terça-feira, 13 de janeiro de 2009

CPLP - António Russo Dias, 65 anos, natural de Pemba é embaixador permanente de Portugal.

CPLP: Portugal e Timor-Leste passaram a ter embaixadores permanentes - Lisboa, 13 Jan (Lusa) - Os novos embaixadores residentes de Portugal e Timor-Leste junto da CPLP apresentaram hoje as cartas credenciais ao secretário-executivo da comunidade, elevando para quatro os Estados com representação diplomática permanente na organização, após Brasil e Guiné-Bissau.

José Barreto Martins, 47 anos, natural de Bobonaro (oeste), é o chefe da missão de Timor-Leste, enquanto António Russo Dias, na carreira diplomática há mais de três décadas, foi nomeado responsável pelo acompanhamento dos assuntos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), cuja missão deverá ser criada em breve.

Timor-Leste e Portugal juntam-se assim ao Brasil e à Guiné-Bissau, que nomearam respectivamente os embaixadores Lauro Moreira, em Julho de 2006, e Apolinário Mendes de Carvalho, em Outubro de 2007, como chefes da missão diplomática permanente junto da organização lusófona.

Em declarações à Agência Lusa, o secretário-executivo da CPLP, Domingos Simões Pereira, afirmou que a comunidade deu hoje "mais um passo" para uma maior colaboração e integração dos "oito", sublinhando a necessidade de a organização contar com representações diplomáticas de todos os Estados membros.

"Tem havido uma tendência para a criação de embaixadas juntos da CPLP, o que demonstra a importância e o crescimento da organização. Angola deverá fazê-lo em breve e aguardam-se as decisões dos (governos dos) restantes três países (Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe)", sublinhou Simões Pereira.

Em declarações à Lusa, tanto Barreto Martins como Russo Dias manifestaram o "interesse e empenho" que os respectivos governos dão à CPLP, com o diplomata português a lembrar que a sua nomeação, feita pelo chefe da diplomacia portuguesa, Luís Amado, em Novembro de 2008, surge numa altura em que Portugal preside à comunidade.

José Barreto Martins é formado em Teologia pela Universidade Católica de Lisboa e em Filosófico-Humanistas pelo pólo da mesma universidade em Braga, tendo efectuado ainda uma pós-graduação em Educação na Supervisão Pedagógica no Ensino do Português na universidade do Minho.

Antes de ser nomeado embaixador junto da CPLP, era professor da Cooperação Portuguesa em Timor-Leste.

Por seu lado, António Russo Dias, 65 anos, natural de Pemba (ex-Porto Amélia, em Moçambique), iniciou a carreira diplomática há mais de 30 anos no Ministério dos Negócios Estrangeiros, tendo desempenhado, em meados da década de 1990 as funções de vice-presidente do então Instituto da Cooperação Portuguesa (ICP), actual Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD).

Desde então, esteve colocado sucessivamente como embaixador na Guiné-Bissau, onde "apanhou" o conflito militar de 1998/99 naquele país, tendo seguido depois para Belgrado (Sérvia) e Skopie (Macedónia) e, em 2005, abriu a primeira embaixada de Portugal em La Valletta (Malta), onde se encontrava antes do cargo junto da CPLP.
- JSD. - Lusa (Notícias SAPO).

Nenhum comentário: