terça-feira, 3 de junho de 2008

Brasil - O desmatamento da Amazónia assusta...

(Imagem original daqui. Clique na imagem para ampliar)
.
Lamentável mas real. Impunidade e interesses económicos privados permitem a destruição crescente da floresta amazônica.
Transcrevo do blogue da jornalista brasileira Miriam Leitão:
.
Notícias da floresta
O termômetro mostra: o desmatamento é assustador.
Os dados, afinal divulgados pelo Inpe, mostram que o desmatamento se acelerou em abril.
O Inpe explicou que, em março, houve mais cobertura de nuvens do que em abril.
Isso significa que os dados de março podem estar subestimados, mas os de abril, com mais visibilidade, não deixam dúvidas: o ritmo do desmatamento está crescendo, e ele é mais acentuado nos estados de Mato Grosso, Pará e Rondônia.
Desses três, só o Pará tem demonstrado preocupação em enfrentar o problema.
O governador de Mato Grosso, Blairo Maggi, quis quebrar o termômetro do Inpe, quis criar um "Inpe do B" para ele mesmo, brigou com a ex-ministra Marina Silva e acusou a Polícia Federal.
O fato que os números não deixam duvida é que a devastação avança mais no estado que ele governa.
E não por acaso, afinal ele tem defendido de forma cada vez mais explícita a idéia de que a produção cresça às custas da Amazônia.
É bom lembrar que o Brasil tem terras disponíveis em extensão maior do que a hoje ocupada para produzir 142 milhões de toneladas de grãos.
O Inpe fez a divulgação em São José dos Campos, cercando cada informação com as devidas qualificações técnicas para lembrar algumas coisas.
Primeiro, ele não é um órgão que está no meio da briga política.
Segundo, que ele é uma instituição científica à disposição da sociedade brasileira e que sua preocupação não é ideológica, nem partidária, mas, sim, em melhorar as condições científicas de cumprir seu papel, dando à sociedade brasileira os meios para decidir os caminhos da Amazônia.
O país perdeu um campo de futebol a cada dez minutos na Amazônia, nos últimos 20 anos.
Pode escolher continuar perdendo, ou mudar a curva.
Miriam Leitão - 02/06/08 - 18h24.

3 comentários:

Anônimo disse...

Estúpidamente real. Estúpidamente inconcebível.

Álvaro Lima - Porto

José Bandeira disse...

O peixe morre pela boca. E o homem morrerá pela falta de educação ambiental. Insensível, imediatista, ambicioso, egoísta, está a aniquilar o planeta e o futuro das novas gerações com o beneplácito de políticas e políticos incapazes.

Anônimo disse...

NÓS TODOS ACHAMOS ISSO TUDO UM ABSURDO.POIS É UMA COISA MUITO ORRIVEL DESMATAR A FLORESTA DEIXANDO OS ANIMAIS SEM ABRIGO,SEM MORADIA...ENTAO VAMOS CRIAR VERGONHA NA CARA E PARAR DE DESMATAR,MAS TAMBEM NAO SO DESMATAR. TAMBEM NAO DESVEMOS POLUIR AS RUAS,O AR... NAO JOGARLICHO NO CHAO... ENTRE OUTRAS COISAS... ENTAO VAMOS SE LIGAR E NAO DESTRUIR O MEIO AMBIENTE.... FUUUUUUUUIIIIIIIII