terça-feira, 19 de agosto de 2008

Ecos da Imprensa lusa: NORTE DE PORTUGAL - A REGIÃO MAIS POBRE DA EUROPA!

(Clique na imagem para ampliar)
.
Sem comentários adicionais longos já que o texto do Diário de Notícias-Portugal é bem claro sobre a situação de empobrecimento da sociedade portuguesa em geral e principalmente do sempre esquecido Norte de Portugal. Tristemente é este O PORTUGAL QUE LISBOA (governo) IGNORA e onde existem milhares de reformados e pensionistas, velhos, doentes, que são obrigados a sobreviver com míseros 300,00 euros ou menos por mês (valor abaixo do também baixo, a nivel europeu e mundial, salário mínimo nacional) que mal dão para as despesas médicas e medicamentosas, quanto mais para se alimentarem e tentarem sorrir...!!!!
.
NORTE DE PORTUGAL - A REGIÃO MAIS POBRE DA EUROPA!
.
"O Norte trabalha e Lisboa consome". Esta frase já passou para o baú da história. As cifras não enganam: nos primeiros cinco anos da década, a riqueza produzida no país aumentou 22%. Ao mesmo tempo, no Norte, entre o Douro e o Minho, incluindo Trás-os-Montes, a riqueza cresceu apenas 18,7%, enquanto no Alentejo expandia-se 21,8%. O Norte do país pode trabalhar muito, mas e os rendimentos - salários, rendas e pensões - aumentaram na mesma proporção.
Os dados oficiais parecem castigar as gentes do Norte. Em 2006, em rendimentos anuais (ordenados, rendas) cada nortenho auferia 7307 euros, em média, de acordo com os inquéritos aos rendimentos familiares do INE. Ou seja, no final do ano, cada nortenho levava menos 1483 euros, em relação à média ostentada pelo cidadão nacional. Até mesmo os alentejanos - por norma, associados à "pobreza" - ganhavam mais do que os nortenhos: 7390 euros anuais. Mas, em termos de ganhos, diz a estatística, a diferença para a Grande Lisboa é abismal. É que o típico lisboeta ganha mais 4355 euros do que o nortenho. Prejudicados nos ganhos, os nortenhos são, também, "mal-tratados" quanto aos subsídios sociais. Em média nacional, os pensionistas recebem 4006 euros anuais - dados de 2007 - mas os nortenhos são os últimos na cadeia da solidariedade nacional: recebem apenas 3187 euros, o que pode ser explicado pela pirâmide populacional. Um último dado: em 2007, a pensão média nacional de velhice era de 359 euros, mas em Braga a pensão média não passava dos 316 euros. E, se no Porto o pecúlio atingia os 390 euros, já em Lisboa tocava os 463 euros. Até mesmo o flagelo social mais temido não perdoa as gentes do Norte. Entre 2000 e 2007, o desemprego em Portugal aumentou 118%. Mas, mais uma vez as estatísticas oficiais são cruéis para a zona Norte. Entre o Douro e o Minho o exército sem emprego aumentou 145%, só ultrapassado pelo crescimento no Centro, entre o Tejo e o Douro: 174,6%. E, a demonstrar que em Lisboa pode existirem mais oportunidades no mercado laboral, o desemprego aumentou "apenas" 77,6% .Em 2005, o Norte de Portugal era a região da UE a 25 com o mais baixo índice de rendimento por habitante. A riqueza (PIB), medido em termos de poder de compra, representava 57,4% da média da UE. Lisboa, para o mesmo ano, detinha um PIB per capita de 104,3% da média da União.
- In "DNOnLine", 19/08/08.
  • Um post deste blogue de Outubro/2007 sobre a pobreza em Portugal - Aqui!

2 comentários:

Katya disse...

Hola:

Tu blog ha recibido el premio “Brillante Weblog”. Si quieres recogerlo sigue este enlace:

http://resistenciacatiacaracas.blogspot.com/

gotaelbr disse...

Obrigado Katya, pela consideração.
Um abraço e sucesso na busca e empenho por uma Venezuela livre.