quarta-feira, 19 de março de 2008

China - A destruição do meio ambiente no "paraíso" do desenvolvimento económico e da "liberdade"...

Mais de 750 mil chineses morrem anualmente por causa da poluição do ar.
.
O "Observador" Nº 0173 - Maputo - Terça-feira 18 de Março de 2008 - Por ano, 750 mil pessoas morrem prematuramente na China por causa da poluição do ar, de acordo com dados do Banco Mundial. O país asiático é o mais populoso do mundo, com cerca de 1,3 bilhão de habitantes. Só a capital, Pequim, responde por 17,2 milhões das pessoas e uma boa parcela da estatística de mortalidade. A cidade que abrigará a Olimpíada em Agosto deste ano é a que tem o ar mais poluído da Ásia, segundo o Banco de Desenvolvimento Asiático. Lá, em média, o índice de qualidade do ar chega próximo dos 142 microgramas de partículas por metro cúbico de poeira de poluição, quase três vezes o limite máximo que a Organização Mundial de Saúde (OMS) considera seguro (50). Em dias isolados de 2006, ano da pesquisa, o índice chegou a 300, com pedidos para que a população não saísse de casa. Esses dados são o principal motivo para a polémica instaurada às vésperas dos Jogos na China, que culminou com o anúncio do fundista Haile Gebrselassie, desistindo de participar da maratona, prova da qual é o recordista mundial. “A poluição na China é uma ameaça à minha saúde e seria difícil para mim correr 42 km na minha actual condição”, justificou Gebrselassie, que, como uma parcela dos atletas, sofre de asma. Antes da desistência oficial do corredor etíope, Estados Unidos e Inglaterra avisaram que estavam pensando em fazer os seus atletas utilizarem máscaras até minutos antes do início das provas. Até o Comité Olímpico Internacional (COI) acenou com a possibilidade de transferir as corridas mais longas ao ar livre - no caso a própria maratona e as longas competições de ciclismo de rua - dependendo da qualidade do ar no dia.

Nenhum comentário: