sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Mundo Lusófono: "Magalhães", um computador pouco português!

Apresentado com pompa e circunstância em Portugal, trata-se de um produto totalmente idealizado pela Intel.
.
Foi anunciado como o primeiro computador português, mas não é bem assim. O Magalhães é originalmente o Classmate PC, produto concebido pela Intel no sector dos NotBooks, que surge em reacção ao OLPC XO-1, que foi idealizado por Nicholas Negroponte.
Será, no fundo, um computador montado em Portugal, mais propriamente pela empresa JP Sá Couto, em Matosinhos. Tirando o nome, o logótipo e a capa exterior, tudo o resto é idêntico ao produto que a Intel tem estado a vender em várias partes do mundo desde 2006. Aliás, esta é já a segunda versão do produto.
Este computador ultraportátil já está à venda em vários países, inclusivamente o Brasil, mas nem sempre é conhecido pelo mesmo nome. A ideia não é portuguesa, mas irá dar postos de trabalho na montagem dos componentes. Também permitirá manter bem viva a acção das empresas de comunicações, que irão fazer mais alguns milhares de contratos de acesso a Internet. São 500 mil portáteis disponíveis para as crianças dos seis aos dez anos. Um agrado para os mais novos, que com certeza também satisfará os pais.
Na Indonésia o «Magalhães» é conhecido pelo nome de «Anoa», na Índia é o Mileap-X series, na Itália é o Jumpc e o no Brasil é conhecido por Mobo Kids. O Governo do Vietname percebeu o sucesso da oferta e já o colocou nas escolas a preço reduzido. Uma idéia agora adoptada por José Sócrates.
.
E.escolinhas depois do E.Escolas.
Garantida a distribuição de 500 mil computadores, resta saber em que condições isso irá ser feito, uma vez que também foi anunciada a parceria com a Vodafone, Optimus e TMN. Como disse o primeiro-ministro, o «Magalhães» surgirá no âmbito do programa «E.escolinhas», na senda do «E.Escolas».
Ou seja, os 0 euros, 20 euros e 50 euros de custo (consoante o apoio social) poderão estar ligados a um contrato de fidelização à empresa de telecomunicações devido ao acesso à Internet. Esse dado não foi revelado, mas caso se confirme levará as famílias a despender mais de uma dezena euros durante vários meses (possivelmente 36).
Ficou assente que os computadores vão integrar conteúdos educativos validados pelo Ministério da Educação, que os operadores deverão carregar nos portáteis antes de os entregarem às crianças, para além de filtros de segurança. Vão surgir em versão Windows XP e Linux-Caixa Mágica.
.
Exportação?
José Sócrates pretende exportar este produto, se possível para a América Latina, África ou Europa, mas isso só será possível depois da concepção para Portugal. Segundo Craig Barrett, presidente do Conselho de Administração da Intel, em declarações à SIC, existem outros países interessados em montar o Classmate PC no seu país, como acontece no México e no Brasil. Isto sabendo que a Intel já tem uma fábrica na Irlanda.
Quanto a investimento, não há dúvida: «A Intel não gastou nada, contribuirá com o conhecimento». O dinheiro saiu todo do lado português, com a intenção de vir a potenciar a fábrica de Matosinhos, sendo que no início apenas 30 por cento da tecnologia incorporada é nacional mas até final do ano será 100%, tirando o microprocessador da Intel.
.
Intel como conselheira tecnológica.
Aliás, ao contrário da pompa e circunstância difundida pelo Governo, a notícia teve um outro impacto a nível internacional, sendo considerado um grande negócio para a Intel na guerra pela liderança no mercado dos Netbooks com a rival OLPC (One Laptop Per Child - Um Computador Por Criança).
Segundo a porta-voz da empresa, Agnes Kwan, para além da maior venda de sempre destes computadores, a Intel passará a ter direito de conselheira tecnológica do Ministro Mário Lino, que está a liderar o programa. A mesma porta-voz diz que estes computadores (Classmate PC) já estão presentes em mais de 30 países, relata a agência Associated Press.
- IOL/Portugal Diário - Por Filipe Caetano, 30-07-2008 - 23:10h.
.
E NO BRASIL?...
.
Município paulista compra 1,5 mil Classmate PCs para rede de ensino.
A prefeitura de Campo Limpo Paulista vai distribuir equipamentos entre escolas municipais que atendem alunos da 5ª à 8ª séries.
A Prefeitura de Campo Limpo Paulista, a cerca de 60 quilômetros da capital, anunciou nesta quinta-feira (31/07) uma iniciativa para equipar 43 salas de aulas da rede municipal com laptops educacionais ClassMate PC. Cerca de 2,5 mil alunos da 5ª à 8ª série nos colégios municipais da cidade usarão os laptops educacionais dentro da sala. O projeto também envolve a compra de lousas eletrônicas que substituirão os quadros negros na salas de aula envolvidas no projeto. A prefeitura não revelou quantas lousas do tipo foram compradas. A compra e implementação de notebooks é um desdobramento do projeto piloto realizado pela prefeitura no último bimestre de 2007, na escola municipal de ensino fundamental Luiz de Carvalho. A rede municipal de ensino de Campo Limpo Paulista não será a primeira a integrar notebooks educacionais à rotina pedagógica. Em maio de 2007, a Fundação Bradesco anunciou que compraria 500 laptops Classmate PC para uso rotativo em todas as salas do Ensino Básico.O projeto de Campo Limpo Paulista, porém, é o primeiro envolvendo uma administração municipal a integrar laptops educacionais às salas de aula.
Simultaneamente ao anúncio da prefeitura do município paulista, o Governo de Portugal anunciou acordo com a Intel para comprar 500 mil laptops educacionaisacionais.
- Redação do IDG Now!, 31-07-2008.
  • "Magalhães" - Primeiro laptop popular português sairá em Setembro. - Aqui!
  • "Magalhães" - quem vence a guerra dos portáteis para crianças? - Aqui!

2 comentários:

Ruvasa disse...

Viva, Gotaelbr!

Não é bem assim, nem é mal assim. Não é mesmo assim, como eles dizem.

É, isso sim, como o meu amigo diz.

Trata-se de um produto inteiramente da Intel e, tanto quanto foi possível saber, já requentado, ou seja, o Magalhães do Pinóquio, isto é, o Magellan que só o Pinoquio poderia ter concebido. Com aquele privilegiado cérebro, dentro daquela redondinha cabecinha.

Enfim! O que vale é que não é eterno. Mas... parece, caramba!

Abraço

Ruben

gotaelbr disse...

Por isso mesmo, caro Ruben, ainda desejo afirmar que o tal produto da Intel deveria apelidar-se de Pinóquio em homenagem ao nosso conterrâneo e popular governante eleito a contento pelo povo luso. Seria mais apropriado e evitariamos que o honrado e ilustre Magalhães se revolvesse no túmulo de desgosto ou vergonha!
Abraço.