sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Referênciando novamente o pembista e professor RAFAEL DA CONCEIÇÃO...III

Para que, o "conveniente" silêncio não permita o esquecimento, transcrevo do Ma-Schamba:
.
"Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007
Um caso, que não será de fazer cair o prédio Pott, mas que é desagradável. A Imprensa Universitária que vem trabalhando pior do que o que seria desejável (e o menor dos defeitos não será o de não distribuir os livros que edita) deu em auto-plagiar-se. Podemos encolher os ombros e dizer que não é muito grave que o departamento gráfico de uma editora reutilize ideias gráficas que lhe são dadas por um autor publicado? Talvez. Reduzimos tudo a descuido e pronto. Mas sendo uma imprensa universitária, aqui mesmo ao lado, com que cara é que amanhã nós professores vamos dizer aos alunos para não mergulharem na internet em busca de trabalhos para plagiar? Não, não é descuido. É atitude. Condenável, em particular por ser cá em casa.
posted by JPT at 1:47 AM"
.
Sobre o mesmo tema:

7 comentários:

Anônimo disse...

Não sou moçambicana nem conheço Moçambique. Mas aí irei quando existirem voos diretos do Brasil para Moçambique. Os meus ancestrais eram originários daí. Pretendo conhecer o norte, principalmente a tão apregoada e enaltecida por este blog cidade de Pemba e suas praias.
Quanto ao assunto que aqui estou lendo, só uma pergunta - Porquê os senhores Luis Cezerilo e Marilda da Silva não reconhecem o erro e se retratam ? É tão simples !

Lilian Sales

JPT disse...

Vamos lá a ver - abaixo vi críticas (um pouco implícitas) ao Serra, agora ao Cezerillo e a Marilda da Silva (Que não conheço, uma professora brasileira que aqui veio lançar um livro). Vamos com calma: 1. primeiro não se matou ninguém; 2. segundo, que culpa tem uma académica que é convidada para editar um livro num outro país que a editora se baseie numa capa já feita para realizar o seu livro? caramba, é um pouco desagradável apontar o nome da colega assim envolvida; 3. já o Cezerillo é da casa, foi director da imprensa universitária até recentemente, julgo até ter estado na origem da edição aqui (julgo, disseram-me) da obra da colega brasileira - mas não foi ele o autor da capa, é um homem de vários ofícios mas não é gráfico; 4. O Serra tem um blog super-activo, dá-lhe uma atenção enorme, publicita várias actividades aqui, fez questão de informar os seus leitores das novas edições académicas aqui - e vêm-no criticar por algo do qual tem tanta responsabilidade como eu, o bloguista daqui e todos os outros leitores.

Caramba, isto dos blogs é terrível, as pessoas vêm para aqui tresler e disparar. Andam(os) a resmungar com o mundo, sem olhar a quem. - Não teclem, fumem (ou bebam, ou outra coisa ainda melhor) ...

JPT disse...

e meu caro dono da casa, desculpe o desabrido acima, mas "não há saco" para tanta acidez. O seu a seu dono, para o bom, para o mau, e para o assim-assim do nosso quotidiano. Cumprimentos, bom fim-de-semana

gotaelbr disse...

Lilian Sales,

Aproveite e visite Moçambique assim que puder...Passe o tempo que fôr possivel conhecendo Pemba, suas praias (principalmente Wimbe e Maringanha) e arredores. O povo é bom, hospitaleiro e muito lhe contará sobre seu passado histórico e colonial até ao presente. Vá também até às lendárias e magníficas Ilhas do Ibo (Quirimbas)e Ilha de Moçambique (Nampula). Certamente se apaixonará e jamais esquecerá esse belo país africano.
Quanto à pergunta sobre o tema da capa do livro... aguardemos surjam respostas para seu questionamento.
Um abraço,

Jaime

gotaelbr disse...

Caro JPT,

Como bem diz, para o bem ou para o mal, o seu a seu dono...o que me parece que não aconteceu até agora nesse desagradável assunto.
Como já sabemos o que existe é um facto (lançamento de um livro) oportunamente divulgado, na net também através do blogue do Serra que o fez, segundo Vc. comenta, repleto de boa-vontade informativa.
Surge o ForEver Pemba, também com sua boa-vontade informativa (e porque Rafael da Conceição tem origem em Pemba), expondo o inconveniente plágio da capa do dito livro.
Aparecem - o que é normal e faz parte da blogoesfera - comentários de leitores que agradam, desagradam e em sua maioria, a seu modo, desaprovam o plágio.
O conveniente e esperado seria, grave ou não o ocorrido (e isso depende da ótica de cada um, das circunstâncias e da valorização de parâmetros éticos) que, dentro do direito à informação, aparecessem justificativas ou, no mínimo, um pedido de desculpas divulgados com a mesma intensidade com que se noticiou o lançamanto do livro.
O que não ocorreu até agora.
Isolam-se simplesmente no silêncio quando os afrontados são outros.
A única provável justificativa e de enaltecer que apareceu é a sua, embora alheio ao ocorrido. Queiramos ou não, com simplicidade, são estes os factos que geram reações.
Por isso e se me permite dizer-lhe, não se agaste, caro JPT. Sabemos como a net é aliciante e a musa que nos inspira tem candura mas alguns espinhos. E seu conceituado e lido Ma-Schamba já o deve ter acostumado a essa prova de paciência.
Bom fim de semana também para si e disponha, sempre cordialmente do,

Jaime Luis Gabão

JPT disse...

Terá razão, não vale a pena agastar-me [nos] com estas coisas. Mas chateia um pouco ver as trapalhadas da imprensa universitária (que são muitas, e maiores do que este episódio, diga-se) serem atribuídas em comment-opinião a colegas, meus conhecidos, amigos ou desconhecidos, que nada tendo a ver com isso, e até cheios de boa-vontade, vêm o seu nome "tocado". Dir-se-á que é pouco importante, talvez (apesar do google, que registará e ecoará estas coisinhas - não esquecer), mas é desagradável.
Siga-se, como aconselha. Até à próxima

Anônimo disse...

Se notarem acontece disso em países onde a coisa pública é tratada como privada e só atende os interesses de meia-dúzia. Não será este o caso ?
A. Pimenta