segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Ecos da imprensa Moçambicana - O que é afinal a reconciliação?

Os tempos mudam, as consciências também, as "verdades" e valores são outros ou são analisados, justificados consoante o politicamente correto do momento, os interesses económicos. Mas crimes e criminosos aconteceram, martirizaram, causaram e causam sofrimento e estão por aí impunes... Nada justifica o injustificável. Se Moçambique não julgar e punir, a História o fará certamente!
Transcrevo:
.
EDITORIAL DO CANAL DE MOÇAMBIQUE de 04/08/2008.
O que é afinal a reconciliação?
Esperamos que não falte sentido de Estado a quem tem consciência de que o que já foram “ideias contra-revolucionárias” hoje fazem a política de quem aniquilou os “reaccionários e traidores” de ontem.
.
Maputo (Canal de Moçambique) - Escreveu-se mais uma página da História. Jacinto Veloso falou e acabou por deixar claro que o reverendo Uria Simango, Joana Simeão, Lázaro Kavandame, Júlio Razão Nihia, Mateus Gwengere, Paulo Gumane e muitos outros foram assassinados.
Quanto ao documento que serviu para tentar “emprestar um cunho jurídico ao acto de assassinato”, aliás várias vezes referido aqui no «Canal de Moçambique», mas também em outros órgãos de Comunicação Social, Jacinto Veloso, proeminente figura do ex-Bureau Político do Comité Central do Partido Frelimo e exministro da várias pastas de governos de Moçambique, designadamente da Segurança (ex-SNASP), se dúvidas ainda havia, acaba de permitir que tenham deixado de haver, ao afirmar ao jornalista Laurindos Macuacua, d´«O País», o que desde já recordamos: “Penso que não assinei. Alguém o preparou. Tinha, efectivamente naquilo que eu entendo hoje, o objectivo de legalizar o julgamento desse grupo de concidadãos que eram considerados reaccionários ou traidores. Mas não posso comentar muito. O que posso dizer é que tem de distinguir uma situação de guerra de libertação onde a lei é da própria guerra. A justiça faz-se onde a coisa acontece, o que é diferente de um Estado de Direito.”
Já não há maneira de se continuar a escamotear os factos. As pessoas estão mortas. Foram mortas sem direito a defesa. Foram sumariamente executadas. Moçambique já era um Estado independente, já era um País membro da Organização das Nações Unidas. Já tinha Constituição. Já era um Estado de Direito. Não se tratou de situação de guerra nenhuma como alega Jacinto Veloso. Moçambique já era um Estado com governo que deveria ter exercido as suas responsabilidades de proteger por igual todos os cidadãos, mas agiu para lhes tirar a vida.
Passa a ser certamente desconfortável para estados que hoje levam a Haia certas personalidades, continuarem calados perante este reconhecimento tácito de um crime de Estado praticado por pessoas a quem ainda é possível pedirem-se responsabilidades. Afinal trata-se de um genocídio de muito maiores dimensões. O grupo de “concidadãos” que foram vítimas não se limitava aos nomes mais sonantes que hoje servem de referência. São muitos mais. Tantos que há até “correntes de opinião” que amiúde chegam mesmo a falar em “limpeza étnica” quando recordam as proporções da criteriosa operação de eliminação física dos opositores ao regime que com certas práticas acabou por suscitar a violenta Guerra Civil por que Moçambique acabou por ter de passar e viria a terminar com um saldo extremamente negativo.
Os «campos de reeducação» e a «operação produção» são também disso memória e referência que não deixa Robert Mugabe só quando se recorda o genocídio de Matabeleland.
Não se trata de pedir que se reabram feridas. O papel dos familiares serve de referência. Tem sido de tolerância e de perdão, particularmente no caso do Edil da Beira, Deviz Simango, e do seu irmão mais velho, Lutero Simango, ambos filhos do reverendo Urias Simango, ex-Vice-presidente da Frelimo, e de Celina Simango, esta fundadora da LIFEMO, primeiro movimento feminino Moçambicano que antecedeu a OMM no início da Luta Armada de Libertação Nacional e que foi por si presidido até à sua extinção a 4 de Março de 1968.
De tais perdas humanas não há forma de ressarcir as famílias. Por mais que se faça, o mal está feito e é irremediável. Mas há certamente um gesto que se
pode exigir a quem tem andado ultimamente pelo país a recordar nomes que da História não se podem apagar. Devolver os restos mortais aos familiares é o mínimo que se pode pedir e até mesmo exigir. Esperamos que não falte sentido de Estado a quem tem consciência de que o que já foram “ideias contra-revolucionárias” hoje fazem a política de quem aniquilou os “reaccionários e traidores” de ontem.
A razão falou mais alto. As famílias das vítimas aguardam o
momento de poderem ter consigo pelo menos os restos mortais dos seus entes. E o Estado Moçambicano à luz da Nova Constituição deve saber assegurar-lhes esse direito. A Procuradoria Geral da República não tem nada a dizer sobre isto? O que é afinal a reconciliação?
(Z) Maputo, Canal de Moçambique, 04/08/2008.
  • Armindo Milaco, deputado/Renamo pelo circulo eleitoral de Cabo Delgado, disse na Assembleia da República de Moçambique... - Aqui!
  • Moçambique 1980 - Operação Produção - Aqui!
  • Operação Produção era um programa cheio de humanismo... - Aqui!

2 comentários:

Ruvasa disse...

Viva, Gotaelbr!

A verdade, como o azeite, acaba sempre por flutuar e flutuando, mostra-se a todos, deixando alguns um tanto afundados.

* * *

Através do blog da Isabel Filipe acabei por tomar conhecimento da sua existência.

É certo que, lá no blog, estamos um tanto em desacordo quanto às culpas e não culpas do MSIE nas dificuldades por que estão passando alguns bloggers que ainda o usam.

Mas isso não importa.

O que importa, isso sim, é que descobri um "compatriota". O que é sempre de saudar.

Embora natural da Sertã, distrito de Castelo Branco, a partyir dos 20 anos vivi um ano em Angola e cerca de 15 em Moçambique.

Quelimane, LM, todo o Niassa (tropa), Ilha de Moçambique, Nampula, Beira, Tete foram terras onde vivi até que, em Setembro de 1977, regressei.

Não cheguei a conhecer Pemba (P.Amélia), sendo mesmo a única região de Moçambique que não conheci, pois que também andei por Inhambane e Chimoio.

Tendo, pois, notado que alguém daquela região por aqui andava, vim ver, gostei e... vou linkar, como não podia deixar de ser.

Abraço

Ruben

gotaelbr disse...

Um abraço Ruben por seu comentário-abraço originado no rincão luso. Entre desencontros de opinião e gostos-desgostos por navegadores complicados e problemáticos patrocinados pela nossa Amiga Isabel desta net que nos congrega, acabamos por descobrir e fazer Amigos que esperamos conservar. Nem que seja pela África/Moçambique que ambos vivenciamos e apreciamos pelas marcas que gravou forte em nosso peito.
Pode crer que retribuirei a visita e também o "linkarei", ora pois!
Grande e efusivo abraço.