terça-feira, 22 de abril de 2008

Os pecados da "sagrada família" em Moçimboa da Praia

Em Mocimboa da Praia Frelimo confisca material de jornalista.
.
O SNJ, que três dias antes celebrou os trinta anos da sua existência e até ofereceu um diploma de honra ao presidente da Frelimo(?), repudia o acto da «Sagrada Família».
.
Maputo (Canal de Moçambique) – Dois membros do Comité Distrital do Partido Frelimo, em Mocimboa da Praia, na Província de Cabo Delgado, num acto típico do «quero, posso e mando», confiscaram, no passado dia 14 de Abril, "um bloco de notas, cassetes áudio e gravador" do jornalista Pedro Rafael, afecto à Rádio Televisão comunitária de Mueda, refere um comunicado do Sindicato Nacional dos Jornalistas (SNJ). Aquele jornalista ter-se-ia deslocado para aquele distrito para reportagem rotineira e em passagem por um local onde decorria uma reunião pública promovida pelo partido Frelimo. Foi o seu pecado. E logo uma reunião promovida pelo Comité Central... (até o voo da LAM que vinha de Pemba na quarta-feira passada teve que esperar na pista trinta minutos pelos membros do CC)… De acordo com a nota do Secretario Executivo do SNJ, antes de ser confiscado o material de Pedro Rafael, este foi ameaçado e forçado a "os seguir e a um alegado interrogatório fora do local do comício". "Duas horas depois do sucedido", prossegue a nota de repúdio à violação da Lei de Imprensa emitida pelo SNJ, "o equipamento confiscado foi devolvido ao repórter". Este acto de «quero, posso e mando», ocorreu três dias depois de o SJN ter comemorado 30 anos da sua existência. A celebração de efeméride, bastante pomposa, decorreu nas instalações do grupo MBS e o presidente da República e o Partido Frelimo foram agraciados com «diplomas de honra». A atitude do partido Frelimo em Mocimboa da Praia, também conhecido como a «sagrada família» fere a Lei de Imprensa em vigor no país – 18/91 – mais concretamente os artigos 27 (direitos dos jornalistas no exercício da sua função), e 29 (livre acesso às fontes de informação). Serve ainda de referência dizer que o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Jornalistas (SNJ) é simultaneamente chefe da redacção da Rádio Moçambique. O «Canal de Moçambique» tentou contactar o secretário- geral do partido Frelimo, Filipe Paúnde, afim de lhe dar oportunidade de explicar esta prática que se pensava ultrapassada e conforme aqui se regista está de volta ao País.
Luís Nhachote, 2008-04-21.

Nenhum comentário: