimestral, 1954. Lourenço Marques, Ano XX, nº 79, p.p. 71-78.
OLIVEIRA, Mário Baptista de (administrador) - Monografia sobre a Ilha do Ibo. Ibo, 1962, p.p.223 (dactilografada).
PEREIRA, Luís F. Conceição - A criação da Alfândega da Ilha do Ibo e a Contribuição das Ilhas para o Comércio e a Vida de Moçambique no século XVII. Coimbra, Dissertação de Licenciatura, policopiada, 1970, p.p 107 e anexos.
PERRY DA CAMARA, Pedro de Ornelas (major) - "Distrito de Cabo Delgado"(com uma planta da vila do Ibo). In Boletim da S.G.L., I.N., 1886, 6ª Série, nº 2, p.p. 67-115.
PORTUGAL, Joaquim José da Costa - "Notícia da Situação das Ilhas de Cabo Delgado", de 26/7/1781. Lisboa, B.N., Man. Vermelho, p.p. 273 e In Anais da Junta das Missões Geográficas e de Investigações Coloniais, 1954, Vol. IX, Tomo I, p.p. 275-280.
ROMERO, Jerónimo - "Memória Acerca do Distrito de Cabo Delgado". In Anais do Conselho Ultramarino, parte não oficial, Janeiro, 1856, p.p. 211-222.
- Suplemento à Memória Descriptiva e Estatística do Distrito de Cabo Delgado, com uma Notícia Acerca do Estabelecimento da Colónia de Pemba. Lisboa, Tipografia Universal, 1860, p.p. 164, 1 mapa; também publicado pela I.N..
SERPA PINTO, A. e CARDOSO, Augusto - Diário da Expedição Científica Pinheiro Chagas - Do Ibo ao Nyassa. Lisboa, S.G.L., Manuscrito Reservado de 10 fls. (146-B-27), 1885 e Boletim Oficial de Moçambique, nº 42, de 17/10/1885, p.p. 335-342.
SOUSA, A. Gomes e - "As Ilhas Quirimbas". In B.S.E.M., Ano XXIX, nº 122, Maio/Junho, 1960, p.p. 127-478.
SOUSA, Luís Salvador Francisco do Rosário e (cónego) - "Relatório da Paróquia de São João Baptista da Vila do Ibo". In Boletim da S.G.L., 14ª Série, nas 7 e 8, I.N., 1895, p.p. 697-728 e Manuscrito Reservado, nº 2, Maço 3-42, com 25 fls., daquela mesma Sociedade.
- "As Ilhas de Quirimba". In Moçambique - Documentário Trimestral, nº 12, Outubro/Dezembro, 1937, p.p. 107-111.
- "Os Portugueses e as Ilhas de Querimba". In Moçambique - Documentário Trimestral, nº 15, Julho/Setembro, 1938, p.p. 71-85.
VILHENA, Ernesto Jardim de - Relatórios e Memórias sobre os Territórios da Companhia do Nyassa. Lisboa, A. Editora, 1905, pp. 441.
VITTO, João- Notícias que dá João Vitto das Ilhas de Cabo Delgado. Lisboa, A.C.L., Manuscritos Reservados Vermelhos, nº 273, 1778, p.p. 14.


De Moçambique
"Livro das Plantas de todas as Fortalezas, Cidades e Povoações do Estado da Índia Oriental". Lisboa, IN,1992, 3 Vol. anotados por Isabel Cid, e também In Arquivo Português Oriental, de BRAGANÇA, A. B. de (1600-1699), Tomo IV, Vol. II, Parte I, 1938, p.p. 89-216.
BOCARRO, António - Fortalezas Portuguesas de África. Lisboa, B.N., Reservados, Códice 11057, 1634.
REGO, Jaime Daniel Leote do - Guia de Navegação do Canal de Moçambique. Lisboa, I.N., 1904.
REIMÃO, Gaspar Ferreira - Roteiro da Navegação e Carreiras da Índia, com os seus Caminhos, e Derrotas, Sinais ... (25/3/1600), tirado do que escreveu Vicente Rodrigues e Diogo Afonso, pilotos antigos, agora novamente acrescentado, por Gaspar Ferreira Reimão ... piloto-mor destes Reinos de Portugal. Lisboa, B.N., Códice 1333, 1612 e A.G.C., 2ª Edição, Códice 1939.
REIMÃO, Gaspar Ferreira - Roteiro da Navegação e Carreiras da Índia, com os seus Caminhos, e Derrotas, Sinais ... (25/3/1600), tirado do que escreveu Vicente Rodrigues e Diogo Afonso, pilotos antigos, agora novamente acrescentado, por Gaspar Ferreira Reimão ... piloto-mor destes Reinos de Portugal. Lisboa, B.N., Códice 1333, 1612 e A.G.C., 2ª Edição, Códice 1939.
RUFINO, José dos Santos, Álbuns de fotográficos e Descritivos da Colónia de Moçambique. Vol. VIII- Distritos de Tete e Territórios de Cabo Delgado(Nyassa), 1929. p. 82.
SANTOS, Frei João dos - Etiópia Oriental. Lisboa, Livrarias Clássicas, 1891, 2 Vols..
AHU


-Documentação Avulsa sobre Moçambique.
-Códice 1478
Dicionários e Enciclopédias


A Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol. XIII.


Na NETBENTO, CARLOS Lopes,
As Ilhas de Querimba ou de Cabo Delgado
Situação Colonial, Resistências e Mudanças(1742-1822)
Memórias das Ilhas de Querimba. Transformações no Bairro Rururbano da Ilha do Ibo(1969-1972):
Mogincual, suas Terras e Gentes
Achegas Para a sua Etno-Socio-Historia:
[1]- A Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol. XIII, p. 452, apresenta uma figura deste forte com a denominação de "Forte de São João Baptista".
[2]- A.H.U., Doc. Av. Moç., Cx. 151, Doc. 101, Carta nº 541, de 3/12/1816, do Cap. das Ilhas José António Caldas para o Cap. Gen..
[3]- Idem, Códice 1478, fls. 268v, Carta de 11/3/1818, do Cap. das Ilhas para o Cap. Gen.. Nesta data estavam aí instaladas 7 peças de artilharia.
[4]- Idem, Ibid, Cx. 160, Doc. 42, Carta nº 584, de 9/11/1818, do Cap. das Ilhas para o Cap. Gen., também no Códice 1478, fls. 276. Nesta data a obra já estava principiada e já tinha cheios os alicerces de 2 cortinas.
[5]- Idem, Ibid, Cx. 160, Doc. 42, Carta nº 612, de 10/11/1819, do Cap. das Ilhas para o Cap. Gen..
[6]- Idem, Ibid, Carta nº 584, cit...
[7]- A.H.U., Doc. Av. Moç., Cx. 161, Doc. 74, Carta nº 601, de 20/2/1819, do Cap. das Ilhas para o Cap. Gen.
[8]- Idem, Códice 1478, Carta de 5/12/1818, fls. 278, do Cap. Gen. para o Cap. das Ilhas.
[9]- Idem, Doc. Av. Moç., Cx. 160, Doc. 42, Carta nº 612, cit. e Códice 1485, fls. 39 e 40.
[10]- Idem, Ibid, Carta nº 612, cit. e Cx. 168, Doc. 4, Carta nº 309, de 5/3/1820, do Cap. das Ilhas para o Cap. Gen..
[11]- Inclusive o autor deste trabalho que aceitou, durante a sua estada no Ibo, os factos sem os submeter a comprovação.
[12]- A.H.U., Doc. Av. Moç., Cx. 162, Doc. 8, Carta nº 600, de 9/3/1819, do Cap. das Ilhas para o Cap. Gen.. Propõe-se então para tal desempenho o sargento da companhia.
[13]- Durante a sua estadia nas Ilhas, o autor deste trabalho constatou que as referidas fortificações, pela sua imponência e beleza, constituíam para as muitas centenas de estrangeiros que as visitavam motivos históricos-culturais de grande admiração.
[14]- Para mais informação consultar o cap. VIII da minha tese de doutoramento.