sábado, 27 de junho de 2009

Moçambique autorizado a matar mais elefantes!

Lamento transcrever, mesmo perante o júbilo macabro do ministro moçambicano da agricultura e demais defensores da chacina dos animais da selva:

A Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies em Perigo de Extinção (CITES), acaba de autorizar Moçambique a aumentar de 40 para 60 o número de elefantes a abater anualmente, por estes paquidermes estarem a criar mais problemas às comunidades rurais no país.

Reagindo o facto, o ministro moçambicano da Agricultura, Soares Nhaca, enalteceu o gesto, considerando ser uma medida fundamental nos esforços do Governo para minimizar o conflito homem-animal. Para aquele governante, que falava recentemente à AIM, em Maputo, “esta decisão da CITES é fundamental porque vai reforçar a nossa capacidade de aquisição de armamento para o abate de animais problemáticos, entre os quais os elefantes”, que semeiam a morte junto das comunidades, um pouco por todo o país.

Nhaca afirmou ainda que a decisão de aumentar para 60 o número de elefantes a abater por ano, comunicada recentemente ao Governo de Moçambique por responsáveis ligados à referida convenção, “vai-nos permitir colocar esses animais no mercado de forma mais valorizada, porque, por um lado, será um abate autorizado, e, por outro, os troféus serão legalmente exportados.

“A decisão fará também com que aumentemos a capacidade do Governo de treinar fiscais para os diferentes parques e reservas de animais bravios do país, para além de permitir uma maior eficiência no licenciamento de empresas sobretudo para o negócio de crocodilos”, realçou o titular da pasta de Agricultura.

Soares Nhaca prestou estas declarações numa altura em que as autoridades moçambicanas estão a levar a cabo um conjunto de medidas destinadas a mitigar o conflito homem-animal, que, no entanto, ainda não produziram resultados concretos. Uma das medidas adoptadas para minimizar este conflito, “que é uma das preocupações que não nos deixam apanhar sono, foi a de procurar fazer a vedação nos principais corredores dos animais”, trabalho a ser feito em coordenação com outras instituições governamentais, entre as quais o Ministério do Turismo.

O Governo diz que os animais mais visíveis que têm criado mais problemas são os elefantes, que têm uma memória de centenas de anos, ou seja, que vai de geração em geração, explicando que quando há um circuito, os elefantes permanecem nesse circuito, “e se houver desvio, eles desviam, mas passado algum tempo, eles voltam lá”.

Entretanto, o ministro do Turismo, Fernando Sumbana, em contacto com a AIM, confirmou haver esse trabalho coordenado, afirmando que na Reserva Especial de Maputo está já em curso o trabalho de construção de uma vedação ao longo do corredor dos elefantes, esperando-se que o mesmo seja concluído ainda este ano.

“Não teremos a situação do conflito homem-animal estancada, porque se construímos vedação num sítio, há uma maior pressão de animais noutro local, porque há mais animais a desviar para um determinado circuito, visto que estes se espalhavam quando a vedação não existia”, explicou Sumbana.

Outro local de grande incidência de conflito homem-fauna bravia é o Parque Nacional das Quirimbas, na província nortenha de Cabo Delgado, criado em 2002, numa zona com muitos animais. O parque foi criado tendo como um dos seus principais objectivos estabelecer um mecanismo que permita mitigar o conflito homem-animal, “e o que nós estamos a fazer agora é procurar construir uma vedação nos circuitos dos animais e abrir machambas em bloco”.
Por outro lado, foram treinados caçadores comunitários para a protecção das populações, não só ao longo da zona do parque, mas também ao nível de todos os distritos da província de Cabo Delgado. Refira-se que, recentemente, o Ministério da Agricultura promoveu, em Inhambane, sul do país, um encontro sobre o conflito homem-animal, e, brevemente, vai submeter uma estratégia ao Governo, “para sermos mais agressivos nos esforços para mitigar o conflito homem-animal”.

Entre outros aspectos, a estratégia preconiza que é preciso confinar os animais ao parque e procurar vedar todos os locais sensíveis. Em Moçambique, um dos animais que mais matam é o crocodilo, que vive no rio, sendo que a estratégia define que deve haver zonas devidamente vedadas, onde as populações possam ir tirar água sem correr riscos. A referida estratégia prevê ainda que sejam feitos abates selectivos.

Presentemente, está em curso o trabalho de recolha de ovos dos crocodilos. O resultado ainda não é satisfatório, mas a perspectiva é, por um lado recolher os ovos e fazer abates selectivos, e, por outro, vedar os sítios mais sensíveis, de modo a que as populações não corram riscos.
- @Verdade de 27/06/09.

  • Alguns post's deste blogue sobre a chacina dos elefantes e animais da selva em Moçambique e África - Aqui!
  • A chacina dos elefantes em Moçambique/África e o conflito "animal/homem" pesquisado no Google, Aqui!

Nenhum comentário: