quinta-feira, 18 de outubro de 2007

ANIVERSÁRIO DE PEMBA.

(Imagem daqui)
Pemba completa hoje 49 anos
A cidade de Pemba completa hoje 49 anos desde que foi elevada a esta categoria, em 1958, por Decreto-Lei de 18 de Outubro do Governo-Geral da então Província Ultramarina de Moçambique, depois de em 1934 ter ascendido à categoria de vila, por Portaria de 19 de Dezembro.
Do programa previsto para as comemorações conta-se o lançamento das festividades das “bodas de ouro”, a assinalar no próximo ano, cuja preparação, segundo a edilidade, deve começar hoje, para que a celebração venha a condizer com a idade da cidade.
Em termos recreativos pouca movimentação está programada, facto que está a ser criticado pelos munícipes, habituados a viver festivais de canto e dança e música em momentos como este.
Maputo, Quinta-Feira, 18 de Outubro de 2007:: Notícias
.
Um pouco sobre a história de Pemba:
Em Maio de 1897 a Companhia Colonial determinou ao capitão José Augusto Soares da Costa Cabral para proceder à implantação de um povoado na baía de Pemba – assim as populações nomeavam a região.Passaria a ser a capital dos territórios da companhia majestática.
Lendo-se a documentação daquele tempo, o primeiro estudo de construção de um colonato na Baía havia sido já planejada pelo antigo governador colonial, em 1858. Entretanto, o comércio que se fazia nas margens da Baía se desenvolveu imenso, com as populações locais e com as caravanas que vinham do interior. Em 1897 a companhia majestática construiu um Posto Militar perto da povoação "Muenha Amada" que se localizava a noroeste do hoje Bairro do Paquitequete.Essa região era apelidada "Pampira". E com esse nome passou a chamar-se a povoação junto do Posto Militar abrangendo também a "Muenha Amada".Quando o povoado começou a ser traçado, fala-se, na História de Cabo Delgado e Niassa, do Dr Medeiros, que "Começaram logo a seguir os pedidos de arrendamento e de aforamento de talhões.Proibiam-se as construções que não fossem de alvenaria e que não obedecessem a certas regras.A Companhia extorquiu as terras aos habitantes do local, classificando-as de 1ª Classe para efeitos de concessão. Gerou-se com isso uma onda de especulação em torno dos terrenos, por intermédio a maioria das vezes dos empregados da Companhia, tanto em Pemba como no interior, e foram de tamanha ordem que o Estado Português, ao recuperar a administração em 1929 tinha, entre outras, uma pretensa concessão em Pemba que compreendia quase toda a povoação, incluindo o cemitério público"."Abertos os primeiros estabelecimentos comerciais, foi criado em 13 de Outubro de 1899 um posto fiscal. Pela Portaria do Ministério português da Marinha e Ultramar, de 22 de Novembro de 1899, e proposta do Conselho de Administração da Companhia, Pampira passou a denominar-se Porto Amélia, em homenagem à última rainha de Portugal".
.
A Companhia majestática.
O distrito militar de Cabo Delgado, na administração colonial, foi encerrado em 1891. O território compreendido entre o rio Rovuma e o rio Lúrio foi então concedido por Lisboa a uma Companhia majestática que passou a ter poderes soberanos sobre a região.A Companhia tinha exclusividade da coleta do imposto, o monopólio dos direitos alfandegários, da transação de terras, o direito de subconcessionar e de exercer atividades comerciais e industriais, agrícolas e mineiras.Os funcionários coloniais, crioulos e mestiços na sua maior parte, passaram a constituir o grosso dos funcionários médios e inferiores da Companhia e também a servir no seu corpo de milícias.Foi assim um capitão ao serviço da Companhia, José Augusto Soares da Costa Cabral, quem foi encarregado de implantar a povoação na baía de Pemba que está na origem da atual cidade capital da província de Cabo Delgado, no Moçambique independente.
Transcrição daqui.

Mais sobre PEMBA:

O que conta o "blogueiro" Miguel (lá de Angola) em seu não continuado "Agora Com Destino", sobre sua passagem por Pemba:

5 comentários:

Anônimo disse...

Um beijo, Pemba!
Outro para ti, Jaime!
http://chuinga5.blogs.sapo.pt/49807.html

gotaelbr disse...

Orgulha-me o que vem de ti, IO.
De Pemba recebi muito, senão quase tudo...até o sentido da palavra paixão que nutro por sua natureza bela, sem igual. E acredito que o mesmo acontece contigo e com muitos de nós que aprendemos e captamos o sentido da vida no acontecer de nossa adolescência africana.
Beijão também para ti IO.

Anônimo disse...

Parabéns a todos os Amigos de Pemba. Felicidades e que essa cidade encontre o progresso que merece.
Jerónimo Silva

Santa disse...

Parabéns pelo post na justa homenagem! Fiz um link em meu blog para um dos teus posts.

Um abraço aqui do Brasil.

gotaelbr disse...

Obrigado "Santa".
Tentarei retribuir em breve.

Jaime