sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Portugal - O regresso dos soldados mortos... Cena 2 !

Citei aqui em 21 de Novembro último!
Leio agora na "Visão-Últimas notícias" que o mesmo autarca português citado anteriormente resgata os corpos dos dois combatentes mortos na guerra colonial.

Espera-se que não seja mais uma forma de promoção ou evidência política na mídia. Que se resguarde com respeito, com dignidade e recato a memória desses dois heróis.

E que "quem de direito" em Portugal, coloque a mão na consciência e sinta VERGONHA pelo desprezo sistemáticamente oferecido aos antigos heróis combatentes da guerra colonial e suas degradadas sepulturas espalhadas em cemitérios africanos!

""Maputo, 12 Dez (Lusa) - Três semanas depois de chegar a Moçambique, o autarca António Marques pode declarar "missão cumprida" ao levar com ele, de regresso a Portugal, os restos mortais de dois militares portugueses mortos em combate há mais de 35 anos.

Ao alcançar o objectivo com que se tinha comprometido junto dos familiares do soldado Ernesto Dias e do primeiro-cabo Aníbal Santos, o presidente da Junta de Freguesia de São Miguel de Outeiro (Tondela) cumpre um segundo "feito": transladar pela primeira vez para Portugal dois antigos militares mortos em combate em Moçambique.

"Sinto-me orgulhoso por ter conseguido alcançar este objectivo e dar à família uma coisa por que estava há muito à espera", disse, em declarações à Agência Lusa, no local onde duas caixas de madeira, contendo as urnas e as lápides funerárias dos dois "rapazes da aldeia", aguardam para serem embarcados sábado para Portugal.

O autarca e empresário natural de Viseu, que prepara há dois anos esta iniciativa, chegou a Moçambique no início de Dezembro "sem dados nenhuns novos" sobre o estado em que se encontravam os restos mortais dos dois militares e rumo a Mueda e Cuamba, no extremo norte do país, onde estavam as sepulturas.

Durante duas semanas comeu "bolachas e água", preencheu "todos os requerimentos em nome pessoal" junto das autoridades locais, cuja colaboração enaltece.

"Encontrei-me sozinho e tive que resolver todos os problemas. Felizmente as autoridades de Cuamba e Mueda foram espectaculares", sublinhou, lamentando aquilo a que assistiu.

"O cemitério em Mueda é uma vergonha autêntica. As campas estão no meio do mato. Senti-me envergonhado e triste quando cheguei ao cemitério de Mueda", relatou.

Em contraste, o autarca não poupa a ausência das autoridades portuguesas numa iniciativa que "custou mais de 10 mil euros" e teve que ser suportada por familiares, amigos, empresas e pelos cofres municipais e da junta.

"Sinto-me revoltado. Era dever do governo português auxiliar ou mesmo suportar tudo isto. Porque eles não vieram para aqui voluntários, foram obrigados a vir. Só assim é que o governo português cumpria a sua obrigação", afirmou, acrescentando: "Tratei de tudo sozinho, directamente com a funerária."

António Marques espera, por isso, que as autoridades portuguesas "colaborem e venham buscar o resto" dos militares sepultados no norte de Moçambique "numa situação péssima e vergonhosa para o país".

No domingo os restos mortais dos dois antigos militares vão ser sepultados em São Miguel de Outeiro, acto que será antecedido de cerimónias militares no Regimento de Infantaria 14 de Viseu, a que Ernesto Dias e Aníbal Santos pertenciam.""
PGF. - Lusa


  • Outros post's deste blogue sobre a guerra colonial na antiga África portuguesa e seus combatentes - Aqui!

2 comentários:

B.A. disse...

Ou de como um Estado se vem demitindo da sua dívida para com uma geração que mandou lutar em nome da Pátria e que é substituído na sua obrigação de, no mínimo, respeitar as vitimas desse dever, por iniciativas individuais e degarradas.
O nosso espeito eterno pelos mortos e um obrigado ao autarca beirão que tomou a iniciativa.
B.A.

Anônimo disse...

Na ausência omissa do Estado aparece um Munícipio para tentar restaurar o respeito pelos restos mortais e memória dos Heróis da guerra do ultramar colonial.
Sim. É de louvar, mas temos de ficar atentos, pois político(salvo honrosas mas escassas excepções que se conhecem)normalmente não "da ponto sem nó"...
Comprimentos e parabéns pelo artigo
Sousa Tavares