terça-feira, 26 de agosto de 2008

Ex-Combatentes do Ultramar - Ignorados, desconhecidos, desprezados e agora também abandonados!

(Clique na imagem para ampliar. Imagem original daqui.)
.
Envolvido por uma juventude vivenciada em Pemba-Moçambique-colónia, recebo diáriamente o news letter de um portal - "Guerra do Ultramar" onde se fala e tenta manter viva a memória e a HISTÓRIA de muitos heróis de uma guerra acontecida no ex-ultramar português até Abril de 1975.
Normalmente, as nações, colocando de lado ideais políticos de esquerda ou direita, reverenciam, homenageiam, respeitam, prestigiam e acarinham com destaque, porque são exemplos que honram, enobrecem e fazem parte da HISTÓRIA, seus ex-combatentes, seus heróis sofridos, mutilados, arruinados psicológica e fisicamente, quando vivos, assim como cuidam das campas e protegem as famílias dos que morreram com glória e coragem em defesa da Pátria.
Lamentávelmente, parece que isso não vem acontecendo no Portugal de agora, onde, segundo leio e vejo no portal referido acima e na reportagem do passado dia 10 de Agosto do diário português "Correio da Manhã" que transcrevo em parte devido à extensão do texto, mas que poderá ser lido integralmente aqui, os heróis portugueses da antiga guerra do ultramar vivem o presente do culminar de suas vidas, nas ruas da amargura e do abandono que envergonha e humilha. Pois aqui fica:
.
10 Agosto 2008 - 00h00 - Ultramar - A luta na rua.
Ser sem-abrigo é estar na condição de alguém que esgotou todos os recursos para resolver as vicissitudes da vida. É uma luta inglória que cerca de 200 veteranos da Guerra do Ultramar vivem hoje, apesar de a esta terem sobrevivido. Vale-lhes a caridade.
É preciso coragem para viver duas guerras: a de ter combatido no Ultramar e a de ser sem-abrigo. Deitado colado à montra do posto dos Correios da rua dos Caminhos de Ferro, junto a Santa Apolónia, Lisboa, repousa um antigo primeiro-cabo na Guerra Colonial hoje sem morada para receber correspondência. José Freitas foi obrigado a defender a pátria em Angola. Como ele, combateram cerca de 1,2 milhões de efectivos, dos quais 700 mil estão vivos. Quase dez mil morreram em batalha e têm os nomes inscritos no Monumento ao Combatente, perto da Torre de Belém. Regressaram 30 mil com o corpo ferido, deficiente. Pela cabeça de metade passam traumas e stress de guerra. Estima-se, por fim, que 200 sejam sem-abrigo – mas quem cuida destes?
Todas as noites há rondas da Comunidade Vida e Paz – e de outras instituições – na rotina dos sem-abrigo de Lisboa. Por ser Verão basta um saco-cama para enrolar José Freitas.
'Vim parar à rua porque sou da rua', diz, emocionado. 'Não tenho rendimento mínimo, não tenho nada. O que tenho é de arrumar carros.' O seu corpo está visivelmente debilitado. Muito magro.
'A única memória que tenho da guerra é que fui para a mata no Toto. Estive ali 17 meses até que saí para Luanda onde ia embarcar, mas fiquei lá sete meses', recorda, levantando a manga para mostrar a tatuagem. As suas palavras são vagas. E estas são as curtas memórias que se podem ouvir de José quando fala deste período da sua vida, entre 1972 e 74. 'Não sofro com nada, só que gosto de andar sozinho. Tenho muitos amigos – e aponta para os dois sem-abrigo ao seu lado – só que, às vezes, gosto que não falem comigo' – afirma. Depois, confessa que 'antes de ir para a tropa não era assim'. Dizem os técnicos que o acompanham que nos últimos dez anos se tem degradado física e emocionalmente – é o alcoolismo.
Não é fácil fazer com que um sem-abrigo conte o que se passou na tropa. António Bengaló, 63 anos, era o soldado 33 446 em Moçambique. Embarcou em 1965 e regressou, precisa, a 14 de Março de 68. 'A mágoa que sinto é uma coisa muito íntima. Acredito que haja muitos [ex-combatentes] que se façam de malucos só por interesse.' Mas este não aceita essa ‘alcunha’. 'Estive um ano na Zambézia. Não havia lá guerra nenhuma. No Sul havia a chamada guerra subversiva e no Norte é que já havia zona de combate. Quando fui para aí lembro-me de um rapaz que era alcunhado de ‘Alho’ – até parece que o estou a ver – e havia outro rapazola perto de nós que com um estilhaço na garganta morreu aos meus pés...'
As pernas de António já fraquejam. Garante que não é alcoólico e que só ganha 180 euros do Rendimento Social de Inserção. Servem para pagar o quarto. Alimentação é o que lhe vai aparecendo com o apoio aos sem-abrigo. 'Já sei que não sou desprezado.' Pelo menos diz isso porque exclui a família. Da mulher divorciou-se e 'os filhos aproveitam a deixa para ser livres e, depois, o velho não presta para nada.' Da profissão de dourador (trabalho com peças antigas de sacristia) e, depois do 25 de Abril, de pintor da construção civil, ainda não recebe qualquer reforma... ...
- A reportagem na íntegra no "Correio da Manhã"!

  • Guerra do Ultramar: Guerra na Rua - Aqui!


  • Combatentes mortos na guerra colonial... - Aqui!


  • retornados de África; A mancha que não se apaga - Aqui!

E, é bom lembrar aos "senhores do agora", que a HISTÓRIA se fará. E não perdoará quem não a respeita nem honra!

3 comentários:

Dylan disse...

"Lembrar os bravos"

É inaceitável ver o desprezo a que estão votados alguns dos ex-combatentes da Guerra Colonial.

Muitos vivem nas ruas e sofrem de problemas sociais graves como o alcoolismo e a toxicodependência aliadas a disfunções emocionais onde os traumas passados estão bem presentes. Arrepia pensar que poderia ser um dos nossos familiares a participar nesta "missão especial" colonialista que, apesar de não lhes dizer respeito, viram as suas vidas interrompidas sem o respectivo reconhecimento por parte do País que os enviou para o inferno. Por uma questão de dignidade, pois não são simples despojos, o Estado deve dar maior apoio social a estes bravos bem como executar a trasladação dos restos mortais de outros combatentes.

http://dylans.blogs.sapo.pt/

gotaelbr disse...

Obrigado pelo post e apoio aos militares portugueses que combateram em África.
Saudações.

Anônimo disse...

Companhia de Eng. 3336 (Angola)

Para saber mais:

http://www.ceng3336.webs.com/