sexta-feira, 11 de abril de 2008

Eleições no Zimbabwe - Diz o ditador Mugabe: Daqui não saio...daqui ninguém me tira ! - III

Ano 3 - N.º 548 Maputo, Sexta-feira, 11 de Abril de 2008
.
Volte face na África do Sul sobre tentativa de fraude eleitoral no Zimbabwe
.
Joanesburgo (Canal de Moçambique) 11/04/2008 - O vice-ministro dos negócios estrangeiros da África do Sul, Aziz Pahad, declarou ontem que a Comissão Eleitoral do Zimbabwe devia explicar a razão do silêncio a que se remeteu quanto aos resultados das eleições presidenciais de 29 de Março último. As declarações de Pahad surgem alguns dias após o presidente sul-africano, Thabo Mbeki, ter declarado a correspondentes no Reino Unido que “se devia aguardar pelo resultado das eleições” realizadas naquele país faz no próximo domingo duas semanas.
O governo sul-africano havia inclusivamente rejeitado a possibilidade de uma intervenção das Nações Unidas, tal como fora solicitado pelo Movimento para a Mudança Democrática (MDC), partido vencedor das eleições no Zimbabwe. A África do Sul, que presentemente detém a presidência do Conselho de Segurança, havia igualmente manifestado a sua oposição à hipótese de uma sessão extraordinária deste órgão da ONU destinada a analisar a crise naquele país.
O volte face do governo sulafricano surge na sequência da iniciativa do chefe de estado zambiano, Levy Mwanawasa, que é o presidente em exercício da SADC, em tomar a dianteira, convocando uma cimeira de emergência para discutir o problema zimbabweano. A cimeira da SADC, a realizar-se amanhã em Lusaka, tem como pano de fundo o coro de protestos por parte das forças vivas do Zimbabwe em virtude da tentativa de fraude eleitoral ensaiada pelo regime no poder neste país. Impossibilitado de repetir a burla de 2002, em que a oposição se viu privada de assumir o poder, não obstante o mandato que lhe fora conferido pelo eleitorado, o regime encabeçado por Robert Mugabe optou desta vez por proibir a ZEC (Comissão de Eleições do Zimbabwe) de divulgar os resultados das eleições presidenciais ao mesmo tempo que, numa clara manobra de intimidação, desdobrava efectivos do seu aparelho repressivo um pouco por toda a parte do país, e, no melhor estilo populista, ordenava os seus «Tom Tom Macoutes» a invadir propriedades agrícolas.
A política de apaziguamento até agora seguida pelos chefes de Estado da SADC será confrontada em Lusaka com o dilema deles continuarem a pactuar com um regime corrupto, que não hesita em recorrer de forma sistemática à burla eleitoral, ou tomarem em linha de conta a vontade da esmagadora maioria de um povo que nas urnas deu nota negativa a uma partido e a um chefe que há muito caíram no descrédito. Ao chefe de fila do regime caduco de Harare resta a esperança de, em Lusaka, os seus tradicionais aliados da SADC virem a pressionar os vencedores do escrutínio de 29 de Março a integrarem um “governo de unidade nacional” em que a “figura histórica”, isto é, o próprio Mugabe, continuaria como timoneiro de um país na bancarrota devido à ruinosa política económica da ZANU-PF.
  • Alguns post's deste blog sobre a situação social e política vivenciada no Zimbábue - Aqui; Aqui; Aqui; Aqui ; Aqui e Aqui !

Nenhum comentário: