sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Um conto Macua...

Morreu pelo conselho
Havia um homem chamado Kitheliwa que tinha dois sobrinhos.
Certo dia levou-os à caça.
Andando pelo mato, viram um buraco num murro-muxé.
O buraco era de um animalzinho chamado Niphire*.
Como eram 5 horas da tarde, o tio resolveu que deviam dormir ali no mato para, a coberto da noite, poderem matar o niphire.
No lugar onde iam dormir acenderam fogo e combinaram:
- Cada um que acordar primeiro deve entrar no buraco do niphire.
Mas o animal tinha dois buracos lá por dentro da sua casa, pois o buraco de niphire é grande e uma pessoa entra até uma distância de cinco passos.
O tio dos rapazes começou a aconselhá-los, dizendo:
- Quando ouvirem o barulho do niphire a vir lá do fundo do buraco, zagaiem-no logo, porque ele é muito esperto. Se ele disser "Ai! Já me mataram!" dai-lhe outra zagaiada.
Tudo ficou combinado.
Pensando terem sido os primeiros a acordar, os dois sobrinhos resolveram ir ver o niphire.
Não sabiam que o tio já estava lá no buraco.
Os dois rapazes ouviram barulho a sair do buraco e, seguindo os conselhos recebidos do tio e pensando que era o niphire, zagaiaram o tio.
Quando o tio disse:
- Ai! Já me mataram! - Zagaiaram-no outra vez, seguindo os conselhos do tio.
Depois disseram:
- Vamos acordar o nosso tio! Já matámos o niphire*.
Não sabiam que tinham matado o tio e foram para o lugar onde tinha dormido o tio e não o encontraram.
Reacenderam a fogueira e encontraram, no buraco do niphire, o tio morto.
Logo um dos irmãos disse:
- O nosso tio morreu pelo conselho.
Tive anakitheliwa akhwile ikano saya (Os conselhos falsos vêm em prejuízo de quem os dá).
Glossário:
*Niphire: Rinoceronte
.
Tradução em dialeto macua:
Akwale Ikano Saya
Ahihkala mulopwana mnosa aihamiwa Kitheliwa, ahikhalana asisulwawé anli.
Nihikunimosa ahakuxa arówanaka otakhwani oxaya.
Yethaka mutakhwane yahona mwithé, musulo wa muruni mwithi olé wari wamwaynama onihaniwa Niphire.
Yethaka ywora thanu, samkaripi, vano atataya amiravo ale, yahilavula órupa.
Otakhwani wira ohiyu eriyani emwive Niphire.
Nto, niporo nle narowaya órrupa, yahinsela moro.
Nto yahiwahana:
- Khula nmosa onrowa ovenya ohona evolowa omwithine wa Niphire.
Masi Niphire ahikhalano mithe mili mulina, nto, mwithe wa Niphire onihkala mutokwéne, ophyerya ovolowa muthu emenlene.
Atataya amiravo ale, yahipatthuya wa vaha mirruku eriki: mwaiwa oruma wa niphire muhina wamuithe nmuive mána niphire mulavilavi.owo ahima:wira ai, mokiva!
Mutthikhe nivaka nikina:
- Awo khiwiwanane nto asisuwawe mulopwna ole, khupuwela orowa oweha niphire, nto ehisuwelaka wira atataya arinmwithine.
Masi amiravo awo yahiwa ekukuru-ekukuru ekhumaka omwithini wa niphire ettarihaka ikano yahimeriwaya, yupuwelaka ka wira niphire, yahahoma atataya, nto atataya, khwira:
- Ai mokiva! – Khuahima tho emara yanenli ettharihaka ikano satataya.
Nave atataya, ekhhwiyene, nmosa ahira murowé mwawense atata, wira:
- Nomwima niphire. Nto, khiyasuwela wira yawivale atataya.
A miravó ali mmosa ahirowa oweha hipuró narrupaya Atataya, nto khuhaowiwanya.
Masi amiravo ale yahipatthiha moro khwapanya atataya ekhwiye.
Nananoru muhimawe khwira!
Atatihu akhwanle miruku saya.
Walá ikano saya.
Tive anakitheliwa akhwiye ikano saya.
In - Boletim do Centro de Lingua Portuguesa - Instituto Camões - Nampula - Nov/Dez 1999 - Recolha de Edgar P. Augusto.

Um comentário:

Anônimo disse...

(Os conselhos falsos vêm em prejuízo de quem os dá).

Puxa vida... este conto acaba mesmo mal.

Um Beijão do tamanho do Mundo

GuiFerreira